Revolução Russa (1917)

Juliana Bezerra

A Revolução Russa de 1917 foram dois levantes populares: o primeiro ocorrido em fevereiro, contra o governo do czar Nicolau II, e o segundo, em outubro.

Na Revolução de Fevereiro, os revolucionários aboliram a monarquia e, na Revolução de Outubro, começaram a implantar um regime de governo baseado em ideias socialistas.

Causas da Revolução Russa: contexto histórico

Na Rússia, durante o século XIX, a falta de liberdade era quase absoluta.

No campo, reinava uma forte tensão social, devido à grande concentração de terras na mão da nobreza. A Rússia foi o último país a abolir a servidão, em 1861 e em muitos lugares, continuava-se com o sistema de produção feudal.

A reforma agrária promovida pelo czar Alexandre II (1855-1881), pouco adiantou para aliviar as tensões no campo. O regime czarista reprimia a oposição e a Ochrana, polícia política, controlava o ensino, a imprensa e os tribunais.

Milhares de pessoas eram enviadas ao exílio na Sibéria condenadas por crimes políticos. Capitalistas e latifundiários mantinham o domínio sobre os trabalhadores urbanos e rurais.

No governo do czar Nicolau II (1894-1917), a Rússia acelerou seu processo de industrialização aliada ao capital estrangeiro. Os operários concentraram-se em grandes centros como Moscou e São Petersburgo.

Apesar disso, as condições de vida pioraram, com a fome, o desemprego e a diminuição dos salários. A burguesia também não era beneficiada, pois o capital estava concentrado nas mãos dos banqueiros e dos grandes empresários.

A oposição ao governo crescia. Um dos maiores partidos de oposição era o Partido Social Democrata, mas seus líderes, Plekhanov e Lenin, tinham que viver fora da Rússia para fugir das perseguições políticas.

O Partido Operário Social-Democrata Russo era crítico com a política do país. Porém, as divergiam de como solucionar os problemas da Rússia. Isto acabou por dividi-lo em duas correntes:

  • Bolcheviques (maioria, em russo), liderados por Lenin, defendiam a ideia revolucionária da luta armada para chegar ao poder.
  • Mencheviques (minoria, em russo), liderados por Plekhanov, defendiam a ideia evolucionista de se conquistar o poder através de vias normais e pacíficas como, por exemplo, as eleições.

Revolução de 1917: Antecedentes

Em janeiro de 1905, um grupo de operários participava de uma manifestação pacífica em frente ao Palácio de Inverno de São Petersburgo, uma das sedes do governo. O objetivo era entregar um abaixo assinado ao czar, pedindo melhorias.

A guarda do palácio, assustada com a multidão, abriu fogo matando mais de mil pessoas. O episódio ficou conhecido como Domingo Sangrento e provocou uma onda de protestos em todo o país.

Domingo Sangrento
Aspecto do tiroteio cometido pelas tropas czaristas aos manifestantes

Diante da pressão revolucionária, o czar promulgou uma Constituição e permitiu a convocação de eleições para a Duma (Parlamento). A Rússia tornava-se assim uma monarquia constitucional, embora o czar ainda concentrasse grande poder, e o Parlamento tivesse uma atuação limitada.

Na realidade, o governo ganhou tempo e organizou as reações contra as agitações sociais e os sovietes. Estes eram assembleias de operários, soldados ou camponeses que se organizaram após a Revolução de 1905. Mais tarde teriam um papel essencial da Revolução de 1917.

Ainda em 1905, outro fator de descontentamento foi a derrota na guerra Russo-japonesa. A Rússia perdeu o conflito para o Japão que era considerado um povo inferior e teve que ceder algumas ilhas para este país.

Atuação da Rússia na Primeira Guerra Mundial

Durante a Primeira Guerra Mundial, como membro da Tríplice Entente, a Rússia lutou ao lado da Inglaterra e da França, contra a Alemanha e o Império Austro-Húngaro.

No entanto, o exército russo encontrava-se despreparado para o confronto. As consequências foram derrotas em várias batalhas que deixaram a Rússia enfraquecida e economicamente desorganizada.

Em março, o movimento revolucionário foi deflagrado, com greves se iniciando em São Petersburgo e que se espalharam por vários centros industriais. Os camponeses também se rebelaram.

A maior parte dos militares aderiu aos revolucionários e força a abdicação do czar Nicolau II, em fevereiro de 1917.

Revolução de Fevereiro e Outubro de 1917

Lenin e a revolução russa
Lenin discursa para um grupo de soldados

Após a abdicação do czar, forma-se um Governo Provisório, sob a chefia de Kerensky, que se veria envolvido em disputas entre liberais e socialistas.

Sofrendo pressões dos sovietes, o governo concedeu anistia aos prisioneiros e exilados políticos. De volta à Rússia, os bolcheviques, liderados por Lenin e Trotsky, organizaram um congresso onde defendiam lemas como: “Paz, terra e pão” e “Todo o poder aos sovietes”.

