Características do Renascimento

Juliana Bezerra

As características do renascimento são o humanismo, racionalismo, individualismo, antropocentrismo, cientificismo, universalismo e a arte da Antiguidade Clássica.

Foi um movimento artístico e filosófico que despontou na Itália no século XV.

Representou uma das mais importantes mudanças de mentalidade na história da humanidade, pois foram renovadas diversas áreas do conhecimento como filosofia, política, economia, cultura, artes, ciência, dentre outras.

Principais Características

1. Humanismo

O movimento humanista surge como mote para a valorização do ser humano e da natureza humana, onde o antropocentrismo (homem no centro do mundo) foi sua principal característica.

O humanismo foi uma corrente intelectual que se destacou na filosofia e nas artes e que desenvolveu o espírito crítico do ser humano.

2. Racionalismo

Ao defender a razão humana, essa corrente filosófica foi importante para desenvolver diversos aspectos do pensamento renascentista em detrimento da fé medieval.

Com ele, o empirismo ou a valorização da experiência, foram essenciais para a mudança de mentalidade no período do renascimento. Esta corrente afirmava que os fenômenos humanos e da natureza deveriam ser comprovados diante de experiências racionais.

Note que o racionalismo está intimamente relacionado com a expansão científica, de forma que busca uma explicação para os fatos, baseada na ciência. Em outras palavras, a razão é o único caminho para se chegar ao conhecimento.

3. Individualismo

Representou uma das importantes características do renascimento associados ao movimento humanista.

O homem é colocado em posição central e passa a ser regido, não somente pela igreja, mas também por suas emoções e escolhas. Assim, ele torna-se um ser crítico e responsável por suas ações no mundo.

4. Antropocentrismo

Em detrimento do pensamento teocêntrico medieval, onde Deus estava no centro do mundo, o antropocentrismo (homem como centro do mundo) surge para valorizar diversos aspectos do ser humano.

A razão torna-se o instrumento pelo qual o ser humano deve pautar suas ações. Ainda que a religião continue a ter muita importância, a inteligência humana foi exaltada diante das diversas descobertas científicas da época.

Desta maneira, reforçado pelo individualismo, o homem passa a ter uma posição centralizada e isso o impulsiona a ousar no aprendizado e em descobertas científicas ou de novas terras.

5. Cientificismo

Numa época de efervescência, o conceito do cientificismo foi de suma importância para mudar a mentalidade do homem e trazer à tona questões sobre o conhecimento do mundo.

Destacam-se como grandes pensadores e cientistas desse período:

  • Nicolau Copérnico: astrônomo e matemático
  • Galileu Galilei: astrônomo e físico
  • Johannes Kepler: astrônomo e matemático
  • Andreas Vesalius: médico, “pai da anatomia”
  • Francis Bacon: filósofo e cientista
  • René Descartes : filósofo e matemático
  • Leonardo da Vinci : artista, cientista, matemático, inventor
  • Isaac Newton: astrônomo e cientista

6. Universalismo

Foi desenvolvida sobretudo, na educação renascentista corroborada pelo desenvolvimento do conhecimento humano em diversas áreas do saber.

O homem renascentista busca ser um "polímata", ou seja, aquele que se especializa em diversas áreas. O maior exemplo de figura polímata do renascimento foi sem dúvida, Leonardo da Vinci.

Vale ressaltar que no período renascentista, houve uma expansão de escolas, faculdades e universidades, bem como a inclusão de disciplinas relacionadas às humanidades (línguas, literatura, filosofia, dentre outras.)

7. Antiguidade Clássica

A retomada dos valores clássicos foi essencial para o estudo dos humanistas. Um dos fatos que facilitou muito o estudo dos clássicos foi a invenção da imprensa, uma vez que a rápida reprodução das obras auxiliou na divulgação do conhecimento.

Segundo os estudiosos da época, a filosofia e as artes desenvolvidas durante a Grécia e a Roma antiga possuíam grande valor estético e cultural, em detrimento daquelas da Idade Média.

O que foi o Renascimento?

O Renascimento (ou Renascença) foi um período de transição entre a Idade Média e a Idade Moderna, ocorrido entre os séculos XIV e XVII.

Surgido na Itália, o Renascimento ganha esse nome no século XVI, de maneira a sugerir que antes do período, na Idade Média, a ciência e a arte estavam extintas, o que não é o caso. Portanto, atualmente esse termo é contestado.

De qualquer maneira, esse foi um momento em que grandes progressos ocorreram em diversos campos do conhecimento.

Como fatores que contribuíram para o surgimento da renascença, especificamente na Península Itálica, podemos destacar:

  • surgimento de uma economia pré-capitalista;
  • intensificação dos valores burgueses;
  • presença da arte e tradição clássica nas cidades italianas;
  • divisão política da Itália em cidades-estados.

Saiba tudo sobre o período do Renascimento:

Juliana Bezerra
Juliana Bezerra
Bacharelada e Licenciada em História, pela PUC-RJ. Especialista em Relações Internacionais, pelo Unilasalle-RJ. Mestre em História da América Latina e União Europeia pela Universidade de Alcalá, Espanha.