Otto von Bismarck

Juliana Bezerra

Otto von Bismarck, militar e político prussiano, nasceu em 1815, em Schönhausen.

Bismarck unificou os estados alemães e construiu os alicerces do Segundo Império Alemão que durou de 1871 a 1918.

Ficou conhecido como "Chanceler de Ferro" devido sua política implacável contra seus adversários.

Otto von Bismarck

Biografia

Otto von Bismarck nasceu numa família de Junkers, os chamados ricos proprietários de terras. Com a intenção de ser diplomata estudou Direito nas Universidades de Göttigen e na Universidade Humbolt, em Berlim.

Entrou na política através dos círculos conservadores e foi embaixador da Prússia junto ao Império Russo e à França. Em 1862, o rei da Prússia, William I, o nomeia primeiro-ministro e Bismarck se dedica a forjar a unificação dos estados germânicos.

Realpolitk

O termo alemão “Realpolitik” designava uma corrente política europeia do século XIX.

A "Realpolitik" ou realismo político, se baseia no princípio que a política deveria estar isenta de princípios ideológicos e morais. O fim político de um Estado é garantir sua própria paz e ordem, nem que para isso seja preciso fazer a guerra.

Longe de serem contraditórias, estas ideias já tinham sido expressadas no século XV, por Nicolau Maquiavel em seu livro “O Príncipe”.

Bismarck desconfiava das ideias liberais do seu tempo como sufrágio universal, maior poder de decisões ao Parlamento e liberdade de imprensa. Por isso, praticava o que se denominou “Realpolitik”.

Uma das frases que sintetiza bem sua personalidade política é "A liberdade é um luxo a que nem todos se podem permitir."

Desta maneira, ao ser nomeado primeiro-ministro, Bismarck dissolve o Parlamento, decreta censura aos jornais e começa a promover a unificação alemã a “ferro e sangue”.

Unificação Alemã

Coexistiam duas ideias para unificar os 39 estados alemães. O primeiro era defendido pela Áustria, a Grande Alemanha, que reuniria também vários povos do Império Austríaco como húngaros, eslovacos e tchecos.

A segunda seria a ideia de “Pequena Alemanha”. Esta proposta consistia em reunir apenas os estados de língua alemã, sob domínio do rei prussiano, e sem a participação do Império Austríaco.

Nesta época, a Confederação da Alemanha do Norte, promovia a unificação de suas alfândegas e da moeda através do Zollverein.

Esta política consistia na eliminação de taxas e moedas diferenciadas de cada pequeno estado alemão para uma só aduana e moeda.

Leia mais sobre a Unificação Alemã.

Guerras

Para convencer os estados alemães a se juntar ao projeto prussiano, Bismarck recorre à propaganda política de caráter bélico. Sempre insistia nos “valores militares” alemães em detrimento dos valores artísticos ou humanísticos, por exemplo.

Desta maneira, provoca sucessivamente guerras com a Dinamarca, a Áustria e a França. Estes conflitos desenvolvem a crescente indústria pesada alemã transformando-a na melhor do mundo.

Saiba sobre a Segunda Revolução Industrial.

A guerra contra a França foi, sem dúvida, a mais importante. O Segundo Império Alemão foi proclamado em pleno Palácio de Versalhes, a França condenada a pagar indenizações e entregar importantes regiões ricas em carvão.

Apesar de a vitória alemã ser incontestável, isto provocaria um forte sentimento anti-germânico nos franceses, que culminaria na Primeira Guerra Mundial.

Entenda a Guerra Franco-Prussiana.

Fim de Carreira

Por seus serviços prestados ao Reino da Prússia e ao Império Alemão, Otto von Bismarck foi agraciado com títulos nobiliárquicos de conde, príncipe, e duque.

Durante o reinado de William I, Bismarck gozava de toda confiança do monarca. No entanto, após o falecimento deste e a ascensão do herdeiro, William II, em 1888, as políticas de Bismarck entraram em choque com o novo soberano.

O chanceler é forçado a se demitir em 1890 e se recolhe em sua propriedade rural. Ali, escreveria suas memórias, "Pensamentos e reminiscências", que seriam publicadas após seu falecimento em 1898.

Juliana Bezerra
Juliana Bezerra
Bacharelada e Licenciada em História, pela PUC-RJ. Especialista em Relações Internacionais, pelo Unilasalle-RJ. Mestre em História da América Latina e União Europeia pela Universidade de Alcalá, Espanha.