No dia 7 de novembro (25 de outubro no calendário gregoriano), operários e camponeses, sob a liderança de Lenin, tomaram o poder. Os bolcheviques distribuíram as terras entre os camponeses e estatizaram os bancos, as estradas de ferro e as indústrias, que passaram para o controle dos operários.

Consequências da Revolução Russa

A Rússia se retira da Primeira Guerra

O primeiro ato importante do novo governo foi retirar a Rússia da guerra. Para isso, em fevereiro de 1918, foi assinado o Tratado de Brest-Litovsk com as Potências Centrais.

Este determinava a entrega da Finlândia, Países Bálticos, Polônia, Ucrânia e Bielorrússia, além de distritos no Império Otomano e na região da Geórgia.

Guerra civil na Rússia

Os quatro primeiros anos de governo bolchevique foram marcados por uma guerra civil que abalou profundamente o país.

Igualmente, para evitar qualquer tentativa de restauração monárquica, o czar Nicolau II e sua família foram assassinados sem qualquer tipo de julgamento, em julho de 1918.

O Exército Vermelho, criado por Leon Trotsky, derrotou o Exército Branco, formado por nobres e burgueses, garantindo a permanência dos bolcheviques no poder. A revolução estava salva, mas a paralisação econômica era quase total.

Para restaurar a confiança no governo, foi criada a NEP (Nova Política Econômica), que permitia a entrada de capital estrangeiro e o funcionamento de empresas particulares.A aplicação da NEP resultou no crescimento industrial e agrícola da Rússia.

Conclusão da Revolução Russa

Em 1922 foi estabelecida a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), sob liderança de Lenin. Após sua morte, em 1924, iniciou-se uma luta pelo poder entre Trotsky e Stalin.

Derrotado, Trotsky foi expulso do país e, em 1940, foi morto na cidade do México, por um assassino a serviço de Stalin. Sob seu governo, a URSS conheceu uma das mais violentas ditaduras da história, ao mesmo tempo que passava por um crescimento econômico vertiginoso.

Durante a II Guerra Mundial, o país seria um dos principais inimigos do nazismo, aliado dos Estados Unidos e do Reino Unido.

Após o conflito, seria alçada à condição de segunda potência mundial.

Revolução Russa: resumo

A Revolução Russa, ocorrida em 1917, foram dois levantes populares ocorridos em fevereiro e outubro.

No entanto, a agitação social vinha de longe. Em 1905, manifestantes pediram ao czar Nicolau II melhores condições de vida, mas foram rechaçados à bala. Como consequência, o monarca procurou modernizar o país com eleições para um parlamento (Duma) e uma Constituição.

Com a entrada da Rússia na Primeira Guerra (1914-1917), a situação só piorou. Vários soldados desertaram, oficiais passaram a conspirar contra o czar e este foi deposto através da Revolução de Fevereiro de 1917.

Embora tenham abolido a monarquia, muitos revolucionários achavam que não era suficiente. Assim, um novo golpe é dado, desta vez pelos bolcheviques e camponeses, que instituem um regime mais próximo ao socialismo através da Revolução de Outubro.

Temos mais textos sobre este assunto:

Questões sobre a Revolução Russa

Questão 1

(UFES) A Revolução Russa de 1917 derrubou o regime czarista e estabeleceu o socialismo no país.

Assinale a alternativa correta em relação às medidas adotadas pelo novo governo.

a) Com a abdicação do Czar, estabeleceu-se uma aliança política entre os líderes do regime czarista e os dirigentes do governo provisório.
b) Lenin, prisioneiro político exilado na Sibéria, ficou excluído do processo revolucionário.
c) O governo socialista colocou em prática, imediatamente, o projeto de reconstrução da economia, a Nova Política Econômica (NEP).
d) A fase inicial do processo caracterizou-se pela alteração nas leis dos direitos civis, pela anulação dos títulos de nobreza, pela separação entre Igreja e Estado, pela reforma agrária e pelo fim da propriedade privada.
e) No nível político, o governo revolucionário promulgou, no mesmo ano, uma nova constituição, que legitimou a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS).

Alternativa correta: d) A fase inicial do processo caracterizou-se pela alteração nas leis dos direitos civis, pela anulação dos títulos de nobreza, pela separação entre Igreja e Estado, pela reforma agrária e pelo fim da propriedade privada.

A Revolução de Fevereiro rompeu com a ordem da monarquia constitucional que vigorava na Rússia até o momento, como expressa a alternativa "d".

A opção "a" fala de uma aliança que não existiu; a "b" afirma que Lenin estava preso na Sibéria, mas na verdade, estava exilado na Inglaterra. Já a opção "c", faz referência à NEP que começou em 1921 e não em 1917. Finalmente, a letra "e" menciona fatos que só ocorreram posteriormente.

