Revolução Industrial


A Revolução Industrial foi um processo de grandes transformações econômico-sociais que começou na Inglaterra no século XVIII.

A Revolução Industrial se espalhou por grande parte do hemisfério norte durante todo o século XIX e início do século XX.

Resumo

O processo histórico que levou à substituição das ferramentas pelas máquinas, da energia humana pela energia motriz e do modo de produção doméstico pelo sistema fabril constituiu a Revolução Industrial.

O advento da produção em larga escala mecanizada deu início às transformações dos países da Europa e da América do Norte.

Estas nações se transformaram em predominantemente industriais, com suas populações cada vez mais concentradas nas cidades.

Revolução IndustrialTrabalhadores na Fábrica

Causas da Revolução Industrial

A expansão do comércio internacional dos séculos XVI e XVII trouxe um extraordinário aumento da riqueza, permitindo a acumulação de capital capaz de financiar o progresso técnico e o alto custo da instalação nas indústrias.

A burguesia europeia, fortalecida com o desenvolvimento dos seus negócios, passou a investir na elaboração de projetos para aperfeiçoamento das técnicas de produção e na criação de máquinas para a indústria.

Logo, verificou-se que maior produtividade e maiores lucros para os empresários poderiam ser obtidos acrescentando-se o emprego de máquinas em larga escala.

Saiba mais sobre as Causas da Revolução Industrial.

Consequências da Revolução Industrial

O longo caminho de descobertas e invenções foi uma forma de distanciar os países entre si, no que diz respeito ao poder econômico e político.

Afinal, nem todos se industrializaram, permanecendo na condição de fornecedores de matérias primas e produtos agrícolas para os países industrializados.

Entenda melhor sobre as Consequências da Revolução Industrial.

Fases da Revolução Industrial

Foi na Inglaterra que tudo começou e por isso a Revolução Industrial Inglesa foi pioneira na Europa e no mundo.

A Inglaterra, possuía capital, estabilidade política e equipamentos necessários para tomar a dianteira do avanço da Indústria.

Também tinha colônias na África e na Ásia que garantiam fornecimento de matéria-prima com mão de obra barata.

Primeira Revolução Industrial

A Primeira Revolução Industrial que ocorreu em meados do século XVIII e do século XIX teve como principal característica o surgimento da mecanização que operou significativas transformações em quase todos os setores da vida humana.

Na estrutura socieconômica, fez-se a separação definitiva entre o capital, representado pelos donos dos meios de produção, e o trabalho, representado pelos assalariados. Isto eliminou a antiga organização corporativa da produção utilizada pelos artesãos.

Submetidos à baixa remuneração, condições de trabalho e de vida sub-humanas, em oposição ao enriquecimento dos patrões, os trabalhadores associaram-se em organizações trabalhistas como as trade unions (sindicatos) fomentando ideias diante do quadro social da nova ordem industrial.

Revolução IndustrialProtesto organizado pelo Sindicato de Trabalhadores Municipais

A Revolução Industrial estabeleceu a definitiva supremacia burguesa na ordem econômica, ao mesmo tempo que acelerou o êxodo rural, o crescimento urbano e a formação da classe operária.

Era o início de uma nova época, onde a política, a ideologia e a cultura gravitavam em dois polos: a burguesia industrial e financeira e o proletariado.

A mecanização se estendeu do setor têxtil para a metalurgia, para os transportes, para a agricultura e para os outros setores da economia.

As fábricas empregavam grande número de trabalhadores. Todas essas inovações influenciaram a aceleração do contato entre culturas e a própria reorganização do espaço e do capitalismo.

Nessa fase o Estado passou a participar cada vez mais da economia, regulando crises econômicas e o mercado e criando uma infra-estrutura em setores que exigiam muitos investimentos.

Leia também: Revolução Agrícola.

Segunda Revolução Industrial

A partir do final do século XIX, período conhecido como a fase da livre concorrência fica para trás e o capitalismo se tornava cada vez menos competitivo e mais monopolista. Empresas ou países monopolizavam o comércio. Era a fase do capitalismo financeiro ou monopolista, marcada pela Segunda Revolução Industrial.

Desde então se estabeleciam as bases do progresso tecnológico e científico, visando a invenção e o constante aperfeiçoamento dos produtos e técnicas, para melhor desempenho industrial.

Abriam-se as condições para o imperialismo colonialista e a luta de classes, formando as bases do mundo contemporâneo.

Terceira Revolução Industrial

O ponto culminante do desenvolvimento industrial, em termos de tecnologia, teve início em 1950 (meados do século XX) com o desenvolvimento da eletrônica, que permitiu o desenvolvimento da informática e a automação das indústrias.

Essa fase de novas descobertas caracterizou a Terceira Revolução Industrial ou revolução científica e tecnológica.

Entenda melhor cada uma das Fases da Revolução Industrial.

Revolução Industrial no Brasil

Enquanto na Europa acontecia a Revolução Industrial, o Brasil, ainda colônia portuguesa, estava longe do processo de industrialização.

A industrialização no Brasil só começou verdadeiramente em 1930, cem anos após a Revolução Industrial Inglesa.

Durante o governo de Getúlio Vargas, a centralização do poder no Estado Novo criou condições para que se iniciasse o trabalho de coordenação e planejamento econômico, com enfase na industrialização por substituição de importações.

A Segunda Guerra Mundial, iniciada em 1939, trouxe uma desaceleração para a industrialização no Brasil, uma vez que interrompeu as importações de máquinas e equipamentos.

Mesmo assim, o Brasil através de acordos com os Estados Unidos, consegue fundar a Companhia Siderúrgica Nacional (1941) e a Usiminas (1942).

Após o conflito, o Estado retornaria suas atividades de investidor e impulsionaria a criação de indústrias como a Petrobras (1953).

Saiba mais: