Ambiguidade

Márcia Fernandes

A ambiguidade, também chamada de anfibologia, é a duplicidade de sentidos numa mesma sentença.

Pelo fato de reunir mais do que uma interpretação possível, as ambiguidades podem gerar um desentendimento no discurso, motivo pelo qual devem ser evitadas nos discursos formais. Assim, quando surgem por descuido, as ambiguidades são consideradas vícios de linguagem.

Exemplo: Por fim, levou o filho para o seu quarto.

Não está claro de quem é o quarto: o do filho ou o seu próprio?

No entanto, esse é um recurso muito utilizado nos textos poéticos, uma vez que oferece maior expressividade ao texto. Além disso, também é usada nos textos publicitários para garantir o humor. Neste caso, quando seu uso é intencional, a ambiguidade é considerada uma figura de linguagem.

Exemplo: Adoro meu vizinho, mas o cachorro não para de ladrar.

Há ironia nessa oração. Isso porque não está claro se eu gosto assim tanto do meu vizinho (ainda que o seu cachorro viva latindo) ou se eu não gosto dele (tanto que o chamo de cachorro porque ele incomoda com o seu barulho).

Ambiguidade lexical e estrutural

Quando a ambiguidade resulta dos significados das palavras, ela é lexical. Exemplo: Estava perto do banco. (banco da praça ou uma instituição?)

Por sua vez, quando a ambiguidade resulta da posição das palavras na oração, ela é estrutural. Exemplo: Exigiu o dinheiro do marido. (o dinheiro é do marido ou apenas estava com ele?)

Exemplos

Confira abaixo exemplos de frases ambíguas e as diversas situações em que podem ocorrer:

Uso dos pronomes possessivos

1) O professor da Maria terminou a aula fazendo apontamentos no seu caderno.

(Os apontamentos foram feitos no caderno da Maria ou no caderno do professor?)

Agora veja:

O professor da Maria terminou a aula fazendo apontamentos no caderno dela.
ou
O professor da Maria terminou a aula fazendo apontamentos no seu próprio caderno.

2) A Maria fez aquele jantar na sua casa?

(Caso o jantar tenha sido feito na casa da pessoa com quem falamos a construção está correta.)

Agora veja:

A Maria fez aquele jantar na casa dela? ou A Maria fez aquele jantar na sua própria casa?

Colocação das Palavras

1) As crianças felizes correram para a piscina.

(As crianças são felizes ou estão felizes por poderem ir para a piscina? Caso sejam felizes a construção está correta.)

Agora veja:

Felizes, as crianças correram para a piscina.

2) A atendente mal-humorada dobrou as camisas.

(A atendente é mal-humorada ou está mal-humorada? Caso seja mal-humorada a construção está correta).

Agora veja:

Mal-humorada, a atendente dobrou as camisas.

Uso das Formas Nominais

1) Ajudei a colega exausta no final do dia.

(Quem estava exausta? Eu ou a colega?)

Agora veja:

Exausta, ajudei a colega no final do dia.
ou
Ajudei a colega, que estava exausta, no final do dia.

2) A ajudante de cozinha ajudou o conceituado cozinheiro preparando a apresentação do prato.

(A ajudante preparou a apresentação do prato sozinha ou ajudou o cozinheiro com a sua apresentação?)

Agora veja:

A ajudante de cozinha ajudou o conceituado cozinheiro com a apresentação do prato.
ou
Preparando a apresentação do prato, a ajudante de cozinha ajudou o conceituado cozinheiro.

Uso do Pronome Relativo e da Conjunção Integrante

1) Falei com a chefe que estava com vertigens.

(Quem estava com vertigens, eu ou a minha chefe?)

Agora veja:

Com vertigens, falei com a chefe.

2) Estamos falando acerca de um prato daquele novo restaurante, o qual faço questão que você experimente.

(O que você gostaria que eu experimentasse, o prato ou o novo restaurante?)

Agora veja:

Estamos falando acerca de um prato daquele novo restaurante. Faço questão que você experimente o lugar.

Leia Vícios de Linguagem e Figuras de Linguagem.

Ambiguidade na publicidade

Um texto pode pretender a transmissão de mais do que uma mensagem, seja por meio da linguagem escrita ou através de imagens.

No caso da publicidade, isso é feito de forma proposital. Como exemplo, podemos citar a publicidade a respeito de um anúncio de bolachas:

"Encha seu filho de bolacha."

Note que o objetivo da mensagem é a de incentivar o consumo de bolachas e não de incitar os pais a baterem nos filhos. Isso ocorre porque o termo bolacha é ambíguo, uma vez que pode significar um tipo de biscoito ou uma bofetada.

Leia também Características do Anúncio Publicitário.

Ambiguidade e polissemia

Vale lembrar que a ambiguidade difere da polissemia. A polissemia está relacionada com os vários significados que uma mesma palavra pode ter.

Exemplos: pata (animal ou pé de animal), braço (parte do corpo, braço da cadeira).

Exercício

(UNICAMP-SP)

P E R I G O

Árvore ameaça cair em praça do Jardim Independência

Um perigo iminente ameaça a segurança dos moradores da rua Tonon Martins, no Jardim Independência. Uma árvore, com cerca de 35 metros de altura, que fica na Praça Conselheiro da Luz, ameaça cair a qualquer momento.

Ela foi atingida, no final de novembro do ano passado, por um raio e, desde este dia, apodreceu e morreu, a árvore, de grande porte, é do tipo Cambuí e está muito próxima à rede de iluminação pública e das residências.

“O perigo são as crianças que brincam no local”, diz Sérgio Marcatti, presidente da associação do bairro.

(Juliana Vieira, Jornal Integração, 16 a 31 de agosto de 1996).

a) O que pretendia afirmar o presidente da associação?

Que a árvore morta ameaçava a segurança das crianças que brincam nas suas proximidades.

b) O que afirma, literalmente?

Afirma que "o perigo são as crianças", enquanto deveria dizer que a árvore é um perigo para as crianças.

Márcia Fernandes
Márcia Fernandes
Professora, pesquisadora, produtora e gestora de conteúdos on-line. Licenciada em Letras pela Universidade Católica de Santos.