Questão 2

(UFJF) Sobre o contexto social da Rússia, anterior à Revolução Bolchevique de 1917, é incorreto dizer que:

a) a grande massa da população era camponesa, reflexo das condições econômicas e sociais anteriores, havendo grande concentração fundiária nas mãos de poucos.
b) a industrialização estava restrita a poucas cidades, como Moscou e São Petersburgo, e fora financiada, em grande parte, pelo capital europeu ocidental.
c) apresentava uma burguesia forte e organizada, com um projeto revolucionário amadurecido, que defendia, entre outros aspectos, a criação de uma República no lugar do governo czarista.
d) o proletariado enfrentava péssimas condições de vida nas cidades, fruto dos baixos salários, mas dispunha de um certo grau de organização política, que possibilitava sua mobilização.
e) após o fim da servidão, houve uma intensa migração do campo em direção à cidade, contribuindo para o aumento da mão-de-obra disponível, que seria direcionada, em grande parte, para a indústria.

Alternativa correta: c) Apresentava uma burguesia forte e organizada, com um projeto revolucionário amadurecido, que defendia, entre outros aspectos, a criação de uma República no lugar do governo czarista.

A burguesia não estava organizada e não foi a classe que fez a revolução na Rússia, conforme preconizavam os estudos de Marx sobre o tema. Na Rússia, quem derrubou o governo e apoiou os revolucionários foram os camponeses.

Questão 3

(PUC/RJ) Considerando-se em conjunto a Revolução de 1905 na Rússia, quanto às suas características e resultados principais, pode-se afirmar que, do ponto de vista das origens de 1917, sua maior importância foi:

a) Possibilitar a instalação de uma Monarquia Constitucional, dando liberdade aos partidos políticos.
b) Conceder autonomia às várias nacionalidades do Império Russo, além de revelar o acerto dos populistas.
c) Permitir a eleição da Duma e completar a abolição da servidão beneficiando milhões de camponeses.
d) Suscitar o aparecimento dos sovietes, demonstrar o peso decisivo do problema agrário e revelar a fraqueza da burguesia.
e) Abrir caminho ao desenvolvimento capitalista, assim como à reforma agrária, pela eliminação dos partidos revolucionários.

Alternativa correta: d) Suscitar o aparecimento dos sovietes, demonstrar o peso decisivo do problema agrário e revelar a fraqueza da burguesia.

A Revolução de 1905 é considerada o "ensaio geral" para a Revolução de 1917. Isto porque este movimento possibilitou o surgimento de novos atores como os sovietes (grupos de trabalhadores) para dirigir fábricas e territórios. Por sua vez, mostrou à sociedade russa que a grande questão estava no campo, com milhares de camponeses sofrendo misérias, agora agravadas pela Primeira Guerra. Quanto à burguesia era pouco numerosa e não se mostrava interessada em mudanças radicais, mesmo que a beneficiassem a longo prazo.

Na opção "a", não houve liberdade para os partidos políticos na Rússia. Na "b", nenhuma autonomia foi concedida para as nacionalidades existentes e na "c" é mencionada a "abolição da servidão" que já tinha sido feita em 1861.

Por fim, na letra "e", não ocorreu a eliminação dos partidos revolucionários.

Questão 4

Uma das consequências da Revolução de Fevereiro de 1917 foram:

a) as vitórias do Exército russo na frente alemã e o estabelecimento de uma Constituição.
b) o afastamento dos democratas do governo e a adesão do Exército à Revolução.
c) adesão de oficiais à revolução e abdicação do czar.
d) o estabelecimento de uma democracia liberal e a assinatura do Tratado de Brest-Litovsk

Alternativa correta c) adesão de oficiais à revolução e a abdicação do czar.

As sucessivas derrotas no campo de batalha sofridos pelos russo degastaram as relações dos oficiais com o czar Nicolau II. Por isso, parte deles aderiu ao movimento revolucionário, o que forçou a abdicação do monarca.

Questão 5

A vitória da Revolução de Outubro de 1917 não garantiu a estabilidade política da Rússia que se viu tomada por uma guerra civil travada entre:

a) o exército liderado por Trotsky contra as forças armadas patrocinadas por nobres e burgueses.
b) a guarda imperial, fiel ao czar, contra os bolcheviques, liderados por Lenin.
c) o exército russo contra milícias rurais que tinham o auxílio dos operários urbanos.
d) o exército vermelho contra o exército branco, apoiado pelo czar

Alternativa correta a) o exército liderado por Trotsky contra as forças armadas patrocinadas por nobres e burgueses.

Após a Revolução de Outubro e o fim da Primeira Guerra, a Rússia passa a ser a preocupação das potências europeias que apoiam o Exército Branco, criado por nobres e burgueses que opunham à Revolução. Apesar de tudo, o Exército Vermelho, liderado por Trotsky vence o inimigo.

Juliana Bezerra
Juliana Bezerra
Bacharelada e Licenciada em História, pela PUC-RJ. Especialista em Relações Internacionais, pelo Unilasalle-RJ. Mestre em História da América Latina e União Europeia pela Universidade de Alcalá, Espanha.