Exemplos de redação nota 1000 no Enem

Márcia Fernandes
Márcia Fernandes
Professora licenciada em Letras

Os candidatos do Enem sabem o quanto é difícil obter a tão sonhada nota 1000 (menos de 1% dos participantes conseguem esse feito). Confira abaixo exemplos e análises de redações que tiveram a pontuação máxima.

Redações nota 1000 do Enem 2019

Tema: Democratização do acesso ao cinema no Brasil
Autor: Gabriel Melo Caldas Nogueira

Para o filósofo escocês David Hume, a principal característica que difere o ser humano dos outros animais é o poder de seu pensamento, habilidade que o permite ver aquilo que nunca foi visto e ouvir aquilo que nunca foi ouvido. Sob essa ótica, vê-se que o cinema representa a capacidade de transpor para a tela as ideias e os pensamentos presentes no intelecto das pessoas, de modo a possibilitar a criação de novos universos e, justamente por esse potencial cognitivo, ele é muito relevante. É prudente apontar, diante disso, que a arte cinematográfica deve ser democratizada, em especial no Brasil – país rico em expressões culturais que podem dialogar com esse modelo artístico –, por razões que dizem respeito tanto à sociedade quanto às leis.

Em primeiro lugar, é válido frisar que o cinema dialoga com uma elementar necessidade social e, consequentemente, não pode ser deixada em segundo plano. Para entender essa lógica, pode-se mencionar o renomado historiador holandês Johan Huizinga, o qual, no livro “Homo Ludens”, ratifica a constante busca humana pelo prazer lúdico, pois ele promove um proveitoso bem-estar. É exatamente nessa conjuntura que se insere o fenômeno cinematográfico, uma vez que ele, ao possibilitar a interação de vários indivíduos na contemplação do espetáculo, faz com que a plateia participe das histórias, de forma a compartilhar experiências e vivências – o que representa o fator lúdico mencionado pelo pensador. É perceptível, portanto, o louvável elemento benfeitor dessa criação artística, capaz de garantir a coesão da comunidade.

Em segundo lugar, é oportuno comentar que o cenário do cinema supracitado remete ao que defende o arcabouço jurídico do país. Isso porque o artigo 215 da Constituição Federal é claro em caracterizar os bens culturais como um direito de todos, concebidos com absoluta prioridade por parte do Estado. Contudo, é desanimador notar que tal diretriz não dá sinais de plena execução e, para provar isso, basta analisar as várias pesquisas do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN ) que demonstram a lamentável distribuição irregular das práticas artísticas – dentre elas, o cinema –, uma vez que estão restritas a poucos municípios brasileiros. Vê-se, então, o perigo da norma apresentada findar em desuso, sob pena de confirmar o que propunha Dante Alighiere, em “A Divina Comédia”: “As leis existem, mas quem as aplica?”. Esse cenário, certamente, configura-se como desagregador e não pode ser negligenciado.

Por fim, caminhos devem ser elucidados para democratizar o acesso ao cinema no Brasil, levando-se em consideração as questões sociais e legislativas abordadas. Sendo assim, cabe ao Governo Federal – órgão responsável pelo bem-estar e lazer da população – elaborar um plano nacional de incentivo à prática cinematográfica, de modo a instituir ações como a criação de semanas culturais nacionais, bem como o desenvolvimento de atividades artísticas públicas. Isso pode ser feito por meio de uma associação entre prefeituras, governadores e setores federais – já que o fenômeno envolve todos esses âmbitos administrativos –, os quais devem executar periódicos eventos, ancorados por atores e diretores, que visem exibir filmes gratuitos para a comunidade civil. Esse projeto deve se adaptar à realidade de cada cidade para ser efetivo. Dessa forma, o cinema poderá ser, enfim, democratizado, o que confirmará o que determina o artigo 215 da Constituição. Assim, felizmente, os cidadãos poderão desfrutar das benesses advindas dessa engrandecedora ação artística.

Tema: Democratização do acesso ao cinema no Brasil
Autor: Isabella de Oliveira Cardoso

De modo ficcional, o filme “Cine Holiúdi” retrata o impacto positivo do cinema no cotidiano das cidades, dada a sua capacidade de promover o lazer, socialização e cultura. Entretanto, na realidade, tais benefícios não atingem toda a população brasileira, haja vista a elitização dos meios cinematográficos e a falta de infraestrutura adequada nos cinemas existentes. Sendo assim, urge a análise e a resolução desses entraves para democratizar o acesso ao cinema no Brasil.

A princípio, é lícito destacar que a elitização dos meios cinematográficos contribui para que muitos brasileiros sejam impedidos de frequentar as salas de cinema. Isso posto, segundo o filósofo inglês Nick Couldry em sua obra “Por que a voz importa?”, a sociedade neoliberal hodierna tende a silenciar os grupos menos favorecidos, privando-os dos meios de comunicação. A par disso, é indubitável que a localização dos cinemas em áreas mais nobres e o alto valor dos ingressos configuram uma tentativa de excluir e silenciar os grupos periféricos, tal como discute Nick Couldry. Nesse viés, poucos são os indivíduos que desfrutam do direito ao lazer e à cultura promovido pela cinematografia, o qual está previsto na Constituição e deve ser garantido a todos pelo Estado.

