Como fazer um bom texto dissertativo-argumentativo


As principais ferramentas para elaborar um bom texto dissertativo-argumentativo são: dominar a escrita formal, o uso de palavras que nomeiam ideias e conceitos, a ausência de temporalidade, o encadeamento de ideias e presença de marcadores argumentativos.

O objetivo do texto argumentativo-dissertativo é convencer o receptor das ideias apresentadas pelo autor. Assim, o primeiro passo é buscar conhecimento sobre o tema.

Também é preciso ter em mente que argumentar não é informar, mas convencer o leitor por meio de argumentos convincentes, baseados em fatos. O texto dissertativo argumentativo discorre sobre ideias.

A construção de um bom texto dissertativo-argumentativo segue a seguinte ordem de importância:

  • Domínio da gramática
  • Conhecimento sobre o tema
  • Compreensão de ideias sobre o tema
  • Exposição das ideias
  • Capacidade de síntese
  • Posicionamento pessoal
  • Desenvolvendo a argumentação

Para um trabalho escolar, com tempo, o meio para buscar informações sobre o tema do texto argumentativo-dissertativo é a pesquisa em livros, jornais, revistas, internet, filmes e documentários que tratem do assunto.

Se o levantamento sobre o tema ficar limitado à internet, é aconselhável buscar fontes oficiais, bibliotecas de universidades, instituições de pesquisa e páginas do governo, dos estados ou municípios.

Além da leitura sobre as pesquisas que tratem do tema, é aconselhável recorrer a documentários e filmes sempre que houver disponibilidade para ampliar o leque de argumentos.

Elaboração do Roteiro

Em provas escolares, de concurso ou para o ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio) a melhor maneira de desenvolver a argumentação é separar em tópicos tudo o que é conhecido sobre o assunto e deixar para o fim a própria opinião. É uma estrutura do texto.

Estrutura

A estrutura do texto dissertativo-argumentativo é composta por: introdução, desenvolvimento e conclusão.

Introdução

Na introdução o assunto é apresentado, é indicada a situação geral sobre o tema e explicado o porquê da pertinência do mesmo.

Desenvolvimento

No desenvolvimento é preciso fazer a revisão de pesquisas sobre o tema e são apresentados os argumentos a favor e contrários. Nesse ponto, a tese é fundamentada e, para tanto, são usados os operadores argumentativos.

Operadores Argumentativos

Operadores argumentativos são palavras que oferecem o encadeamento dos enunciados. Têm a função de introduzir vários tipos de enunciados e orientam o receptor para determinadas conclusões sobre o assunto. São responsáveis pela coesão do texto.

Entenda como funcionam os operadores argumentativos no texto:

  • Exemplificam o argumento
  • Reforçam o argumento
  • Fazem comparações com a base do argumento
  • Graduam o argumento usando para isso outro argumento
  • Reafirmam o argumento
  • Retificam o argumento
  • Apresentam um argumento contrário

Estratégia para desenvolver o argumento:

  • Enumerar
  • Confrontar
  • Exemplificar
  • Indicar as causas
  • Indicar os efeitos
  • Indicar os motivos
  • Indicar as consequências

Estratégias no desenvolvimento dos textos:

Exemplos de palavras que nomeiam ideias: trabalho, dever, direito, capacidade, solidariedade, retribuição, satisfação, respeito.

Encadeamento de ideias

O encadeamento de ideias ocorre nas relações lógicas existentes entre os segmentos que compõem os enunciados relacionando-se por causa, consequência, oposição, conclusão e outros.

Conectivos

O uso adequado dos conectivos (conjunções) é de fundamental importância para o bom desenvolvimento do texto dissertativo-argumentativo. Os conectivos ligam os termos das orações e não desenvolvem função sintática.

Esse instrumento permite ao leitor ter noções sobre o tema e se forem usados de maneira inadequada podem dar ideia contrária ao objetivo de quem escreve.

Leia também o artigo: Conectivos.

Uso adequado dos conectivos

Indicam prioridade e relevância os seguintes conectivos:

Em primeiro lugar, antes de mais nada, antes de tudo, em princípio, primeiramente, acima de tudo, principalmente, primordialmente, sobretudo, a priori, a posteriori, precipuamente.

