Liberalismo

Juliana Bezerra

Liberalismo foi uma doutrina econômica, política e social, que surgiu na Europa, no século XVIII, contra o mercantilismo e a intervenção do Estado na economia.

O liberalismo foi dominante na economia e na política durante o século XIX e caiu em descrédito após a Primeira Guerra Mundial.

Liberalismo Político

O liberalismo político, inicialmente, consistia em criticar a origem divina do poder. Mais tarde, lutou para dar aos cidadãos maior poder de decisão política, como a escolha dos seus representantes.

Jonh Locke

As bases do liberalismo político foram lançadas pelo filósofo inglês, representante do Iluminismo, John Locke (1632-1704), em sua obra “Segundo Tratado do Governo Civil”.

Nela, ele negava a origem divina do poder e defendia que os cidadãos tinham o direito natural à liberdade, à propriedade privada e à resistência contra governos tiranos.

Segundo Locke, o poder provinha dos cidadãos e não de Deus. Por isso, propunha a substituição do absolutismo por uma relação “contratual” entre governadores, devendo as bases desse relacionamento serem estabelecidas por um conjunto de leis escritas, a Constituição.

Liberalismo Econômico

O liberalismo econômico defende a não-intervenção do Estado na economia e a capacidade do mercado se autorregular. Vejamos alguns dos autores mais importantes:

Adam Smith

O liberalismo econômico ganhou contornos definitivos com o economista escocês Adam Smith (1723-1790), considerado sue criador.

Em sua obra “A Riqueza das Nações”, mostrava a divisão do trabalho como elemento essencial para o crescimento da produção e do mercado.

Esse modelo dependia da livre concorrência, que forçaria o empresariado a ampliar a produção, buscando novas técnicas, aumentando a qualidade do produto e baixando ao máximo os custos da produção.

Isso favoreceria a lei natural da oferta e da procura, viabilizando o sucesso econômico geral e a prosperidade de todos. Neste processo, o Estado não deveria intervir, deixando o mercado se regular de forma natural.

David Ricardo

Depois de Adam Smith, o economista inglês, David Ricardo (1772-1823) foi o maior representante da escola liberal também chamada clássica, originada na Inglaterra.

Na obra “Princípios de Economia Política e Tributação”, Ricardo desenvolveu a teoria do valor do trabalho. Nela, defendeu a lei férrea dos salários, segundo a qual o preço da força de trabalho seria sempre equivalente ao mínimo necessário à subsistência do trabalhador.

Em oposição ao Mercantilismo e devido à Revolução Industrial, o Liberalismo Clássico solidifica-se no século XIX, constituindo a ideologia predominante na sociedade ocidental.

Com a rápida expansão do capitalismo, o Liberalismo assumiu formas distintas, valorizadas diferentemente segundo cada país.

No Brasil, um dos partidos que mais defendeu o liberalismo foi a União Democrática Nacional, surgida em 1945.

Para saber mais:

Juliana Bezerra
Juliana Bezerra
Bacharelada e Licenciada em História, pela PUC-RJ. Especialista em Relações Internacionais, pelo Unilasalle-RJ. Mestre em História da América Latina e União Europeia pela Universidade de Alcalá, Espanha.