Artistas do Renascimento

Laura Aidar

Os Artistas do Renascimento representaram as figuras mais importantes do Movimento Renascentista na Itália, dos quais se destacam: Leonardo da Vinci, Michelangelo Buonarroti e Rafael Sanzio.

Foram diversos os campos de atuação desses artistas, os quais deram destaque às mais variadas categorias das artes: pintura, escultura, arquitetura, literatura, dentre outras.

1. Leonardo da Vinci (1452-1519)

Considerado um dos maiores gênios da história da humanidade, Leonardo da Vinci foi pintor, escultor, engenheiro, cientista, escritor e inventor italiano.

Nascido no vilarejo de Anchiano, próximo de Florença, Leonardo é uma das figuras mais importantes do Renascimento, de forma que contribuiu para a produção intelectual e artística da época. De suas obras destacam-se: A Última Ceia (Santa Ceia) e A Gioconda (ou Mona Lisa).

Mona Lisa exibe figura de mulher com as mãos pousadas no colo, fundo de paisagem e leve sorriso
Mona Lisa, datada de 1503, é talvez o quadro mais famoso da história da arte

Seu trabalho tinha como característica o realismo, a simetria, o uso impecável de luzes e sombras, resultando na sensação de relevo.

A última ceia exibe Jesus e seus discípulos em mesa de jantar
A última ceia (1495-1497), retrata Jesus e seus discípulos

2. Michelangelo Buonarroti (1475-1564)

Pintor, escultor e arquiteto italiano, Michelangelo nasceu na cidade de Caprese, região da Toscana.

Foi um dos maiores representantes da arte renascentista e, sem dúvida, sua maior obra foi a pintura da abóboda da Capela Sistina, na Catedral de São Pedro, em Roma, com destaque para A criação de Adão.

a criação de Adão exibe Deus envolto em anjos e mantos e tocando o dedo de Adão
A criação de Adão (1511), exibe a imagem de Deus dando vida a Adão. Deus está inserido dentro de um manto com anjos em volta, fazendo alusão a figura de um cérebro

O artista passou quatro anos (1508-1512) pintando o local, que agrupa cerca de 300 figuras, das quais se destaca: O Juízo Final. Na escultura, suas obras mais representativas foram: Pietà e a Escultura de Davi.

Pietá de Michelangelo é uma escultura de Maria com Jesus morto em seus braços
Pietá (1499) exibe Maria com Jesus morto em seus braços

3. Rafael Sanzio (1483-1520)

Ao lado de Leonardo da Vinci e Michelangelo, Rafael formou a tríade mais importante dos grandes mestres da arte italiana da Renascença.

Pintor italiano nascido na cidade de Urbino, inovou as técnicas de pintura, ao utilizar contrastes de luzes e sombras.

Ficou conhecido por suas diversas “Madonas” (mãe de Jesus), das quais se destaca: Madona e o Menino Entronados com Santos (1505). A obra A Escola de Atenas (1509-1511) também é bastante reconhecida.

A escola de Atenas, de Rafael Sanzio
A Escola de Atenas (1509-1511) faz referência à arte clássica

4. Donatello (1368-1466)

Além da tríade dos principais representantes da Renascença, Donatello foi um importante escultor italiano do período, nascido em Florença. Introduziu novas técnicas artísticas ao utilizar diferentes materiais para compor suas esculturas, como mármore, bronze e madeira.

Seus trabalhos mais representativos são: a escultura de São Marcos, em Florença, e Gattamelata, na cidade de Pádua.

escultura de Donatello exibindo homem montado em um cavalo
Escultura de Erasmo da Narni, general renascentista conhecido como Gatamellata, produzida em 1453

5. Sandro Boticcelli (1445-1510)

Pintor e desenhista nascido em Florença, Alessandro di Mariano di Vanni Filipepi, mais conhecido por seu nome artístico, Sandro Boticcelli, foi um dos pintores mais proeminentes da Itália renascentista.

