Ciências humanas e suas tecnologias


Ciências humanas e suas tecnologias é uma das provas que compõem o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

Ela traz 45 questões objetivas de múltipla escolha que valem 100 pontos. Essas questões são distribuídas pelas seguintes disciplinas: História, Geografia, Sociologia e Filosofia.

Os temas são os mais variados e costuma haver destaque para aqueles que sugerem a comemoração de uma data redonda no ano da prova. Em 2018, por exemplo, comemora-se os 200 anos do nascimento de Karl Marx e 100 anos do fim da I Guerra Mundial.

Como esses temas são cobrados no Enem?

Geralmente o Enem questiona algo fazendo uma relação entre esses temas em diferentes momentos históricos.

Como estudar para a prova?

Aqui não vale a pena decorar. É preciso mesmo estudar e estar atualizado. A aprendizagem é contínua e você terá um resultado mais satisfatório se, além de tudo, estiver por dentro das notícias. Por isso, leia, informe-se, assista documentários.

Dicas de estudo

  1. Faça um plano de estudos. Organize-se de forma a ter tempo para estudar toda a matéria pertinente, lembrando que precisa de mais tempo naquelas para as quais tem mais dificuldade.
  2. Escolha um local silencioso e que não o distraia.
  3. Defina os horários em que vai estudar todos os dias e cumpra-o de forma responsável. Não se deixe levar por outras atividades ou distrações.
  4. Faça intervalos entre os estudos. Alongue o corpo e lanche, por exemplo.
  5. Não tente estudar tudo de uma vez, nem deixe de dormir para estudar. O cansaço e o sono apenas prejudicam a sua concentração.
  6. Reserve um dia da semana para o lazer. A sua cabeça precisa descansar.
  7. Aponte as dúvidas e logo que possível, peça explicação para quem sabe.
  8. Resolva provas antigas.

O que estudar?

Dentre os temas mais incidentes nas provas anteriores, podemos destacar:

História

Escravidão

Era Vargas

Ditadura militar

Transição da Idade Média para a Idade Moderna

Chegada da família real portuguesa

Questões de História que caíram no Enem

QUESTÃO 61 (2017) Durante o Estado Novo, os encarregados da propaganda procuraram aperfeiçoar-se na arte da empolgação e envolvimento das “multidões” através das mensagens políticas. Nesse tipo de discurso, o significado das palavras importa pouco, pois, como declarou Goebbels, “não falamos para dizer alguma coisa, mas para obter determinado efeito”.

CAPELATO, M. H. Propaganda política e controle dos meios de comunicação. In: PANDOLFI, D. (Org.). Repensando o Estado Novo. Rio de Janeiro: FGV, 1999.

O controle sobre os meios de comunicação foi uma marca do Estado Novo, sendo fundamental à propaganda política, na medida em que visava

A) conquistar o apoio popular na legitimação do novo governo.
B) ampliar o envolvimento das multidões nas decisões políticas.
C) aumentar a oferta de informações públicas para a sociedade civil.
D) estender a participação democrática dos meios de comunicação no Brasil.
E) alargar o entendimento da população sobre as intenções do novo governo.

Alternativa A: conquistar o apoio popular na legitimação do novo governo.

QUESTÃO 30 (2016) Quando a Corte chegou ao Rio de Janeiro, a Colônia tinha acabado de passar por uma explosão populacional. Em pouco mais de cem anos, o número de habitantes aumentara dez vezes.

GOMES, L. 1808: como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma Corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a história de Portugal e do Brasil. São Paulo: Planeta do Brasil, 2008 (adaptado).

A alteração demográfica destacada no período teve como causa a atividade

A) cafeeira, com a atração da imigração europeia.
B) industrial, com a intensificação do êxodo rural.
C) mineradora, com a ampliação do tráfico africano.
D) canavieira, com o aumento do apresamento indígena.
E) manufatureira, com a incorporação do trabalho assalariado.

Alternativa C: mineradora, com a ampliação do tráfico africano.

Geografia

Geologia

Clima

Geografia urbana

Economia

Demografia

Geopolítica

Questões de Geografia que caíram no Enem

QUESTÃO 69 (2017) O terremoto de 8,8 na escala Richter que atingiu a costa oeste do Chile, em fevereiro, provocou mudanças significativas no mapa da região. Segundo uma análise preliminar, toda a cidade de Concepción se deslocou pelo menos três metros para o oeste. Buenos Aires moveu-se cerca de 2,5 centímetros para oeste, enquanto Santiago, mais próxima do local do evento, deslocou-se quase 30 centímetros para o oeste-sudoeste. As cidades de Valparaíso, no Chile, e Mendoza, na Argentina, também tiveram suas posições alteradas significativamente (13,4 centímetros e 8,8 centímetros, respectivamente).

Revista InfoGNSS, Curitiba, ano 6, n. 31, 2010.

No texto, destaca-se um tipo de evento geológico frequente em determinadas partes da superfície terrestre. Esses eventos estão concentrados em

A) áreas vulcânicas, onde o material magmático se eleva, formando cordilheiras.
B) faixas costeiras, onde o assoalho oceânico recebe sedimentos, provocando tsunamis.
C) estreitas faixas de intensidade sísmica, no contato das placas tectônicas, próximas a dobramentos modernos.
D) escudos cristalinos, onde as rochas são submetidas aos processos de intemperismo, com alterações bruscas de temperatura.
E) áreas de bacias sedimentares antigas, localizadas no centro das placas tectônicas, em regiões conhecidas como pontos quentes.

