Comuna de Paris

A Comuna de Paris foi a primeira república proletária da história, quando os “communards”, revolucionários parisienses, tomaram o poder na cidade de Paris, em março de 1871. O levante popular teve uma natureza orgânica e espontânea, com vistas ao socialismo, influenciado pelo marxismo e outras correntes de esquerda.

Este governo operário substituiu o republicano por cerca de quarenta dias, período que ficou marcado pelo naturalismo auto gestionário e pelos princípios da Primeira Internacional dos Trabalhadores, incorporado pelos grupos revolucionários e pelas massas.

Para saber mais: Socialismo e Marxismo

Principais Causas e Consequências

As principais causas da revolta que resultou na Comuna de Paris estão ligadas às terríveis condições de trabalho dos operários franceses e os pesados impostos pagos pelos trabalhadores para cobrir dívidas de guerra.

Estes fatores, aliados a invasão prussiana, que derrota a França na guerra franco-prussiana, forçando-a a assinar um armistício humilhante e revanchista, geraram uma grande insatisfação popular, principalmente em Paris.

Por sua vez, as principais medidas do governo da Comuna foram:

  • A separação entre o Estado e a Igreja;
  • Adoção da Bandeira Vermelha como símbolo nacional;
  • Substituição da Polícia pela Guarda Nacional;
  • Fim do serviço militar obrigatório e do exército regular;
  • Abolição da pena de morte;
  • Instituição da igualdade civil entre os sexos;
  • Secularização e gratuidade da educação para toda população;
  • Criação da “previdência social”;
  • Redução da jornada de trabalho e fim do trabalho noturno;
  • Fixação de salários mínimos para os trabalhadores;
  • Desapropriação de residências e fábricas sem uso;
  • Controle de preços de gêneros alimentícios;

Contexto Histórico: Resumo

A Guerra Franco-Prussiana (1870-1871) resultou na queda do Imperador Napoleão III e na criação da III República (1870-1940), tendo a frente Adolphe Thiers (1797-1877) no governo da França derrotada.

Contudo, Paris continuava sitiada pelo exército prussiano e os deputados monarquistas eram a favor à rendição. Apesar disso, a população de Paris, especialmente os operários e a pequena burguesia, eram radicalmente avessos a essa política.

Assim, em 18 de março de 1871, os insurgentes revolucionários, apoiados pela Guarda Nacional, expulsam as forças legalistas da capital francesa. Em 26 de março, após a realização de eleições democráticas de cerca de noventa membros, é instituída a Comuna de Paris.

Não obstante, o Comitê Central da Guarda Nacional irá centralizar o poder, enquanto a administração pública de Paris fica a cargo dos funcionários públicos eleitos e os representantes do operariado administram as fábricas da cidade.

Nesse ínterim, os "communards" destruíram diversos palácios e prédios administrativos, bem como executaram cerca de uma centena de membros da elite parisiense.

Todavia, o governo da Comuna de Paris teve curta duração e, no dia 28 de maio, tropas alemãs e francesas (cerca de 100 mil soldados), invadem Paris e massacram aos pouco mais de 10 mil milicianos que defendiam a cidade.

O saldo estimado de mortos é de aproximadamente mil baixas entre as forças legalistas e até 80 mil mortos entre os revoltosos parisienses, considerando os 20 mil que foram executados após a retomada da cidade.