Em suas obras, abordou temas religiosos e mitológicos, donde se destacam: A Primavera e O Nascimento de Vênus.

O nascimento de Vênus é uma obra que celebra a mitologia greco-romana, foi finalizada em 1485
O nascimento de Vênus é uma obra que celebra a mitologia greco-romana, foi finalizada em 1485

6. Sofonisba Anguissola (1532-1625)

Sofonisba Anguissola foi uma mulher da classe alta italiana, vinda de uma família de humanistas. Assim, desde nova foi incentivada a desenhar e pintar, o que possibilitou que ela se transformasse em uma reconhecida artista, a primeira mulher a ter algum destaque na arte da Europa.

Integrou a corte espanhola e fez realmente sucesso com sua arte, mas enfrentou desafios por ser mulher, entre eles o impedimento de frequentar aulas de desenho vivo, o que limitou seus temas na arte.

Sofonisba realizou muitos autorretratos, em um dele é exibida junto a uma tela, segurando seus pincéis.

Autorretrato de Sofonisa Anguissoba exibe mulher com pincéis em frente a tela
Autorretrato de Sofonisba Anguissola (1556)

7. Paollo Ucello (1397-1475)

Paollo foi um artista italiano que mesclava referências medievais (de um mundo que já havia declinado) com os conhecimentos científicos que despontavam na época.

O artista valorizava a perspectiva e os conceitos matemáticos em cenas que traziam um universo fantasioso, como em São Jorge e o Dragão (1455).

pintura de Paollo Uccello
São Jorge e o dragão (1455), de Paollo Uccello

8. Masaccio (1401-1428)

Esse pintor nascido no início do século VX é tido como o primeiro artista de seu tempo a considerar a fidelidade das imagens na pintura.

Representar as coisas da maneira como se enxergava era seu objetivo e suas pinturas retratavam cenas bíblicas. Uma dessas obras é Madona com o menino (1426)

Madona com o menino, de Massaccio, exibe Virgem Maria com o menino Jesus
Madona com o menino (1426), de Masaccio

9. Fra Angelico (1387-1455)

Fra Angelico, assim como Masaccio, também desenvolveu um trabalho voltado para a representação da realidade como se via, preservando a fidelidade das cenas exibidas.

O artista pertenceu a primeira fase do renascimento e seu trabalho apresentava características dessa época, mas manteve-se atrelada a assuntos católicos, pois sua formação era extremamente cristã, sendo beatificado pela Igreja Católica.

Painel pintado de Fra Angelico retratando o juízo final
O juízo final (1431), de Fra Angelico, é uma de suas obras de maior destaque

10. Piero della Francesca (1410-1492)

Para esse artista, a pintura era uma maneira de transmitir suas ideias matemáticas e científicas. Nascido próximo de Florença, o pintor foi muito reconhecido na época, mas posteriormente ficou esquecido.

As imagens que produzia tinham como intenção trazer composições geométricas, sem valorizar as emoções.

Ele fez uso de estruturas em pirâmide nas cenas retratadas, e dava um tratamento geométrico para os rostos, como é possível perceber no retrato de Federico de Montefeltro, que exibe um rosto de perfil em formato quadrado.

Pintura de Piero della Francesca exibe perfil de homem com chapéu vermelho e nariz anguloso
Federico de Montefeltro (1472), de Piero della Francesca

Características da Arte Renascentista

A arte renascentista valorizou os aspectos culturais, do homem e da natureza, e esteve voltada essencialmente para a retomada dos modelos clássicos greco-romano.

Baseada no naturalismo, racionalismo e hedonismo, representou um divisor de águas, na medida em que a arte da renascença trouxe inovações técnicas e temáticas, por exemplo, o surgimento da perspectiva, em detrimento da arte anterior (plano reto).

Além disso, a harmonia e o equilíbrio foram características importantes que buscaram os artistas renascentistas para frisar a valorização da antiguidade clássica bem como do antropocentrismo.

