Texto Teatral

Daniela Diana

O Texto Teatral ou Dramático são aqueles produzidos para serem representados (encenados) e podem ser escritos em poesia ou prosa.

São, portanto, peças de teatro escritas por dramaturgos e dirigidos por produtores teatrais e, em sua maioria, são pertencentes ao gênero narrativo.

Ou seja, o texto teatral apresenta enredo, personagens, tempo, espaço e pode estar dividida em “Atos”, que representam os diversos momentos da ação, por exemplo, a mudança de cenário e/ou de personagens.

De tal modo, o texto teatral possui características peculiares e se distancia de outros tipos de texto pela principal função que lhe é atribuída: a encenação.

Dessa forma, ele apresenta diálogo entre as personagens e algumas observações no corpo do texto, tal qual o espaço, cena, ato, personagens, rubricas (de interpretação, de movimento).

Já que os textos teatrais são produzidos para serem representados e não contados, geralmente não existe um narrador, fator que o difere dos textos narrativos.

O teatro é uma modalidade artística que surgiu na antiguidade. Na Grécia antiga, eles possuíam uma importante função social, donde os espectadores esperavam pelo momento da apresentação, que poderia durar um dia todo.

Características do Texto Teatral

  • Textos encenados
  • Gênero narrativo
  • Diálogo entre personagens
  • Discurso direto
  • Atores, plateia e palco
  • Cenário, figurino e sonoplastia
  • Linguagem corporal e gestual
  • Ausência de narrador

Linguagem Teatral

A Linguagem Teatral é expressiva, dinâmica, dialógica, corporal e gestual. Para prender a atenção do espectador os textos teatrais sempre apresentam um conflito, ou seja, um momento de tensão que será resolvido no decorrer dos fatos.

Observe que em grande parte a linguagem teatral é dialógica, no entanto, quando encenada por somente um personagem é chamado de monólogo, donde expressa pensamentos e sentimentos da pessoa que está atuando.

Elementos da Linguagem Teatral

Os principais elementos que constituem os textos teatrais são:

  • Tempo: o tempo teatral é classificado em "tempo real" (que indica o da representação), "tempo dramático" (quando acontece os fatos narrados) e o "tempo da escrita" (indica quando foi produzida a obra).
  • Espaço: o chamado “espaço cênico” determina o local em que será apresentado a história. Já o “espaço dramático” corresponde ao local em que serão desenvolvidas as ações dos personagens.
  • Personagens: segundo a importância, os personagens dos textos teatrais são classificados em: personagens principais (protagonistas), personagens secundários e figurantes.

Estrutura dos Textos Teatrais

Os textos teatrais são constituídos por dois textos:

  • Texto Principal: que apresenta a fala das personagens (monólogo, diálogo, apartes).
  • Texto Secundário: que inclui o cenário, figurino e rubricas.

Quando produzidos, são divididos de maneira linear em:

  • Introdução (ou apresentação): foco na apresentação das personagens, espaço, tempo e do tema.
  • Complicação (ou conflito): determina as peripécias da peça teatral.
  • Clímax: momento de maior tensão do drama.
  • Desfecho: desenlace da ação dramática.

Gêneros Teatrais

Os gêneros teatrais mais conhecidos são:

  • Tragédia
  • Comédia
  • Tragicomédia

Saiba mais sobre o Gênero Dramático.

Exemplo

Segue abaixo um trecho do texto teatral intitulado “Álbum de Família”, escrito por Nelson Rodrigues, em 1945:

Cena 1

(Palco menor: cena mostra ângulo de um dormitório de colégio. Glória e Teresa entram rindo muito, como se brincassem de esconde-esconde. Ambas em finíssimas camisolas, muito transparentes. São meninas que aparentam 15 anos. Há entre as duas um ambiente de sonho. Quando a música termina, Teresa fala)

TERESA – Você jura?

GLÓRIA – Juro.

TERESA – Por Deus?

GLÓRIA – Claro!

(Nota importante: o sentimento de Teresa é mais ativo; Glória resiste mais ao êxtase)

TERESA – Então, quero ver. Mas, depressa, que a irmã pode vir.

GLÓRIA (erguendo a cabeça) – Juro que...

TERESA (retificando) – Juro por Deus...

GLÓRIA – Juro por Deus...

TERESA – ... que não me casarei nunca...

GLÓRIA – ... que não me casarei nunca...

TERESA – ... que serei fiel a você até à morte.

GLÓRIA – ... que serei fiel a você até à morte.

TERESA – E que nem namora.

GLÓRIA – E que nem namoro.

(As duas se olham. Teresa coloca o véu branco na cabeça de Glória; em seguida coloca outro véu sobre a sua própria cabeça. Abraçam-se.)

TERESA (apaixonada) – Também juro por Deus que não me casarei nunca, que só amarei você, e que nenhum homem me beijará.

GLÓRIA (menos trágica) – Só quero ver.

TERESA (trêmula) – Segura minha mão assim. (olhando-a profundamente) Se você morrer um dia, nem sei!

GLÓRIA – Não fala bobagem!

TERESA – Mas não quero que você morra, nunca! Só depois de mim. (com uma nova expressão, embelezada) Ou então, ao mesmo tempo, juntas. Eu e você enterradas no mesmo caixão.

GLÓRIA – Você gostaria?

TERESA (no seu transporte) – Seria tão bom, mas tão bom!

GLÓRIA (prática) – Mas no mesmo caixão não dá – nem deixam!

TERESA (sempre apaixonada) – Me beija!

(Glória beija na face, com certa frivolidade.)

TERESA – Na boca!

(Beijam-se na boca)

TERESA (agradecida) – Nunca nos beijamos na boca – é a primeira vez.

(Riem. Beijam-se novamente. Música de transição: Glória de Vivaldi em tom menor)

(Apaga-se a pequena cena do dormitório.)

Curiosidade: Você Sabia?

Os "Autos" e as "Farsas" fazem parte dos textos teatrais. Os Autos são textos mais curtos de caráter cômico, enquanto as Farsas são mais satíricas, com crítica a diversos aspectos da sociedade.

Para complementar sua pesquisa veja também os artigos:

Daniela Diana
Daniela Diana
Licenciada em Letras pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) em 2008 e Bacharelada em Produção Cultural pela Universidade Federal Fluminense (UFF) em 2014. Amante das letras, artes e culturas, desde 2012 trabalha com produção e gestão de conteúdos on-line.