Ademais, vale postular que a falta de infraestrutura adequada para todos os cidadãos também dificulta o acesso amplo aos cinemas do país. Conquanto a acessibilidade seja um direito assegurado pela Carta Magna e os cinemas disponham de lugares reservados para cadeirantes, não há intérpretes de LIBRAS nas telas e a configuração das salas – pautada em escadas – não auxilia o deslocamento de idosos e portadores de necessidades especiais. À luz dessa perspectiva, é fundamental que haja maior investimento em infraestrutura para que todos os brasileiros sejam incluídos nos ambientes cinematográficos.

Por fim, diante dos desafios supramencionados, é necessária a ação conjunta do Estado e da sociedade para mitigá-los. Nesse âmbito, cabe ao poder público, na figura do Ministério Público, em parceria com a mídia nacional, desenvolver campanhas educativas – por meio de cartilhas virtuais e curta-metragens a serem veiculadas nas mídias sociais – a fim de orientar a população e as empresas de cinema a valorizar o meio cinematográfico e ampliar a acessibilidade das salas. Por sua vez, as empresas devem colaborar com a democratização do acesso ao cinema pela cobrança de valores mais acessíveis e pela construção de salas adaptadas. Feito isso, o Brasil poderá garantir os benefícios do cinema a todos, como relata o filme “Cine Holiúdi”.

Redação nota 1000 do Enem 2018

Tema: Manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na internet
Autor: André Bahia Pereira

redação 2018

Redação nota 1000 do Enem 2017

Tema: Desafios para a formação educacional de surdos no Brasil
Autor: Lorena Magalhães Macedo

Redação 2017

Redação nota 1000 do Enem 2016

Tema: Caminhos para combater a intolerância religiosa no Brasil
Autor: Tamyres dos Santos Vieira

Redação 2016

O que as redações nota 1000 têm em comum?

A nota máxima sinaliza que o texto atende todas as competências previstas na matriz de referência para redação, que são as seguintes:

Competências redação enem
Quadro de critérios de avaliação da redação do Enem retirado da Cartilha do Participante - Redação no Enem 2018 - INEP

Nos exemplos acima, os participantes conseguiram a nota máxima porque:

1. Apresentaram escrita formal

Os textos dos participantes estão de acordo com a norma culta (competência 1). Em todos foram respeitadas as regras gramaticais.

Nos exemplos dados acima, foram apresentadas estruturas sintáticas muito boas, e concordância, regência, pontuação e ortografia corretas. Verificou-se apenas pequenos desvios:

Na redação de 2019 da autoria do Gabriel, o pronome "o" foi usado no lugar do pronome "lhe" no primeiro parágrafo: "... habilidade que o permite ver aquilo que nunca foi visto e ouvir aquilo que nunca foi ouvido." (grifo nosso).

Na redação de 2019 da autoria da Isabella, houve um engano no último parágrafo no plural de curta-metragem - o correto é curtas-metragens: "... por meio de cartilhas virtuais e curta-metragens a serem veiculadas nas mídias sociais..." (grifo nosso).

Na redação de 2016, a Tamyres utilizou "com" em vez de "como" no último parágrafo: "Dessa forma, assim com a desintegração de um átomo tornou-se simples na atualidade, preconceitos poderão ser quebrados." (grifo nosso).

2. Compreenderam a proposta da redação

Cada um dos participantes redigiu um texto dissertativo-argumentativo no âmbito da proposta (competência 2). Todos eles argumentaram sobre o problema exposto - inclusive, demonstrando que têm um bom repertório cultural - e apresentaram uma solução.

Os textos selecionados apresentaram estrutura de acordo com textos dissertativo-argumentativo:

Os parágrafos iniciais apresentaram a tese

"No convívio social brasileiro, parte considerável da população apresenta alguma deficiência. Nessa conjuntura, grande parcela dos surdos, em especial, não tem acesso a uma educação de qualidade, o que fomenta maior empenho do Poder Público e da sociedade civil, com o fito de superar os desafios para a efetiva inclusão desses indivíduos no sistema educacional." (1.º parágrafo do texto da Lorena Macedo)

Os parágrafos intermédios apresentaram argumentos

"Sob esse viés, muitos deficientes auditivos encontram dificuldades para acessar o Ensino Fundamental, Médio ou Superior, visto que diversas instituições de ensino carecem de uma infraestrutura adaptada a esses indivíduos (...)

Ademais, em muitas instituições de ensino, deficientes auditivos ainda são vítimas de xingamentos e até de agressões físicas por parte de outros alunos, ações que caracterizam o bullying (...)." (2.º e 3.º parágrafo do texto da Lorena Macedo)

Os parágrafos finais expõem soluções para os problemas

"Portanto, a fim de garantir que surdos tenham pleno acesso à formação educacional, cabe ao Estado, mediante o redirecionamento de verbas, realizar as adaptações necessárias em todas as escolas e as universidades públicas (...)" (Último parágrafo do texto da Lorena Macedo)

Além disso, os argumentos de todos foram fundamentados com citações.

