Arte Indígena Brasileira

Laura Aidar
Laura Aidar
Arte-educadora e artista visual

A arte indígena está presente na essência do povo brasileiro, sendo um dos pilares para a cultura do país. Cultura que é resultado da mistura de vários grupos, dentre eles os povos indígenas - os primeiros habitantes do território nacional.

Atualmente, existem cerca de 300 etnias indígenas no Brasil, cada uma com comportamentos e costumes diferentes. Entretanto, existem várias características comuns encontradas em diversas tribos.

Desta forma, cerâmica, máscaras, pintura corporal, cestaria e plumagem resultam em uma arte tradicional compartilhada: a arte indígena.

Vale lembrar que a utilização de partes de animais no artesanato é exclusiva dos povos das florestas, mas sua comercialização é proibida.

Além disso, é preocupante constatar que as expressões artísticas dos povos indígenas vem sendo destruídas rapidamente, assim como sua própria população.

Cerâmica Indígena

cerâmica indígena
Peça de cerâmica da etnia Assurini, Xingu – PA

A cerâmica é um exemplo de arte que não está presente em todas as tribos, sendo ausente entre os Xavantes, por exemplo.

Importante destacar que os índios não utilizam a roda do oleiro e, ainda assim, conseguem desenvolver impressionantes peças.

A cerâmica é produzida principalmente pelas mulheres, que criam recipientes, bem como esculturas. Para torná-las mais bonitas, costumam usar a pintura com padrões gráficos próprios.

A cerâmica do povo Marajoara, cujo nome advém do local onde ela teve origem (a Ilha de Marajó) é conhecida no exterior e foi a primeira arte de cerâmica brasileira.

Máscaras Indígenas

máscara indígena
Máscara indígena que faz parte do acervo do Museu de Arte Indígena (MAI), inaugurado em 2016 em São Paulo

As máscaras indígenas apresentam um simbolismo sobrenatural. Elas são feitas de cascas de árvores ou outros materiais como palha e cabaças e podem ser enfeitadas com plumagem.

Normalmente, são utilizadas em ritos cerimoniais. Um exemplo é a tribo dos Karajá, que usa máscaras na dança do Aruanã para representar heróis que conservam a ordem mundial.

Diz a lenda que as máscaras indígenas geralmente representam entidades que conflitavam com os índios no passado. Deste modo, as festas e danças são feitas para alegrar e acalmar essas entidades.

Há máscaras grandes, feitas com palhas compridas, que chegam a cobrir o corpo todo. A máscara de cerâmica é exclusiva dos índios da etnia Mati.

Pintura Corporal Indígena

pintura corporal indígena
Pintura corporal em mulheres da etnia Kayapó

A pintura corporal é usada em certos rituais e de acordo com o gênero e a idade. Indicam os grupos sociais ou a função de cada indivíduo na tribo. Muitas vezes estão associadas a rituais onde ocorrem danças indígenas.

As tintas usadas são naturais, ou seja, são feitas de plantas e frutos. O jenipapo é o fruto mais usado. Os índios o utilizam para escurecer a pele, enquanto o urucum dá o tom vermelho. Já o branco é conseguido através da tabatinga.

São as mulheres que pintam os corpos e os desenhos têm valor simbólico, retratando um momento ou um sentimento.

Os padrões gráficos mais elaborados são da cultura Kadiwéu. Já em 1560, essa pintura impactou os colonizadores, que ficaram deslumbrados com tamanha técnica e beleza.

Infelizmente, hoje em dia essa tribo não realiza mais essa pintura corporal, empregando os padrões em peças de cerâmicas para vender aos turistas.

Cestaria Indígena

cestaria indígena
Exemplos de cestaria indígena

Os cestos são utilizados para uso doméstico, na manutenção e transporte de alimentos. É produzido normalmente pelas mulheres, com variadas formas de trançados em diferentes formatos.

Os tipos mais comuns de utensílios são:

  • Cestos-coadores - para coar líquidos;
  • Cestos-tamises - para peneirar farinha;
  • Cestos-recipientes - para guardar diferentes materiais;
  • Cestos-cargueiros - para transportar cargas.

Arte Plumária Indígena

arte plumária
Exemplo de cocar indígena - ornamento decorativo para ser usado na cabeça

As plumas são usadas em rituais e coladas diretamente no próprio corpo. Servem também para ornamentar máscaras, colares, braçadeiras, brincos, pulseiras e cocares, que são feitos de penas e de caudas de aves.

Assim como a pintura corporal, a arte plumária serve também para indicar os grupos sociais.

Na maior parte são os homens que desenvolvem a arte plumária. Essa arte passa por um ritual: primeiro a caça, passando pelo tingimento (a chamada tapiragem), pelo corte nas formas desejadas, e por fim, a amarração.

Há tribos que destinam as pinturas ao uso cotidiano, deixando as plumas para as comemorações e rituais indígenas, inclusive funerais.

Laura Aidar
Laura Aidar
Arte-educadora, artista visual e fotógrafa. Licenciada em Educação Artística pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) e formada em Fotografia pela Escola Panamericana de Arte e Design.