Iluminismo

Juliana Bezerra

O Iluminismo foi um movimento intelectual europeu surgido na França no século XVII.

A principal característica desta corrente de pensamento foi defender o uso da razão sobre o da fé para entender e solucionar os problemas da sociedade.

As ideias iluministas foram tão populares no século XVIII que este ficou conhecido como "Século das Luzes",

Resumo sobre Iluminismo

Os iluministas acreditavam que poderiam reestruturar a sociedade do Antigo Regime. Defendiam o poder da razão em detrimento ao da fé e da religião e buscaram estender a crítica racional em todos os campos do saber humano.

Através da união de escolas de pensamento filosóficas, sociais e políticas, enfatizavam a defesa do conhecimento racional para desconstruir preconceitos e ideologias religiosas. Por sua vez, essas seriam superadas pelas ideias de progresso e perfectibilidade humana.

Em suas obras, os pensadores iluministas argumentavam contra as determinações mercantilistas e religiosas.

Também foram avessos ao absolutismo e aos privilégios dados à nobreza e ao clero. Estas ideias eram consideradas polêmicas, pois isso abalava os alicerces da estrutura política e social do Antigo Regime.

Desta maneira, filósofos como Diderot e D’Alembert buscaram reunir todo o conhecimento produzido à luz da razão num compêndio dividido em 35 volumes: a Enciclopédia(1751-1780).

A publicação da Enciclopédia contou com a participação de vários expoentes iluministas como Montesquieu e Jean-Jacques Rousseau.

Suas ideias se difundiram principalmente entre a burguesia, que detinha a maior parte do poder econômico. Entretanto, não possuíam nada equivalente em poder político e ficavam sempre à margem das decisões.

Características do Iluminismo

O iluminismo rejeitava a herança medieval e, por isso, passaram a chamar este período de "Idade das Trevas". Foram esses pensadores que inventaram a ideia que nada de bom havia acontecido nesta época.

Vejamos, a seguir, as principais ideias iluministas sobre economia, política e religião.

Economia

Em oposição ao Mercantilismo, praticado durante o Antigo Regime, os iluministas afirmavam que o Estado deveria praticar o liberalismo. Ao invés de intervir na economia, o Estado deveria deixar que o mercado a regulasse. Essas ideias foram expostas, principalmente, por Adam Smith.

Alguns, como Quesnay, defendiam que a agricultura era a fonte de riqueza da nação, em detrimento do comércio, como defendido pelos mercantilistas.

Quanto à propriedade privada não havia consenso entre os iluministas. John Locke enfatizava que a propriedade era um direito natural do homem, enquanto Rousseau, apontava que esta era a razão dos males da humanidade.

Política e Sociedade

Contrários ao Absolutismo, os iluministas afirmavam que o poder do rei deveria ser limitado por um conselho ou uma Constituição.

O escritor Montesquieu, por exemplo, defendia um modelo de Estado onde o governo estaria dividido em três poderes: Legislativo, Executivo e Judiciário. Assim, haveria equilíbrio e menos poder concentrado numa só pessoa. Esta ideia de governo foi adota por quase todos os países do mundo ocidental.

Igualmente, os súditos deveriam ter mais direitos e serem tratados de forma igualitária.Com isso queria se afirmar que todos deveriam pagar impostos e minorias, como os judeus, tinham que ser reconhecidos como cidadãos plenos. É preciso lembrar que no Antigo Regime, as minorias religiosas como judeus e muçulmanos, forma obrigados a se converter ou a deixar os países onde estavam para escapar das perseguições.

Embora houvesse algumas vozes a favor das mulheres e até pensadoras iluministas, como Émilie du Châtelet ou Mary Wollstonecraft, nenhum homem defendeu realmente a concessão de direitos para elas.

Religião

A religião foi muito criticada por vários pensadores iluministas.

A maioria, defendia a limitação dos privilégios do clero e da igreja; bem como o uso da ciência para questionar as doutrinas religiosas.

Havia aqueles que compreendiam o poder da religião na formação do ser humano, mas preferiam que houvessem duas esferas distintas: a religião e o Estado. De igual maneira, alguns iluministas defendiam o fim da igreja como instituição e a fé deveria ser uma expressão individual.

Despotismo esclarecido

As ideias iluministas se espalharam de tal modo que muitos governantes buscaram implantar medidas embasadas no iluminismo para modernizar seus respectivos Estados.

Isso acontecia sem que os monarcas abdicassem de seu poder absoluto, apenas conciliando-o aos interesses populares. Deste modo, estes governantes faziam parte do Despotismo Esclarecido.

Iluminismo no Brasil

O Iluminismo chegou ao Brasil através das publicações que eram contrabandeadas para a colônia.

Igualmente, vários estudantes que iam à Universidade de Coimbra também tiveram contato com as ideias iluministas e passaram a difundi-las.

Essas ideias passavam a questionar o próprio sistema colonial e fomentar o desejo de mudanças. Assim, o movimento das Luzes influenciou a Inconfidência Mineira (1789), a Conjuração Baiana (1798) e a Revolução Pernambucana (1817).

Consequências do Iluminismo

Os ideais iluministas tiveram sérias implicações sociopolíticas. Como exemplo, o fim do colonialismo e do absolutismo e implantação do liberalismo econômico, bem como a liberdade religiosa, o que culminou em movimentos como a Revolução Francesa (1789).

Principais pensadores iluministas

Segue abaixo os principais filósofos iluministas:

Temos mais textos sobre Iluminismo para você:

Juliana Bezerra
Juliana Bezerra
Bacharelada e Licenciada em História, pela PUC-RJ. Especialista em Relações Internacionais, pelo Unilasalle-RJ. Mestre em História da América Latina e União Europeia pela Universidade de Alcalá, Espanha.