Tecido Epitelial

Lana Magalhães

O tecido epitelial é formado por células justapostas, ou seja, que estão intimamente unidas umas às outras através de junções intercelulares ou proteínas integrais da membrana.

Funções do Tecido Epitelial

A principal função do tecido epitelial é revestir a superfície externa do corpo, as cavidades corporais internas e os órgãos. Ele também apresenta função secretora.

São funções do tecido epitelial:

  • Proteção e revestimento (pele);
  • Secreção (estômago);
  • Secreção e absorção (intestino);
  • Impermeabilização (bexiga urinária).

A estreita união entre as suas células fazem do tecido epitelial uma barreira eficiente contra a entrada de agentes invasores e a perda de líquidos corporais.

Características do tecido epitelial

  • Células muito próximas, com pouco material extracelular entre elas;
  • Células unidas de forma bem organizada;
  • Possui suprimento nervoso;
  • Não possui vasos (avascular);
  • Alta capacidade de renovação (mitose) e regeneração;
  • Nutrição e oxigenação por difusão pela lâmina basal.

Tipos de Tecido Epitelial

De acordo com a sua função, existem dois tipos de tecido epitelial: de revestimento e glandular. No entanto, pode haver células com função secretora no epitélio de revestimento.

tipos de tecido epitelial
Tipos de tecido epitelial

Tecido epitelial de revestimento

Os epitélios são constituídos por uma ou mais camadas de células com diferentes formas, com pouco ou quase nenhum fluido intersticial (substância entre as células) e vasos entre elas.

Porém, todo epitélio está situado sobre uma malha glicoproteica denominada lâmina basal, que tem a função de promover a troca de nutrientes entre o tecido epitelial e o tecido conjuntivo adjacente.

De acordo com as camadas celulares, os epitélios podem ser classificados em:

  • Epitélio Simples: são formados por uma única camada de células;
  • Epitélio Estratificado: possuem mais de uma camada de células;
  • Epitélio Pseudo-Estratificado: são formados por uma única camada de células, mas possui células de com alturas diferentes, dando a impressão de ser estratificado.

O tecido epitelial da pele humana apresenta células bastante unidas, sendo este um epitélio estratificado.

Isso porque a função da pele é evitar a entrada de corpos estranhos no organismo, agindo como uma espécie de barreira protetora, além de proteger contra o atrito, raios solares e produtos químicos.

Já o tecido epitelial que cobre os órgãos é simples, pois o tecido não pode ser tão espesso devido à necessidade de trocas de substâncias.

Os epitélios também são classificados quanto à forma das células:

  • Epitélio Pavimentoso: possui células achatadas;
  • Epitélio Cúbico: as células apresentam-se em forma de cubo;
  • Epitélio Prismático: as células são alongadas, em forma de coluna;
  • Epitélio de Transição: a forma original das células é cúbica, mas ficam achatadas devido ao estiramento provocado pela dilatação do órgão.

Tecido epitelial glandular

As células do tecido epitelial glandular possuem as mesmas características do epitélio de revestimento, no entanto, ao contrário delas raramente são encontradas em camadas.

Portanto, suas células são muito unidas e geralmente dispostas em um única camada.

Os epitélios glandulares são tecidos com função secretora, que constituem órgãos especializados chamados glândulas.

formação do tecido epitelial
Formação do tecido epitelial

As células epiteliais secretoras são capazes de sintetizar moléculas, a partir de moléculas precursoras menores, ou modificá-las.

As células de secreção também podem estar isoladas entre as células do epitélio de revestimento, ou formando esse epitélio. Por exemplo, revestindo a cavidade do estômago ou parte do aparelho respiratório.

Leia também:

As glândulas e o tecido epitélio granular

A maioria das glândulas do corpo humano são formadas a partir do epitélio glandular. Elas podem ser de dois tipos: exócrinas ou endócrinas.

Nas glândulas endócrinas a ligação com o epitélio de revestimento deixa de existir, as células se reorganizam em folículos (tireoide) ou em cordões (adrenal, paratireoide, ilhotas de Langerhans).

As glândulas exócrinas são formadas de duas partes: uma parte secretora (formada pelas células de secreção) e um ducto excretor (composto de células epiteliais de revestimento).

O ducto lança as secreções dentro de cavidades internas (glândulas salivares) ou para o exterior do corpo (glândulas sudoríparas e sebáceas).

Veja também:

Lana Magalhães
Lana Magalhães
Licenciada em Ciências Biológicas (2010) e Mestre em Biotecnologia e Recursos Naturais pela Universidade do Estado do Amazonas/UEA (2015). Doutoranda em Biodiversidade e Biotecnologia pela UEA.