Arqueobactérias

Lana Magalhães

Originalmente, o termo arqueobactérias era usado para designar um grupo de organismos procariontes e unicelulares, caracterizados por bactérias primitivas.

O termo Eubactéria era usado para os demais seres procariontes.

Atualmente, essa nomenclatura sofreu alterações. Isso porque, os estudos de Biologia Molecular reconheceram que os dois grupos não eram tão semelhantes como se achava.

Assim, o termo arqueobactérias foi substituído por Archea (arqueas) e o termo Eubactérias por Bacteria (bactéria).

Diferenças entre Arqueas e Bactérias

A estrutura celular das arqueas é parecida com a de bactérias.

Porém, as características genéticas e bioquímicas de arqueas são mais parecidas com eucariontes.

Duas diferenças principais distinguem arqueas e bactérias:

  • Constituição química da parede celular: Em arqueobactérias pode existir uma enorme variedade de paredes celulares, entretanto, nenhuma delas é composta de peptideoglicanos, um componente presente nas bactérias.
  • Organização e funcionamento dos genes: Nas arqueas, a sequência de genes e de suas ações assemelham-se com as de seres eucariontes.

Características das Arqueas

As arqueas constituem um grupo bem diversificado:

  • Podem ser autótrofos ou heterótrofos, anaeróbios ou aeróbios;
  • Apresentam forma esférica, de bastão, espiralada, achatada ou irregular;
  • Podem se reproduzir de forma assexuada e sexuada;
  • Vivem em ambientes extremos, como lagos de água quente, fendas vulcânicas e tubo digestório de animais.

Grupos das Arqueas

Arqueas Halófilas

É o grupo mais expressivo.

Vivem em água com alta concentração salina. Para se ter ideia, a água do mar não é suficientemente salgada para elas.

Arqueas Termoacidófilas

Representadas por seres com capacidade de habitarem ambientes com condições extremas de temperatura e acidez.

Arqueas Metanogênicas

São seres anaeróbios obrigatórios e liberam gás metano, como resíduo metabólico.

Encontradas em ambientes com ausência de oxigênio e abundância de matéria orgânica. Vivem no tubo digestório de cupins e animais herbívoros.

Importância das Arqueas

As arqueas metanogênicas podem ser utilizadas para auxiliarem na decomposição do lixo orgânico e na estação de tratamento de esgotos.

Além disso, ao produzir metano, que pode ser aproveitado como combustível, podem contribuir na geração de uma fonte de energia alternativa.

Saiba mais sobre o Reino Monera.

Lana Magalhães
Lana Magalhães
Licenciada em Ciências Biológicas (2010) e Mestre em Biotecnologia e Recursos Naturais pela Universidade do Estado do Amazonas/UEA (2015). Doutoranda em Biodiversidade e Biotecnologia pela UEA.