Alternativa C: estreitas faixas de intensidade sísmica, no contato das placas tectônicas, próximas a dobramentos modernos.

QUESTÃO 78 (2017) A diversidade de atividades relacionadas ao setor terciário reforça a tendência mais geral de desindustrialização de muitos dos países desenvolvidos sem que estes, contudo, percam o comando da economia. Essa mudança implica nova divisão internacional do trabalho, que não é mais apoiada na clara segmentação setorial das atividades econômicas.

RIO, G. A. P. A espacialidade da economia. In: CASTRO, I. E.; GOMES, P. C. C.; CORRÊA, R. L. (Org.). Olhares geográficos: modos de ver e viver o espaço. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012 (adaptado).

Nesse contexto, o fenômeno descrito tem como um de seus resultados a

A) saturação do setor secundário.
B) ampliação dos direitos laborais.
C) bipolarização do poder geopolítico.
D) consolidação do domínio tecnológico.
E) primarização das exportações globais.

Alternativa D: consolidação do domínio tecnológico.

Sociologia

Questões de Sociologia que caíram no Enem

QUESTÃO 88 (2017) A moralidade, Bentham exortava, não é uma questão de agradar a Deus, muito menos de fidelidade a regras abstratas. A moralidade é a tentativa de criar a maior quantidade de felicidade possível neste mundo. Ao decidir o que fazer, deveríamos, portanto, perguntar qual curso de conduta promoveria a maior quantidade de felicidade para todos aqueles que serão afetados.

RACHELS, J. Os elementos da filosofia moral. Barueri-SP: Manole, 2006.

Os parâmetros da ação indicados no texto estão em conformidade com uma

A) fundamentação científica de viés positivista.
B) convenção social de orientação normativa.
C) transgressão comportamental religiosa.
D) racionalidade de caráter pragmático.
E) inclinação de natureza passional.

Alternativa D: racionalidade de caráter pragmático.

QUESTÃO 90 (2017) Art. 231. São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições, e os direitos originários sobre as terras que tradicionalmente ocupam, competindo à União demarcá-las, proteger e fazer respeitar todos os seus bens.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: www.planalto.gov.br. Acesso em: 27 abr. 2017.

A persistência das reivindicações relativas à aplicação desse preceito normativo tem em vista a vinculação histórica fundamental entre

A) etnia e miscigenação racial.
B) sociedade e igualdade jurídica.
C) espaço e sobrevivência cultural.
D) progresso e educação ambiental.
E) bem-estar e modernização econômica.

Alternativa C: espaço e sobrevivência cultural.

Filosofia

Filosofia Clássica - Medieval (ou Escolástica)

Filosofia Moderna - Contemporânea

Questões de Filosofia que caíram no Enem

QUESTÃO 46 (2017) Se, pois, para as coisas que fazemos existe um fim que desejamos por ele mesmo e tudo o mais é desejado no interesse desse fim; evidentemente tal fim será o bem, ou antes, o sumo bem. Mas não terá o conhecimento, porventura, grande influência sobre essa vida? Se assim é, esforcemo-nos por determinar, ainda que em linhas gerais apenas, o que seja ele e de qual das ciências ou faculdades constitui o objeto. Ninguém duvidará de que o seu estudo pertença à arte mais prestigiosa e que mais verdadeiramente se pode chamar a arte mestra. Ora, a política mostra ser dessa natureza, pois é ela que determina quais as ciências que devem ser estudadas num Estado, quais são as que cada cidadão deve aprender, e até que ponto; e vemos que até as faculdades tidas em maior apreço, como a estratégia, a economia e a retórica, estão sujeitas a ela. Ora, como a política utiliza as demais ciências e, por outro lado, legisla sobre o que devemos e o que não devemos fazer, a finalidade dessa ciência deve abranger as das outras, de modo que essa finalidade será o bem humano.

ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. In: Pensadores. São Paulo: Nova Cultural, 1991 (adaptado).

Para Aristóteles, a relação entre o sumo bem e a organização da pólis pressupõe que

A) o bem dos indivíduos consiste em cada um perseguir seus interesses.
B) o sumo bem é dado pela fé de que os deuses são os portadores da verdade.
C) a política é a ciência que precede todas as demais na organização da cidade.
D) a educação visa formar a consciência de cada pessoa para agir corretamente.
E) a democracia protege as atividades políticas necessárias para o bem comum.

Alternativa C: a política é a ciência que precede todas as demais na organização da cidade.

QUESTÃO 55 (2017) Uma questão de tal natureza transforma o ouvinte; o contato de Sócrates paralisa e embaraça; leva a refletir sobre si mesmo, a imprimir à atenção uma direção incomum: os temperamentais, como Alcibíades, sabem que encontrarão junto dele todo o bem de que são capazes, mas fogem porque receiam essa influência poderosa, que os leva a censurarem. É sobretudo a esses jovens, muitos quase crianças, que ele tenta imprimir sua orientação.

BRÉHIER, E. História da Filosofia. São Paulo: Mestre Jou, 1977.

O texto evidencia características do modo de vida socrático, que se baseava na

A) contemplação da tradição mítica.
B) sustentação do método dialético.
C) relativização do saber verdadeiro.
D) valorização da argumentação retórica.
E) investigação dos fundamentos da natureza.

Alternativa B: sustentação do método dialético.

Leia também: