Epiderme

Lana Magalhães

A epiderme é a camada mais superficial da pele, em contato com o ambiente. Ela é formada por tecido epitelial estratificado pavimentoso e queratinizado.

O seu nome deriva das palavras gregas epi, que significa acima e derme, que significa pele. Assim, tem como significado acima da pele.

Ela apresenta cerca de 0,03 a 0,05 milímetros nas palmas das mãos e de 2 a 4 milímetros na planta dos pés.

As funções da epiderme são:

  • Servir como uma barreira de proteção do organismo;
  • Absorção de raios ultravioletas provenientes da radiação solar;
  • Evitar a perda de água;
  • Promover a sensação de tato.

Células

Células da epiderme
Células presentes na epiderme

As células da epiderme estão intimamente unidas e não existe nenhum tipo de substância intercelular entre elas. Existem quatro tipos de células na epiderme:

  • Queratinócitos: Presentes em maior número (95%), são responsáveis pela produção de queratina.
  • Melanócitos: Responsáveis pela produção de melanina, o pigmento que dá cor a pele.
  • Células de Merkel: Responsáveis pela sensação do tato, localizam-se na região profunda da epiderme.
  • Células de Langerhans: São encontradas em todas as camadas da epiderme, participam da proteção da pele, pois apresentam capacidade de fagocitose e de ativar os linfócitos T. Podemos dizer que são células de defesa.

Camadas

A epiderme é constituída por cinco camadas. São elas:

Camadas da epiderme
Camadas da epiderme

Estrato córneo

O estrato córneo é a camada mais externa da epiderme, sendo formado por células mortas, sem núcleos e achatadas. As células apresentam grande quantidade de queratina e estão continuamente descamando.

Estrato lúcido

O estrato lúcido é mais evidente na pele espessa (palmas das mãos e na planta dos pés), já em regiões do corpo onde a pele é muito fina não é possível notar a sua presença.

É constituído por uma camada de células achatadas, eosinófilas e translúcidas. Nessas células não é possível observar as organelas e o núcleo, os quais foram digeridos pelas enzimas dos lisossomos.

Estrato granuloso

O estrato granuloso é formado por 3 a 5 camadas de células poligonais achatadas, com núcleo central e citoplasma acumulado de grânulos basófilos (grânulos queratino-hialina), os quais darão origem a queratina.

Existem ainda os grânulos lamelares, envolvidos por membrana, que se fundem com o citoplasma das células e liberam seu conteúdo lipídico no espaço intracelular, formando uma barreira de proteção e que impede a perda de água.

Estrato espinhoso

O estrato espinhoso é constituído por 5 a 10 camadas de células cuboides, pouco achatadas e com núcleo central. Um diferencial é que as células apresentam projeções citoplasmáticas com filamentos de queratina (tonofilamentos), os quais mantêm as células unidas, devido à presença dos desmossomos. Todo esse arranjo confere um aspecto espinhoso a esse estrato.

Existem, ainda, as células tronco dos queratinócitos que começaram a sua formação no estrato germinativo.

Estrato germinativo ou basal

O estrato germinativo é a camada mais profunda da epiderme e em contato com a derme.

Essa camada é responsável pela renovação da epiderme, apresentando intensa atividade mitótica. Os queratinócitos produzidos são constantemente empurrados para as camadas superiores e aumentam sua produção de queratina. Uma célula basal demora até 26 dias para chegar ao estrato córneo, momento que atingiu sua maturação.

Derme e epiderme

Lembre-se que a pele é formada por duas camadas: a epiderme e a derme. A derme localiza-se logo abaixo da epiderme, sendo responsável por suportar e nutrir a camada mais superficial da pele.

A derme é formada por tecido conjuntivo denso, sendo constituída por colágeno, glicoproteínas e fibras do sistema elástico. É ainda formada por duas camadas: papilar e reticular.

Leia também:

Epiderme vegetal

A epiderme também reveste o corpo das plantas, ou seja, é um tecido de revestimento de folhas, raízes e caules. Ela é constituída por uma camada de células vivas intimamente ligadas e clorofiladas.

Ainda pode apresentar alguns tipos de anexos, como: estômatos, hidatódios, tricomas, pelos absorventes e acúleos.

Lana Magalhães
Lana Magalhães
Licenciada em Ciências Biológicas (2010) e Mestre em Biotecnologia e Recursos Naturais pela Universidade do Estado do Amazonas/UEA (2015). Doutoranda em Biodiversidade e Biotecnologia pela UEA.