Texto teatral: o que é e suas características (com exemplos)

Márcia Fernandes
Márcia Fernandes
Professora licenciada em Letras

Texto teatral, ou dramático, é aquele produzido para ser representado (encenado). Os textos teatrais são, portanto, peças de teatro escritas por dramaturgos e dirigidos por produtores teatrais e, em sua maioria, fazem parte do gênero narrativo.

O texto teatral apresenta enredo, personagens, tempo, espaço e pode estar dividida em atos, que representam os diversos momentos da ação, por exemplo, a mudança de cenário e/ou de personagens.

De tal modo, o texto teatral possui características peculiares e se distancia de outros tipos de texto pela principal função que lhe é atribuída: a encenação.

Dessa forma, ele apresenta diálogo entre as personagens e algumas observações no corpo do texto sobre espaço, cena, ato e personagens.

Já que os textos teatrais são produzidos para serem representados e não contados, geralmente não existe um narrador, fator que o difere dos textos narrativos.

O teatro é uma modalidade artística que surgiu na antiguidade. Na Grécia antiga, eles possuíam uma importante função social, donde os espectadores esperavam pelo momento da apresentação, que poderia durar um dia inteiro.

Características do texto teatral

  • o texto teatral é produzido para ser encenado
  • faz parte do gênero narrativo
  • apresenta diálogos entre personagens (discurso direto)
  • apresenta os seguintes elementos: atores, plateia, palco
  • requer preparação de cenário, figurino e sonoplastia
  • recorre à linguagem corporal e gestual

Linguagem teatral

A linguagem teatral é expressiva, dinâmica, dialógica, corporal e gestual. Para prender a atenção do espectador, os textos teatrais sempre apresentam um conflito, ou seja, um momento de tensão que será resolvido no decorrer dos fatos.

Observe que em grande parte a linguagem teatral é dialógica, no entanto, quando encenada por somente um personagem é chamado de monólogo, donde expressa pensamentos e sentimentos da pessoa que está atuando.

Elementos da linguagem teatral

Os principais elementos que constituem os textos teatrais são: tempo, espaço e personagens.

O TEMPO TEATRAL é classificado em:

  • tempo real (que indica o tempo da representação)
  • tempo dramático (tempo em que acontecem os fatos narrados)
  • tempo da escrita (indica quando foi produzida a obra)

O ESPAÇO TEATRAL é chamado:

  • espaço cênico, o local em que a história é representada
  • espaço dramático, o local em que as ações dos personagens são desenvolvidas

OS PERSONAGENS TEATRAISsão classificados, conforme a sua importância, em:

  • personagens principais (protagonistas)
  • personagens secundários
  • figurantes

Estrutura dos textos teatrais

Os textos teatrais são constituídos por dois textos: texto principal e texto secundário.

O TEXTO PRINCIPAL apresenta a fala das personagens (monólogo, diálogo, apartes).

O TEXTO SECUNDÁRIO apresenta indicações sobre a representação do texto.

Exemplo de texto principal e secundário:

"PADRE
Pensando bem, acho melhor não benzer. O bispo está aí e eu só benzo se ele der licença. (À esquerda aparece a mulher do padeiro e o padre corre para ele.)
Pare, pare! (Aparece o padeiro.) Parem, parem! Um momento. Entre o senhor e entre a senhora: o cachorro fica lá!"

No trecho acima, retirado do Auto da Compadecida, de Ariano Suassuna, o texto principal é a fala do padre. O texto secundário, por sua vez, são as indicações em negrito (grifo nosso), que indicam como o texto deve ser representado, como o momento em que a mulher do padeiro aparece e o momento em que o padre corre para o padeiro.

Quando produzidos, os textos teatrais são divididos de maneira linear em:

  • introdução (ou apresentação): foco na apresentação das personagens, espaço, tempo e do tema
  • complicação (ou conflito): determina as peripécias da peça teatral
  • clímax: momento de maior tensão do drama
  • desfecho: desenlace da ação dramática.

Gêneros teatrais

Os gêneros teatrais mais conhecidos são: tragédia, comédia e tragicomédia.

A TRAGÉDIA é uma peça de teatro que representa eventos trágicos com desfechos, geralmente, sombrios.

A COMÉDIA é uma peça de teatro que representa ações divertidas cujo objetivo é fazer o público rir.

A TRAGICOMÉDIA é uma peça de teatro que combina elementos trágicos e cômicos.

Exemplos de textos teatrais

Leia trechos abaixo de Auto da Compadecida, de Ariano Suassuna, e Álbum de Família, de Nelson Rodrigues.

Trecho de Auto da Compadecida, de Ariano Suassuna

JOÃO GRILO
E ele vem eu Estou desconfiado,
Chicó. Você é tão sem confiança!

