Tecido Nervoso


O tecido nervoso é um tecido de comunicação, capaz de receber, interpretar e responder aos estímulos.

As células do tecido nervoso são altamente especializadas no processamento de informações.

Os neurônios transmitem os impulsos nervosos e as células da glia atuam junto com eles.

Função

A função do tecido nervoso é fazer as comunicações entre os órgãos do corpo e o meio externo.

Tudo acontece de forma muito rápida. Através dos neurônios, o sistema nervoso recebe estímulos, decodifica as mensagens e elabora respostas.

Por exemplo: o frio (estímulo externo) é recebido pelos receptores da pele, transmitido por neurônios sensitivos e interpretado no sistema nervoso central.

Células Nervosas

As células do tecido nervoso podem ser de dois tipos: neurônios e células gliais.

Representação dos neurônios com sua forma típica estrelada, corpo celular e prolongamentos ramificados. Ao redor, estão células da glia, entre elas o oligodendrócito envolve o axônio.

Representação de um neurônio e de células da glia. Observe o oligodendrócito que envolve o axônio neuronal

Neurônios

Os neurônios transmitem informações através de mediadores químicos, os neurotransmissores, e de impulsos elétricos.

Podemos identificar três regiões na maioria dos neurônios, são elas:

  • Corpo celular: nele se localizam o núcleo e as organelas, por exemplo, mitocôndrias.
  • Axônio: é um prolongamento longo do corpo celular, geralmente único, de espessura constante. É envolvido por macroglias de dois tipos: Oligodendrócitos e Células de Schwann.
  • Dendritos: são prolongamentos curtos do corpo celular, com muitas ramificações que se afinam nas pontas.

Podem ser de vários tipos e classificados da seguinte maneira:

  • Segundo a forma: Neurônios Multipolares, Bipolares e Unipolares
  • Segundo a função: Neurônios Sensitivos, Motores e Integradores

Células da Glia

As células da glia, ou neuróglias, são muito mais numerosas do os neurônios. Sua função é nutrir e proteger o sistema nervoso.

Além disso, ajudam na regulação das sinapses e transmissão dos impulsos elétricos.

Existem dois tipos de células gliais, a saber:

  • Microglias: protegem o sistema nervoso, agindo de forma semelhante aos macrófagos.
  • Macroglias: há quatro subtipos, cada uma com função específica, ajudando na transmissão dos impulsos nervosos. São elas: os astrócitos, os oligodendrócitos, os ependimócitos e as células de Schwann.

Saiba mais sobre as células nervosas: neurônios e células gliais.

Características

O tecido nervoso constitui os órgãos do sistema nervoso, que pode ser classificado em dois:

Sistema Nervoso Central

Corte histológico do cerebelo, com suas reentrâncias. Tem uma camada mais interna, em rosa, que é a substância branca. Mais externamente está a substância cinzenta.

Corte histológico do Cerebelo. Na parte central, em rosa, ficam os prolongamentos dos neurônios formando a substância branca. Na parte externa (córtex) ficam os corpos celulares, formando a substância cinzenta.

Formado pelo encéfalo, que fica dentro da caixa craniana, e pela medula espinhal.

No cérebro e cerebelo, que compõem o encéfalo, os corpos celulares dos neurônios se concentram na região mais externa (córtex) formando a substância cinzenta.

Os prolongamentos (axônios) formam a região mais interna chamada substância branca.

Enquanto que na medula espinhal, a substância branca é mais externa e a cinzenta é interna

Sistema Nervoso Periférico

Formado pelos nervos e gânglios. Os nervos são compostos de fibras nervosas.

As fibras, por sua vez, são constituídas pelos axônios e pelas células de Schwann, que os revestem.

Os gânglios são porções dilatadas dos nervos, onde se concentram corpos celulares dos neurônios.

Impulsos Nervosos e Sinapses

A transmissão do impulso nervoso é a forma de comunicação dos neurônios. Os impulsos são fenômenos de natureza eletroquímica, uma vez que envolvem substâncias químicas e a propagação de sinais elétricos.

As sinapses ocorrem entre os prolongamentos dos neurônios (axônio de uma célula e dendritos da vizinha). Ocorrem devido a substâncias químicas, os mediadores chamados neurotransmissores.

Os sinais elétricos geram um potencial de ação nas membranas dos neurônios, isso quer dizer, que há mudança de cargas elétricas.

Leia também: