Contrarreforma

Juliana Bezerra
Juliana Bezerra
Professora de História

A Contrarreforma ou Reforma Católica, foi um movimento de reestruturação da Igreja Católica que culminou em 1545 com o Concílio de Trento.

Seu objetivo era reformar a própria Igreja Católica e dar uma reposta ao protestantismo que estava ocorrendo no Sacro Império Romano Germânico.

A Reforma Católica ocorreu num momento de profundas mudanças sociais e políticas. O mundo feudal desaparecia pouco a pouco, novas terras foram descobertas na América e a burguesia ascendia como nova camada social.

Igualmente, as ideias humanistas e cientificistas, criticavam duramente o modo de vida de parte do clero, e questionava os dogmas cristãos. Isto exigia uma resposta da Igreja Católica a estes novos tempos.

Desta maneira, surgem pensadores como Erasmo de Roterdã, Juan de la Cruz, Tereza d'Ávila, Vicente de Paulo, entre outros, que defendem uma igreja voltada aos mais necessitados e não ao poder. Como resultado haverá uma grande reforma nas ordens religiosas contemplativas e a criação de congregações, como os vicentinos, voltados para a educação e acolhimento dos pobres.

A chegada dos europeus na América também fez surgir a necessidade de uma ordem voltada para as missões. Neste sentido, destaca-se a Companhia de Jesus, cujos membros eram conhecidos como jesuítas, em 1534.

Assim, a reforma católica se caracteriza por rever aspectos espirituais e administrativos da Igreja Católica, além de retrucar as ideias de Lutero. Para que isso fosse possível foi necessário convocar um concílio.

Concílio de Trento

Entre 1545 e 1563, religiosos e teólogos se reuniram em concílio na cidade de Trento, situada, atualmente, na Itália.

Antes de tudo, o que é um Concílio? É uma reunião de bispos da Igreja Católica convocada pelo Papa quando surge uma questão grave sobre a fé.

Desta maneira, o Concílio de Trento reuniu representantes da Igreja Católica de toda a Europa, das igrejas ortodoxas e teólogos protestantes.

Uma das características do concílio foi reafirmar dogmas rechaçados por Martinho Lutero como a presença real de Cristo na Eucaristia, a veneração aos santos, a validade dos os sacramentos e a Tradição Oral.

Contudo outras decisões de caráter administrativo foram tomadas como a obrigatoriedade dos bispos residirem nas suas dioceses, a criação seminários para aqueles que desejassem seguir a vida sacerdotal e a proibição da venda de indulgências.

Da mesma forma, se reativou o Tribunal do Santo Ofício, mais conhecido como Inquisição, criada no século XII. Esse tribunal julgaria os hereges, segundo a visão da Igreja Católica.

Igualmente, foi criado o Index Librorum Prohibitorum (Índice de Livros Proibidos), que consistia numa lista de livros considerados imorais ou contrários a fé pela Igreja. Os exemplares seriam queimados, seus criadores perseguidos e quem os possuísse eram processados.

A fim de revitalizar a catequese tanto na Europa quanto na América, a Companhia de Jesus, criada por Inácio de Loyola, foi fundamental dentro da Reforma Católica, pois através do ensino e das missões, divulgaram a fé católica.

Reforma Protestante

A Igreja Católica vinha sendo desacreditada e estava perdendo adeptos, especialmente na Inglaterra, França e Alemanha.

Tudo isto aconteceu quando Martinho Lutero publicou as “95 teses”, em 1517, texto preparado para uma discussão pública e que consistia numa crítica ao catolicismo.

Sua rápida divulgação, através da impressão e distribuição de exemplares por seus alunos, fez surgir outra vertente do Cristianismo, o Luteranismo, primeira doutrina do Protestantismo.Na mesma época, o rei Henrique VIII da Inglaterra, rompe com a Igreja Católica e cria a Igreja Anglicana, em 1534.

Estas ideias se espalharam por países como a Inglaterra, Sacro Império Romano Germânico, França, Suíça, Países Baixos e Escandinávia modificando para sempre o cristianismo.

Reforma Católica ou Contrarreforma?

O conceito de contrarreforma foi mudando com o tempo. Antigamente, este fato só era interpretado como uma reação da Igreja Católica às ideias de Lutero.

Havia muito tempo, entretanto, que vários membros da Igreja Católica pediam a revisão de certas práticas levadas pela Igreja. Por isso, várias vozes pediam a convocação de um concílio.

Atualmente, os historiadores caracterizam este fenômeno como Reforma Católica e não apenas como uma contrarreforma. Afinal, o objetivo do Concílio de Trento não foi somente dar uma resposta a Lutero e a seus seguidores.

Assim, o papa Paulo III convocou o Concílio de Trento, que durou 18 anos e se tornou a mais longa assembleia religiosa da história. Na ocasião foram discutidos vários problemas doutrinários, e tomadas decisões que visavam fortalecer o poder do papa e, consequentemente, da Igreja.

Temos mais textos sobre esse assunto para você:

Juliana Bezerra
Juliana Bezerra
Bacharelada e Licenciada em História, pela PUC-RJ. Especialista em Relações Internacionais, pelo Unilasalle-RJ. Mestre em História da América Latina e União Europeia pela Universidade de Alcalá, Espanha.