A Guerra Franco-Prussiana

Juliana Bezerra

A Guerra Franco-Prussiana ocorreu entre o Império Francês e o Reino da Prússia em 1870-71.

A França foi derrotada e o império caiu, substituído pela III República francesa. Além disso, os franceses tiveram que pagar indenizações à Prússia e ceder parte do seu território.

Já o Reino da Prússia foi o grande vitorioso. Com esta guerra, a Prússia conseguiu unificar os estados germânicos no processo conhecido como Unificação Alemã.

Saiba mais sobre o conflito que é apontado como um dos antecedentes da Primeira Guerra Mundial.

Antecedentes

Após a derrota de Napoleão Bonaparte, a Europa vive uma intensa onda de nacionalismo. Os países buscam exaltar seu passado histórico através do Romantismo para formar uma identidade comum.

Da mesma forma, as mudanças econômicas provocadas pela Segunda Revolução Industrial, modificam a paisagem rural e urbana.

No Reino da Prússia, o mais poderoso dos estados germânicos, o chanceler Otto von Bismark queria unificar os estados germânicos do norte e do sul. Sabia que poderia contar com o apoio dos estados do sul se a guerra fosse contra a França, seu inimigo de longa data.

Deste modo procurou um pretexto para que a França declarasse guerra ao Reino da Prússia.

Guerra Franco-Prussiana

A artilharia francesa tenta repelir o ataque da cavaleria prussiana.

Motivos

Além do ambiente tenso entre os dois países, a causa imediata da guerra está relacionada num incidente diplomático.

A Espanha estava sem soberano desde 1868 e as nações europeias se moviam para escolher um rei que melhor lhes conviesse.

Um dos candidatos era de família alemã pelo qual foi prontamente rechaçado pelos franceses.

Isso gerou uma animosidade entre os dois países, com discursos inflamados de militares e políticos contra ambos os povos.

Quando o Imperador francês exigiu uma resposta por escrito, Bismarck alterou o telegrama do rei prussiano, a fim de torná-lo ofensivo aos franceses. Com isto, o Imperador Napoleão III encontrou o pretexto para iniciar uma guerra contra os prussianos.

A Guerra

Para a França, desde o começo a guerra se revelou um desastre. Com um exército reduzido e armas antigas, os franceses pouco puderam diante da poderosa indústria bélica alemã.

Por outra parte, a Prússia tinha a seu favor as ferrovias, a indústria bélica e suas tropas bem disciplinadas e treinadas.

Na batalha de Sedan, o próprio Napoleão III comandou as tropas francesas, mas foi capturado pelos prussianos.

Com isso, em Paris, a população se revoltou, depôs Napoleão III e instituiu a República.

Assim, o novo governo francês tentou negociar a paz com Bismarck. No entanto, devido às divergências internas, a luta ainda prosseguiu por mais um ano, com Paris sitiada e o povo sofrendo todas as dificuldades da ocupação.

Conheça a vida de Otto von Bismarck.

Fim do Conflito

A vitória alemã foi indiscutível e tornou o Império Alemão o país mais poderoso da Europa continental. A paz foi assinada em 10.05.1871, na cidade alemã de Frankfurt.

O Tratado de Frankfurt estipulava aos franceses:

  • Pagamento de indenização de 500 milhões de francos aos prussianos.
  • Cessão ao Império Alemão dos territórios da Alsácia e norte da Lorena
  • Ocupação por tropas alemãs em certas partes do território francês enquanto a indenização não fosse paga.
  • Reconhecimento de William I como imperador alemão.

Mapa guerra franco prussiana

No mapa, a região da Alsácia e Lorena que foi cedida ao Império Alemão após a guerra.

Comuna de Paris

A Comuna de Paris foi uma revolta popular contra o governo republicano.

Com a derrota francesa, o povo parisiense teve que pagar mais impostos para pagar as indenizações e a reconstrução do país. Isso gerou insatisfação que terminou em guerra civil.

Durante quarenta dias, os populares tentaram instituir um governo de características socialistas. Foram reprimidos duramente e muitos executados na Semana Sangrenta.

Leia mais sobre a Comuna de Paris.

Consequências da Guerra Franco-Prussiana

Ambos países iniciam o rearmamento dos seus exércitos iniciando a Corrida Armamentista.

Na França se desenvolve o nacionalismo e o revanchismo contra os alemães. Já o Império Alemão tenta conquistar colônias na África, ao mesmo tempo que consolida seu poder no continente europeu.

Leia sobre:

Juliana Bezerra
Juliana Bezerra
Bacharelada e Licenciada em História, pela PUC-RJ. Especialista em Relações Internacionais, pelo Unilasalle-RJ. Mestre em História da América Latina e União Europeia pela Universidade de Alcalá, Espanha.