"Nesse contexto, o filósofo iluminista Voltáire já afirmava: “Preconceito é opinião sem conhecimento”." (Trecho da redação da Lorena Macedo)

O repertório cultural também foi apresentado através da citação de obras. Nas suas redações, o Gabriel Nogueira citou o livro Homo Ludens, de Johan Huizinga; a Isabella Cardoso citou o filme Cine Holiúndi.

3. Defenderam um ponto de vista

Os participantes produziram textos que demonstraram uma boa escolha de dados apresentados, que além disso estavam bem organizados e devidamente explicados (competência 3).

A forma como as ideias expostas no texto se desenvolvem demonstram um bom planejamento.

Na redação da Tamyres, por exemplo, para mostrar a dificuldade em combater a intolerância religiosa, ela cita Einstein (“É mais fácil desintegrar um átomo que um preconceito”), aborda a questão histórica ("Desde a colonização, o país sofre com imposições religiosas."), mas apesar disso, consegue apresentar uma solução para o problema:

"Ademais, cabe às escolas e às famílias educarem as crianças para que, desde cedo, aprendam que têm o direito de seguir suas escolhas, mas que devem ser tolerantes e respeitar as crenças do outro, afinal, como disse Nelson Mandela, “a educação é a arma mais poderosa para mudar o mundo”." (Trecho da conclusão da redação da Tamyres Vieira)

4. Demonstraram conhecimentos linguísticos

Os participantes escreveram um texto coerente, cujas informações apresentadas desenvolveram-se de forma bem estruturada (competência 4).

"Segundo Steve Jobs, um dos fundadores da empresa “Apple”, a tecnologia move o mundo. Contudo, os avanços tecnológicos não trouxeram apenas avanços à sociedade (...). Sob tal ótica, esse cenário desrespeita princípios importantes da vida social, a saber, a liberdade e a privacidade." (Trecho do 1.º parágrafo do texto do André Pereira)

"De acordo com Jean Paul Sartre, o homem é condenado a ser livre. Nessa lógica, o uso de informações do acesso pessoal para influenciar o usuário confronta o pensamento de Sartre (...) (Trecho do 2.º parágrafo do texto do André Pereira)

"Em suma, são necessárias medidas que atenuem a manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na internet." (Trecho do último parágrafo do texto do André Pereira)

5. Elaboraram proposta de intervenção

O participantes criaram textos que não desrespeitaram valores humanos e cuja solução para os problemas apresentados valoriza a diversidade (competência 5).

Todos os participantes concluíram as suas redações com propostas que consideram aspectos de cidadania, respeitam valores humanos e a diversidade:

"Esse projeto deve se adaptar à realidade de cada cidade para ser efetivo. Dessa forma, o cinema poderá ser, enfim, democratizado, o que confirmará o que determina o artigo 215 da Constituição. Assim, felizmente, os cidadãos poderão desfrutar das benesses advindas dessa engrandecedora ação artística." (Trecho da conclusão do texto do Gabriel Nogueira)

"Nesse âmbito, cabe ao poder público, na figura do Ministério Público, em parceria com a mídia nacional, desenvolver campanhas educativas – por meio de cartilhas virtuais e curta-metragens a serem veiculadas nas mídias sociais – a fim de orientar a população e as empresas de cinema a valorizar o meio cinematográfico e ampliar a acessibilidade das salas." (Trecho da conclusão do texto da Isabella Cardoso)

"Logo, a fim de dar liberdade de escolha ao indivíduo, cabe às empresas de tecnologia solicitar a autorização para o uso dessas informações, por meio de advertências com linguagem clara, tendo em vista a linguagem técnica utilizada, atualmente, por avisos do tipo." (Trecho da conclusão do texto do André Pereira)

"Outrossim, famílias e escolas, por meio de, respectivamente, diálogos frequentes e palestras, devem debater acerca da aceitação às diferenças como fator essencial para o convívio coletivo, de modo a combater o bullying e a formar um paradigma comportamental de total respeito aos deficientes auditivos." (Trecho da conclusão do texto da Lorena Macedo)

"Assim, cumpre ao governo efetivar de maneira mais plena as leis existentes. Ademais, cabe às escolas e às famílias educarem as crianças para que, desde cedo, aprendam que têm o direito de seguir suas escolhas, mas que devem ser tolerantes e respeitar as crenças do outro (...)" (Trecho da conclusão do texto da Tamyres Vieira)

Leia também:

Márcia Fernandes
Márcia Fernandes
Professora, produtora e gestora de conteúdos on-line. Licenciada em Letras pela Universidade Católica de Santos (habilitação para Ensino Fundamental II e Ensino Médio) e formada no Curso de Magistério (habilitação para Educação Infantil e Ensino Fundamental I).