De tal modo, a arte renascentista chega para abordar outros temas, ampliando o leque de possibilidades, que somente estavam restritos à arte religiosa, no período da Idade Média.

Literatura Renascentista

Na literatura, o período do Renascimento foi denominado de Classicismo, e da mesma forma que outras vertentes da arte renascentista (pintura, escultura, arquitetura), representava uma arte voltada para os modelos clássicos, e daí surge seu nome.

Nessa época, muitos escritores se empenharam em trazer à tona os aspectos do humanismo renascentista, inaugurando assim, a literatura moderna. Segue abaixo, um dos maiores representantes da literatura renascentista:

  • Dante Alighieri (1265-1321): escritor italiano, autor da Divina Comédia.
  • Willian Shakespeare (1564-1616): poeta e dramaturgo inglês, autor de Romeu e Julieta e Hamlet.
  • Miguel de Cervantes (1547-1616): poeta, romancista e dramaturgo espanhol, autor de Dom Quixote de la Mancha.
  • Luís de Camões (1524-1580): poeta português, autor de Os Lusíadas.
  • Michel de Montaigne (1523-1592): escritor e filósofo francês, autor de Ensaios.
  • Nicolau Maquiavel (1469-1527): poeta e historiador italiano, autor de O Príncipe.
  • François de Rabelais (1494-1553): escritor e padre francês, autor de Pantagruel e Gargântua.
  • Erasmo de Roterdã (1466-1536): escritor e teólogo neerlandês, autor de Elogio da Loucura.

Contexto Histórico

O Renascimento Cultural representou um movimento artístico-intelectual que surgiu na Itália (grande centro comercial da época) a partir do século XIV, considerada o “Berço do Renascimento”, e se espalhou rapidamente por toda a Europa.

A Renascença italiana esteve voltada sobretudo, para a antiguidade clássica, de forma que seus principais pensadores alegavam que a chegada dessa nova era salvaria o ser humano daquele período obscuro do medievo, centrado na figura de Deus (teocentrismo).

Vale ressaltar que a Idade Média (século V ao XV) era baseada no sistema feudal e na sociedade estamental (rei, nobreza, clero e servos), ou seja, não permitia mobilidade social. Essa época esteve voltada essencialmente aos assuntos religiosos, os quais giravam em torno da única “verdade” dita por Deus.

Assim, apenas a nobreza e o clero possuíam acesso ao conhecimento. Segundo os humanistas italianos, a produção intelectual, sobretudo a centrada nos clássicos, tinha sido deixada de lado, o que teria levado à estagnação intelectual, artística e cultural.

Diante disso, grupos de pensadores, filósofos e artistas formaram o grupo dos Humanistas Renascentistas. Eles estavam preocupados em difundir o conhecimento que, durante muitos séculos, esteve distante da população.

A ideia era trazer à tona questões relacionadas com as descobertas científicas, bem como o desenvolvimento social, artístico e cultural. Assim, gradualmente, esses artistas promoviam um pensamento mais humano e racionalista, ou seja, centrado no antropocentrismo (homem como centro do mundo).

No campo científico, denominado de Renascimento Científico, os maiores representantes foram os astrônomos: Nicolau Copérnico (1473-1543), com a Teoria Heliocêntrica (Sol no centro do Universo), e Galileu Galilei (1564-1642), considerado o “pai da ciência moderna”.

Vale destacar que esse período de transição da Idade Média para a Idade Moderna foi marcado por diversas transformações sociais, políticas, econômicas e culturais na Europa.

O declínio da sociedade feudal, o renascimento comercial-urbano, a criação da Imprensa e o surgimento da burguesia, foram essenciais para consolidar uma nova era que se aproximava: O Humanismo Renascentista.

Para saber mais, veja os artigos:

Quiz de História da Arte

Laura Aidar
Laura Aidar
Arte-educadora, artista visual e fotógrafa. Licenciada em Educação Artística pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) em 2007 e formada em Fotografia pela Escola Panamericana de Arte e Design, localizada em São Paulo, em 2010.