Descobrimento da América

Juliana Bezerra

Chama-se Descobrimento da América a chegada e ocupação da América pelo navegador Cristóvão Colombo (1452-1516) em 12 de outubro de 1492.

A expedição foi patrocinada pelos reis católicos de Espanha, Fernando de Aragão e Isabel de Castela.

Atualmente, questiona-se o uso da palavra "descobrimento" para nomear este feito, pois as terras já se encontravam habitadas por povos nativos.

A Busca pelo Oriente

Com as dificuldades importas pelos turcos ao comércio europeu, após a tomada de Constantinopla em 1453, a busca por uma rota alternativa à Mediterrânea se tornou prioridade para a Europa.

Neste momento, Portugal liderava uma série de expedições marítimas que o levou a tomar posse das ilhas atlânticas como Açores, Madeira e da cidade de Ceuta, na África.

Em seguida, os portugueses foram se lançando a percorrer a África, mas sem perder de vista a costa deste continente.

Como os reis de Castela também se interessaram em se lançarem ao mar, ambas coroas assinaram vários tratados a fim de repartir as terras descobertas e por descobrir.

Um dos acordos assinados foi o Tratado de Tordesilhas, em 1492, que dividia o mundo entre Portugal e Espanha.

Expedição Marítima de Colombo

Colombo e a América
"Primeira homenagem a Colombo", pintado em 1892, retrata a a chegada de Cristóvão Colombo à América de maneira eurocêntrica.

Neste contexto, o navegador genovês Cristóvão Colombo alimentou a ideia de chegar às Índias navegando pelo poente. Ou seja: ele queria tentar um novo caminho até então inexplorado.

Esta rota era baseada no mapa do florentino Paolo Toscanelli (1397-1482), e a ideia foi apresentada ao rei de Portugal, Dom João II (1455-1495). O monarca negou o apoio, pois duvidava que fora possível fazê-lo.

Colombo parte para os reinos de Castela e Aragão em busca de ajuda. Apesar de unificadas, parte da nobreza castelhana queria continuar a sustentar guerras no continente europeu. A outra parte desejava arriscar-se em buscar o denominado "novo mundo".

Após sete anos de reuniões, discussões e intrigas, Colombo consegue dinheiro para realizar seu empreendimento. Assim, partiu em 13 de agosto de 1492, com apenas duas caravelas: Nina e Pinta e a nau Santa Maria.

A tripulação estava composta de 90 homens que chegaram à América 61 dias depois, aportando nas Bahamas e, logo depois, em Cuba e Santo Domingo.

Colombo acreditava ter encontrado as Índias e tentou por mais quatro vezes chegar aos mercados indianos. Sempre acreditou que tinha chegado à Ásia, porém suas incursões resultaram no descobrimento das Antilhas e da América Central.

Um Novo Continente: América

Navegações a América
Viagens dos navegadores de várias nacionalidades ao continente americano

Foi em 1504 que o navegador florentino a serviço da Espanha, Américo Vespúcio (1454-1512), classificou como um continente as novas terras descobertas.

O fato foi confirmado em 1513 pelo navegador Nuñez de Balboa (1476-1519) que atravessou a América Central e chegou ao oceano Pacífico.

Mais tarde, o cartógrafo Martin Waldseemüller (1470-1520) começaria a empregar o termo América em seus mapas, em homenagem a Américo Vespúcio, para designar o "novo mundo".

Por sua parte em 1519, o navegador português Fernão de Magalhães (1480-1521) iniciou a primeira viagem de circunavegação pelo planeta.

Rejeitado pelo rei português, ele se pôs a serviço do monarca espanhol Carlos I (1500-1558). Sua expedição partiu de Cádiz, e fez paradas nas Canárias, Recife e Buenos Aires. De lá, atravessou o Estreito de Todos os Santos que posteriormente foi chamado de "Magalhães" em sua homenagem.

Com isso, ele conseguiu chegar à Ásia, especialmente nas Filipinas e nas Ilhas Molucas.

Magalhães morreu em 1521, nas Filipinas, em combate com os nativos. A viagem foi concluída no ano seguinte pelo espanhol Juan Sebastián Elcano (1476-1526) e dezoito sobreviventes.

As Grandes Navegações

Grandes Navegações
As grandes navegações foram um empreendimento que mudou a fisionomia do mundo para sempre

As grandes navegações foram impulsionadas pelo fechamento das rotas comerciais pelos turcos, após a queda de Constantinopla em 1453.

A conquista de um mundo desconhecido representava um desafio para as monarquias nacionais, que viam neste empreendimento uma foram de legitimar seu poder e expandir seu território.

O continente europeu recebia do Oriente açúcar, ouro, cânfora, porcelanas, pedras preciosas, pimenta, cravo, canela, noz-moscada, gengibre, drogas medicinais, bálsamos, unguentos, perfumes e óleos aromáticos.

As mercadorias que saíam do Oriente rumo ao Ocidente eram transportadas por árabes em caravanas realizadas por terra até a Itália, chegando a Gênova, Veneza e Pisa.

Como intermediárias, essas cidades monopolizavam o comércio do Mar Mediterrâneo e havia uma pressão das monarquias nacionais para a quebra do monopólio.

Além do comércio paralisado, a união entre o Estado e a burguesia consistiu em outro importante fator para as grandes navegações. Era de interesse dos monarcas e burgueses financiar a tecnologia para subsidiar as incursões marítimas.

Surgem, assim, os barinéis, pequenos barcos de dois mastros e velas quadrangulares; seguidos pelas caravelas com três mastros e, por fim, as naus, mais sofisticadas e dotadas de leme.

Da China provinha a bússola, e das regiões árabes, o astrolábio, que serão fundamentais para auxiliar e fazer possível a navegação de grande distância.

Todo esse conhecimento náutico, o Estado centralizado, uma burguesia interessada em expandir seus negócios, e a Igreja Católica desejando expandir a fé cristã, favoreceram o sucesso das navegações europeias à América e Ásia.

Cronologia das Viagens Espanholas à América

Navegador Ano Fato
Cristóvão Colombo 1492-1493 Chegada às Bahamas
Cristóvão Colombo 1493-1496 Ilha de Guadalupe, Porto Rico e Jamaica
Cristóvão Colombo 1498-1500 Costa da Venezuela
Alonso de Ojeda 1499 Exploração da Venezuela

Vicente Yáñez Pinzón

1500 Norte da costa do Brasil em fevereiro
Cristóvão Colombo 1502 Honduras
Nuñez de Balboa 1501 Descoberta da "Terra Firme"
Nuñez de Balboa 1513 Descoberta do Oceano Pacífico
Ponce de León 1513 Chegada à Florida (EUA)
Juan Díaz de Solís 1516 Descoberta da Argentina
Fernão de Magalhães 1519 Circunavegação do globo, descoberta do Chile
Pedro de Alvarado 1521 Conquista da Guatemala e El Salvador
Francisco de Orellana 1535 Descoberta do Amazonas

Leia também sobre este assunto:

Juliana Bezerra
Juliana Bezerra
Bacharelada e Licenciada em História, pela PUC-RJ. Especialista em Relações Internacionais, pelo Unilasalle-RJ. Mestre em História da América Latina e União Europeia pela Universidade de Alcalá, Espanha.