Liberalismo Político


Liberalismo político é um doutrina cuja meta é a proteção da liberdade do indivíduo. Os liberais defendem que o Estado é necessário como meio de proteção do indivíduo, mas não deve prejudicá-lo e nem representar, ele mesmo, um atentado à liberdade.

O liberalismo político como doutrina foi expresso a primeira vez em 1776, por Thomas Paine, em o Senso Comum. A obra aponta que o Estado é, "um mal necessário".

Ainda em o Senso Comum, Paine postula que as instituições como o Judiciário e a polícia são os instrumentos que garantem a liberdade individual, ainda que esse poder coercitivo também represente ameaça individual.

O liberalismo político defende que o Estado deve preservar a liberdade individual, de escolha dos representantes do povo, a igualdade dos indivíduos perante a a eliminação de privilégios. Também defende a liberdade de expressão artística, cultural e religiosa.

A preocupação com a individualidade é a base do liberalismo.

Essa é uma doutrina mutável e susceptível ao meio. Por isso, em cada país, o liberalismo pode ser aplicado e encarado de maneira diferente. Os blocos que mais demonstram essa mudança são os Estados Unidos e a Europa. Em ambos, porém, a garantia da individualidade.

As bases do liberalismo estão na Idade Média. Nesse período histórico, os direitos e responsabilidades do indivíduo eram determinados por um sistema hierárquico estratificado.

As mudanças ocorreram a partir das reflexões do Renascimento no século 16, o que influenciou diretamente na dissolução do feudalismo. A história assiste, depois, a queda do absolutismo e a redução do poder da Igreja Católica.

Assim, o objetivo dos primeiros liberais foi limitar o poder do governo sobre o indivíduo e o manter responsável perante os seus governados.

Leia mais: