Eu e mim: para eu e para mim

Daniela Diana

Eu e mim são pronomes pessoais que possuem a função de substituir o substantivo na frase e indicar qual(is) a pessoa do discurso.

  • O “eu” é um pronome pessoal do caso reto que exerce a função de sujeito ou de predicativo do sujeito.
  • O “mim”, um pronome pessoal do caso oblíquo que exerce a função de complemento verbal ou complemento nominal.

Exemplos:

  • Eu não acredito que consegui passar na entrevista de emprego.
  • Eu gosto mais de viajar para a praia do que para as montanhas.
  • Quando você confiará em mim?
  • Esse presente é para você e para mim.

Importante!

Vale lembrar que o “mim” não conjuga verbo, somente o “eu”. Portanto, nunca devemos usar: “para mim fazer”; “mim começa”; “mim gosta”, etc. O correto é: “para eu fazer”; “eu começo”; “eu gosto”.

Para mim ou para eu: quando usar cada uma delas?

Tanto “para mim” quanto “para eu” são duas formas utilizadas na língua portuguesa, porém em situações diferentes.

  • Para mim: quando exerce a função de objeto indireto na oração, sendo sempre precedido de uma preposição que, nesse caso, é o “para”: comprou para mim; escreveu para mim; etc.
  • Para eu: exerce a função de sujeito da oração, sendo sempre acompanhado de um verbo no infinitivo: para eu comprar; para eu escrever; etc.

Exemplos:

  • Nossa relação está muito pesada para mim.
  • Eles compraram um presente para mim.
  • Tudo no trabalho sobra para eu fazer.
  • Para eu realizar a prova devo estudar mais.

Vídeo sobre para eu e para mim

Confira abaixo o vídeo sobre uma explicação resumida sobre o uso do "para mim" e "para eu".

Para expandir seus conhecimentos sobre o tema, leia também:

Daniela Diana
Daniela Diana
Licenciada em Letras pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) em 2008 e Bacharelada em Produção Cultural pela Universidade Federal Fluminense (UFF) em 2014. Amante das letras, artes e culturas, desde 2012 trabalha com produção e gestão de conteúdos on-line.