Conectivos que indicam tempo, frequência, duração, ordem ou sucessão:

Então, enfim, logo, logo depois, imediatamente, logo após, a princípio, no momento em que, pouco antes, pouco depois, anteriormente, posteriormente, em seguida, afinal, por fim, finalmente, agora, atualmente, hoje, frequentemente, constantemente, às vezes, eventualmente, por vezes, ocasionalmente, sempre, raramente, não raro, ao mesmo tempo, simultaneamente, nesse ínterim, nesse meio tempo, nesse hiato, enquanto, quando, antes que, depois que, logo que, sempre que, assim que, desde que, todas as vezes que, cada vez que, apenas, já, mal, nem bem.

Conectivos que indicam semelhança, comparação ou conformidade:

Igualmente, da mesma forma, assim também, do mesmo modo, similarmente, semelhantemente, analogamente, por analogia, de maneira idêntica, de conformidade com, de acordo com, segundo, conforme, sob o mesmo ponto de vista, tal qual, tanto quanto, como, assim como, como se, bem como.

Indicam condição ou hipótese:

Se, caso, eventualmente.

Conectivos que indicam continuação ou adição ao pensamento:

Além disso, demais, ademais, outrossim, ainda mais, por outro lado, também, e, nem, não só, como também, não apenas, bem como.

Conectivos que indicam dúvida:

Talvez, provavelmente, possivelmente, quiçá, quem sabe, é provável, não certo, se é que.

Conectivos que indicam certeza e buscam enfatizar o pensamento:

Por certo, certamente, indubitavelmente, inquestionavelmente, sem dúvida, inegavelmente, com certeza.

Conectivos que indicam surpresa e apontam imprevistos:

Inesperadamente, de súbito, subitamente, de repente, imprevistamente, surpreendentemente.

Conectivos que indicam ilustração ou esclarecimento:

Por exemplo, isto é, ou seja, aliás.

Conectivos que indicam propósito, intenção e finalidade:

Com o fim de, a fim de, como propósito de, com a finalidade de, com o intuito de, para que, a fim de que, para, ao propósito.

Conectivos que indicam lugar, proximidade ou distância:

Perto de, próximo a ou de, justo a ou de, dentro, fora, mais adiante, aqui, além, acolá, lá, ali, este, esta, isto, esse, essa, isso, aquele, aquela, aquilo, ante, a.

Conectivos que indicam conclusão:

Em suma, em síntese, enfim, em resumo, portanto, assim, dessa forma, dessa maneira, desse modo, logo, pois, assim sendo, nesse sentido.

Conectivos que indicam causa, consequência e explicação:

Por consequência, por conseguinte, como resultado, por isso, por causa de, em virtude de, assim, de fato, com efeito, tão, tanto, tamanho, que, porque, porquanto, pois, já que, uma vez que, visto que, como (no sentido de porque), portanto, que, de tal forma que, haja vista.

Conectivos que indicam contraste, oposição, restrição, ressalva:

Pelo contrário, em contraste com, salvo, exceto, menos, mas, contudo, todavia, entretanto, no entanto, embora, apesar de, ainda que, mesmo que, posto que, ao passo que, em contrapartida.

Conectivos que indicam ideias e apresentam alternativas:

Ou, quer, ora.

Palavras que nomeiam ideias

É importante o uso de palavras que nomeiam ideias e conceitos para ilustrar o pensamento, tais como: trabalho, dever, direito, capacidade, solidariedade, retribuição, satisfação e respeito.

Conclusão

Nessa fase o leitor vai conhecer de maneira explícita o pensamento do autor. A conclusão deve conter os fatos indicados no texto e apontar uma solução ou proposta de intervenção para os problemas apontados na argumentação.

Dica

Um bom texto dissertativo-argumentativo remete a conceitos genéricos, abstratos e, por isso, exibe grandes quantidades de substantivos abstratos.
É importante lembrar da ausência de temporalidade. Não há progressão de acontecimentos no tempo. Predominam os verbos no presente do indicativo com valor atemporal.

Leia também: