Guerras Napoleônicas


Guerras Napoleônicas foram uma série de conflitos entre revolucionários franceses e a monarquia europeia. Foi uma das guerras mais importantes da história e teve início por volta de 1803.

Ao tirar o poder de Luís XVI, Napoleão Bonaparte – revolucionário e herói nacional francês, que seguia o lema prescrito pela Revolução Francesa Liberté, égalité, fraternité (Liberdade, igualdade e fraternidade) pretendia difundir o ideal da revolução francesa e acabar com a monarquia absolutista.

Durante os cerca de 12 anos de ocorrência dos conflitos, foram feitas várias coligações, ou coalizões como também são chamadas, na tentativa de deter Napoleão Bonaparte, o qual foi considerado um gênio militar e o seu exército foi também considerado dos melhores da história, tendo em conta as várias batalhas vencidas no seu comando.

Monarquias Europeias X França Revolucionária

A Primeira Coligação, em que os franceses venceram os austríacos, foi a primeira tentativa de dar o poder novamente a Luís XVI e acabar com a Revolução Francesa. O rei Luís XVI havia fugido de Paris e planejava a contra-revolução, porém, sendo descoberto, foi obrigado a regressar. Este episódio enfraqueceu mais a monarquia, Napoleão Bonaparte intensificou mais o seu poder e a invasão francesa teve início com a assinatura do Tratado de Campoformio.

Tratado de Amiens

A Segunda Coligação, em que novamente a França derrotou seus adversários, foi mais uma tentativa de acabar com a Revolução. Essa guerra terminou com a assinatura de um tratado de paz entre a França e o Reino Unido, o Tratado de Amiens.

Bloqueio Continental

Na Terceira Coligação, os reis da Europa receavam o fim das monarquias e, assim, os adversários franceses continuam a pretender a destruição da economia francesa. Mais uma vez Napoleão venceu e criou o Bloqueio Continental, que consistia em acabar com a economia inglesa ao impor que fossem cortados laços comerciais com a Inglaterra.

Nesta altura, 1804, Napoleão tornou-se imperador da França.

Guerra Peninsular

Ocorrida na Quarta Coligação, essa guerra foi intentada contra Portugal e Espanha.

Em decorrência do Bloqueio Continental, Portugal levou a corte real para o Brasil, transferindo mesmo o seu governo para o Rio de Janeiro, com receio das consequências da decisão de ir contra o novo plano de Bonaparte contra a economia inglesa.

Na Espanha, José Bonaparte – irmão de Napoleão, se torna rei e deixa de existir a Casa Real Espanhola. O povo se revolta e milhares de espanhóis são fuzilados.

Batalha de Borodino

No período da Quinta Coligação, Napoleão dominava praticamente toda a Europa. Nessa altura, entretanto, Napoleão foi vencido pela Rússia na Batalha de Borodino, conhecida como a mais sangrenta das Guerras Napoleônicas e que teve a duração de apenas um dia.

Governo de Cem Dias

Por ocasião da Sexta Coligação, Napoleão assina o Tratado de Fontainebleau - documento em que abre mão do seu governo, e é exilado na Ilha de Elba, de onde consegue fugir, regressando ao poder num governo que dura 100 dias (Governo de Cem Dias).

O exército francês, então, luta contra as forças absolutistas, mas agora com um número reduzido de soldados, os quais são, por fim, derrotados. Chega, assim, o fim das guerras napoleônicas, em 1815.

Mais uma vez exilado, agora na ilha de Santa Helena, Napoleão Bonaparte morre em 1821.

Consequências das Guerras Napoleônicas no Brasil

Quando, devido ao Bloqueio Continental, a corte real teve de se transferir para o Rio de Janeiro, em 1808, o rei D. João VI iniciou um trabalho de estruturação no Brasil, o que começou a propiciar a independência dessa colônia portuguesa.

Foram construídas fábricas, foram criadas universidades, a Biblioteca Real, a Academia de Belas Artes. Com essas estruturas, o Brasil ia se tornando independente da sua colônia.

Alguns problemas que surgiram no Brasil, tais como aumento de impostos e a seca, começaram a criar uma revolta no povo contra o governo do rei D. João VI. Houve combates violentos nesta que é conhecida como a Revolução Pernambucana.

A corte pretendia recolonizar o Brasil e o Partido Brasileiro, que combatia a recolonização, impôs-se. Houve confrontos, até que finalmente, em 1822 é proclamada a Independência do Brasil.

Leia também: