Indicadores ácido-base

Carolina Batista

Indicadores ácido-base são substâncias que, na prática, nos indicam o pH de uma solução pela mudança de coloração.

Quanto mais ácida uma solução, maior a quantidade de íons hidrônio (H3O+) e menor o pH. Por outro lado, quanto menor a concentração dessa espécie, a solução é básica e o pH é elevado.

O ponto de viragem de um indicador representa a faixa de pH em que é perceptível a mudança de cor.

Embora existam aparelhos que medem o pH através da condutividade da solução, os indicadores são muito utilizados pela comodidade e facilidade de manuseio.

O papel tornassol é o mais antigo dos indicadores, mas hoje muitos outros utilizados. Os mais conhecidos são: fenolftaleína, alaranjado de metila e azul de bromotimol.

O indicador universal apresenta o pH em uma ampla faixa de indicação e mudança gradual de cor, pois é composto de uma mistura de indicadores.

Indicador Cor na solução Ponto de viragem

Meio ácido

(pH < 7)

Meio neutro

(pH = 7)

Meio básico

(pH > 7)

Fenolftaleína incolor incolor lilás 8,2 – 10,0
Alaranjado de metila vermelho alaranjado amarelo 3,1 – 4,4
Azul de bromotimol amarelo verde azul 6,0 – 7,6
Tornassol vermelho amarelo azul 5,0 – 8,0
Indicador universal de vermelho a alaranjado amarelo esverdeado de azul a verde

Como funcionam os indicadores ácido-base?

O pH é o potencial hidrogeniônico e a escala de pH, que varia de 0 até 14, é útil para medir quão ácida ou básica é uma solução.

As substâncias utilizadas como indicadores são grandes moléculas orgânicas, naturais ou sintéticas, que possuem o caráter de um ácido fraco ou base fraca.

Se o indicador for um ácido fraco, ele possui uma cor na forma de ácido (HIn), outra cor na forma de base conjugada (In-) e essas espécies estão em equilíbrio químico.

tabela linha com célula com pilha negrito HIn em moldura de caixa com negrito chave inferior abaixo fim da célula mais célula com reto H com 2 subscrito reto O fim da célula arpão para a direita sobre arpão para a esquerda célula com pilha negrito In à potência de negrito menos em moldura de caixa fecha moldura com chave inferior abaixo fim da célula mais linha com célula com 1 ª espaço cor fim da célula blank blank blank célula com 2 ª espaço cor fim da célula blank linha com blank blank blank blank blank blank fim da tabela tabela linha com célula com reto H com 3 subscrito reto O à potência de mais fim da célula linha com blank linha com blank fim da tabela

Ao entrar em contato com uma solução de pH ácido (pH < 7), a concentração de íons hidrônio (H3O+) aumenta e desloca o equilíbrio para esquerda, consumindo-os e formando a espécie HIn para estabelecer um novo equilíbrio conforme o Princípio de Le Chatelier. Por isso, a solução torna-se azul.

Por outro lado, ao estar em solução básica (pH > 7), os íons hidroxila (OH-) da base reagem com os íons hidrônio (H3O+), formando água. Ao aumentar a concentração de água, o sistema reage deslocando o equilíbrio para direita. Sendo assim, mais base conjugada é formada e a solução apresenta cor vermelha.

A mudança de cor de uma substância indicadora ocorre em diferentes faixas de pH. Por isso, ao escolher um indicador, devemos levar em consideração:

  • A diferença da 1ª e 2ª cor para que possamos perceber com facilidade a sua mudança.
  • A mudança de coloração deve ser rápida.

Para que servem os indicadores ácido-base?

Os indicadores servem para mostrar se um material é ácido ou básico, pois só de olharmos não conseguimos fazer essa distinção. Por isso, os indicadores são utilizados para nos dar uma indicação aproximada do pH de uma substância.

Veja a seguir o pH de diferentes materiais que utilizamos no nosso dia a dia.

Escala de pH

Os indicadores mais utilizados no cotidiano são os papéis indicadores de pH, que são impregnados com uma ou mais substâncias indicadoras. Confira onde eles podem ser utilizados.

Medir o pH da piscina

Para garantir que a piscina esteja adequada para ser utilizada, um dos parâmetros a serem medidos é o pH. Isso é necessário para que não causemos danos aos olhos, cabelos e pele.

medir pH da piscina
Fita medidora do pH da piscina.

Para essa finalidade, são comercializados kits, em fitas ou gotas, que verificam o pH da água. No caso da fita, basta mergulhá-la por apenas 2 segundos na água e conferir a coloração na escala disponível na embalagem.

Medir o pH do corpo humano

Nosso corpo tem pH levemente alcalino. Sendo assim, alterações na faixa de pH influenciam no funcionamento do nosso organismo e na manifestação de doenças.

Por isso, pode ser útil medir o pH da urina e da saliva utilizando fitas medidoras. O papel tornassol é um indicador ácido-base que nos dá uma resposta rápida de como anda a saúde do nosso corpo.

pH do corpo
Fita para medir o pH da saliva e da urina.

Medir o pH da saliva é importante para saber como está a saúde bucal. A saliva funciona como solução tampão, diminuindo a acidez da boca para impedir a proliferação de microrganismos que produzem ácidos, ao consumir o açúcar que ingerimos, e que levam ao aparecimento das cáries.

Medir o pH da urina nos indica se o pH do sangue está dentro do limite adequado ou se há algum distúrbio no nosso organismo. Se o pH estiver fora do normal, pode ser que não estejamos nos alimentando corretamente, por exemplo.

Vale lembrar que esses testes são úteis para indicação, mas sozinhos não dizem como está a saúde. Por isso, para qualquer dúvida é recomendável procurar um médico e realizar outros exames.

Exemplos de indicadores ácido-base

Confira as estruturas químicas dos indicadores de pH mais conhecidos.

Fenolftaleína

A fenolftaleína é o indicador mais utilizado em titulações ácido-base.

fenolftaleína

Azul de Bromotimol

Esse indicador é bastante utilizado para determinar o pH de aquários, tanques de peixes e piscinas.

azul de bromotimol

Alaranjado de Metila

Esse indicador é bastante utilizado em titulações ácido-base.

alaranjado de metila

Teste seus conhecimentos sobre pH com questões de vestibulares e gabarito comentado por especialista em: Exercícios sobre pH e pOH.

Carolina Batista
Carolina Batista
Técnica em Química pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco (2011) e Bacharelada em Química Tecnológica e Industrial pela Universidade Federal de Alagoas (2018).