CHICÓ
Eu, sem confiança? Que é isso, João, está me desconhecendo?
Juro como ele vem. Quer benzer o cachorro da mulher para ver se o bicho não morre. A dificuldade não é ele vir, é o padre b enzer. O bispo está aí e tenho certeza de que o PadreJoão não vai querer benzer o cachorro.

JOÃO GRILO
Não vai benzer? Por quê? Que é que um cachorro tem de mais?

CHICÓ
Bom, eu digo assim porque sei como esse povo é cheio de coisas, mas não é nada de mais. Eu mesmo já tive um cavalo bento.

JOÃO GRILO
Que é isso, Chico? (Passa o dedo na garganta.) Já estou ficando por aqui com suas histórias. É sempre uma coisa toda esquisita.
Quando se pede uma explicação, vem sempre com “não sei, só sei que foi assim”.

CHICÓ
Mas se eu tive mesmo o cavalo, meu filho, o que é que eu vou fazer? Vou mentir, dizer que não tive?

JOÃO GRILO
Você vem com uma história dessas e depois se queixa porque o povo diz que você é sem confiança.

CHICÓ
Eu, sem confiança? Antônio Martinho está para dar as provas do que eu digo.

JOÃO GRILO
Antônio Martinho? Faz três anos que ele morreu.

CHICÓ
Mas era vivo quando eu tive o bicho

JOÃO GRILO
Quando você teve o bicho? E foi você quem pariu o cavalo, Chico?

CHICÓ
Eu não. Mas do jeito que as coisas vão, não me admiro mais de nada. No mês passado uma mulher teve um, na serra do Araripe, para os lados do Ceará.

JOÃO GRILO
Isso é coisa de seca. Acaba nisso, essa fome: ninguém pode ter menino e haja cavalo no mundo. A comida é mais barata e é coisa que se pode vender. Mas seu cavalo, como foi?

Trecho de Álbum de Família, de Nelson Rodrigues

Cena 1

(Palco menor: cena mostra ângulo de um dormitório de colégio. Glória e Teresa entram rindo muito, como se brincassem de esconde-esconde. Ambas em finíssimas camisolas, muito transparentes. São meninas que aparentam 15 anos. Há entre as duas um ambiente de sonho. Quando a música termina, Teresa fala)

TERESA – Você jura?

GLÓRIA – Juro.

TERESA – Por Deus?

GLÓRIA – Claro!

(Nota importante: o sentimento de Teresa é mais ativo; Glória resiste mais ao êxtase)

TERESA – Então, quero ver. Mas, depressa, que a irmã pode vir.

GLÓRIA (erguendo a cabeça) – Juro que...

TERESA (retificando) – Juro por Deus...

GLÓRIA – Juro por Deus...

TERESA – ... que não me casarei nunca...

GLÓRIA – ... que não me casarei nunca...

TERESA – ... que serei fiel a você até à morte.

GLÓRIA – ... que serei fiel a você até à morte.

TERESA – E que nem namora.

GLÓRIA – E que nem namoro.

(As duas se olham. Teresa coloca o véu branco na cabeça de Glória; em seguida coloca outro véu sobre a sua própria cabeça. Abraçam-se.)

TERESA (apaixonada) – Também juro por Deus que não me casarei nunca, que só amarei você, e que nenhum homem me beijará.

GLÓRIA (menos trágica) – Só quero ver.

TERESA (trêmula) – Segura minha mão assim. (olhando-a profundamente) Se você morrer um dia, nem sei!

GLÓRIA – Não fala bobagem!

TERESA – Mas não quero que você morra, nunca! Só depois de mim. (com uma nova expressão, embelezada) Ou então, ao mesmo tempo, juntas. Eu e você enterradas no mesmo caixão.

GLÓRIA – Você gostaria?

TERESA (no seu transporte) – Seria tão bom, mas tão bom!

GLÓRIA (prática) – Mas no mesmo caixão não dá – nem deixam!

TERESA (sempre apaixonada) – Me beija!

(Glória beija na face, com certa frivolidade.)

TERESA – Na boca!

(Beijam-se na boca)

TERESA (agradecida) – Nunca nos beijamos na boca – é a primeira vez.

(Riem. Beijam-se novamente. Música de transição: Glória de Vivaldi em tom menor)

(Apaga-se a pequena cena do dormitório.)

Curiosidades sobre texto teatral

Os autos e as farsas fazem parte dos textos teatrais.

Os autos são textos mais curtos com temas religiosos e moralizantes. As farsas, por sua vez, são mais satíricas, com crítica a diversos aspectos da sociedade, além de ser cômicas.

Leia também:

Márcia Fernandes
Márcia Fernandes
Professora, produz conteúdos educativos (de língua portuguesa e também relacionados a datas comemorativas) desde 2015. Licenciada em Letras pela Universidade Católica de Santos (habilitação para Ensino Fundamental II e Ensino Médio) e formada no Curso de Magistério (habilitação para Educação Infantil e Ensino Fundamental I).