Questões de Sociologia do Enem

Pedro Menezes

A Sociologia é uma importante matéria que compõe a área de Ciências Humanas e suas Tecnologias. A partir de seu estudo, pode-se estabelecer uma forte relação entre as outras disciplinas da área (Filosofia, Geografia e História).

A Sociologia é uma ciência que possui como objeto a sociedade. Seu estudo está diretamente relacionado aos problemas do cotidiano e aparece na prova como forma de interpretação das demandas sociais através de seus conceitos.

As questões a seguir estão divididas entre os principais temas expostos no texto Sociologia no Enem: o que estudar:

  • Cultura
  • Cidadania
  • Movimentos Sociais
  • Política, Estado e Governo
  • Revolução Científica e Industrial
  • Sociedade Contemporânea
  • Teorias Sociológicas

Todas as questões apresentam comentários que podem ajudar o estudante a obter um excelente desempenho.

1. Cultura

1. (Enem/2017) Art. 231. São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições, e os direitos originários sobre as terras que tradicionalmente ocupam, competindo à União demarcá-las, proteger e fazer respeitar todos os seus bens.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: www.planalto.gov.br. Acesso em: 27 abr. 2017.

A persistência das reivindicações relativas à aplicação desse preceito normativo tem em vista a vinculação histórica fundamental entre

A) etnia e miscigenação racial.
B) sociedade e igualdade jurídica.
C) espaço e sobrevivência cultural.
D) progresso e educação ambiental.
E) bem-estar e modernização econômica.

Alternativa correta: C) espaço e sobrevivência cultural.

A) ERRADA. O trecho retirado da Constituição Federal não faz referência à miscigenação racial como um fator benéfico ou de prejuízo às etnias indígenas. Essa relação, portanto, não é o objetivo das reivindicações que utilizam esse trecho como base.

B) ERRADA. É necessário perceber que uma visão de sociedade e igualdade jurídica pode não levar em consideração as características especiais relacionadas às etnias indígenas.

Para que haja justiça é necessário que determinados grupos possam ter suas especificidades respeitadas e assegurado o respeito às diferenças.

C) CORRETA. No trecho da Constituição, o direito ao território (espaço) é apresentado como sendo necessário para a sobrevivência cultural dos povos indígenas.

A perda do direito ao território é compreendida como um risco para a “organização social, costumes, línguas, crenças e tradições” específicos dos distintos grupos.

A proteção da cultura das diversas etnias exige a proteção de seu território. A extinção dos laços com a terra de origem pode causar a perda de costumes e traços que fundamentam a cultura desses grupos indígenas.

D) ERRADA. A ideia de progresso e educação ambiental pode ou não estar relacionada ao respeito à diversidade cultural. No texto, não está em causa a regulamentação dessa vinculação.

E) ERRADA. Do mesmo modo, o que se apresenta na passagem extraída da Constituição não visa estabelecer-se como um preceito normativo à relação entre o bem-estar e a modernização econômica.

A modernização econômica e mesmo a ideia de bem-estar precisam respeitar aos direitos indígenas.

2. Cidadania

2. (Enem/2017) O conceito de democracia, no pensamento de Habermas, é construído a partir de uma dimensão procedimental, calcada no discurso e na deliberação. A legitimidade democrática exige que o processo de tomada de decisões políticas ocorra a partir de uma ampla discussão pública, para somente então decidir. Assim, o caráter deliberativo corresponde a um processo coletivo de ponderação e análise, permeado pelo discurso, que antecede a decisão.

VITALE, D. Jürgen Habermas, modernidade e democracia deliberativa. Cadernos do CRH (UFBA), v. 19, 2006 (adaptado).

O conceito de democracia proposto por Jürgen Habermas pode favorecer processos de inclusão social. De acordo com o texto, é uma condição para que isso aconteça o(a)

A) participação direta periódica do cidadão.
B) debate livre e racional entre cidadãos e Estado.
C) interlocução entre os poderes governamentais.
D) eleição de lideranças políticas com mandatos temporários.
E) controle do poder político por cidadãos mais esclarecidos.

Alternativa correta: B) debate livre e racional entre cidadãos e Estado.

A) ERRADA. A participação do cidadão é uma preocupação no que diz respeito à legitimação do Estado. Entretanto, para o autor, essa participação é contínua, não acontece em períodos específicos.

B) CORRETA. O Pensamento de Habermas é marcado pela chamada democracia deliberativa. Nela, o debate livre e racional entre cidadãos e Estado estabeleceria as bases necessárias para a participação e a cidadania.

C) ERRADA. Para Habermas, a democracia é pautada no poder do povo através da deliberação coletiva em todas as decisões do Estado. Não tem como base a interlocução entre os poderes do governo.

D) ERRADA. Habermas propõe que o amplo debate seja realizado publicamente, e não como reforço da democracia representativa, em que somente os políticos eleitos são os responsáveis por defender os interesses de seus eleitores.

E) ERRADA. O autor propõe o esclarecimento dos cidadãos para que todos possam agir criticamente e não uma sofocracia (governo dos mais sábios).

3. (Enem/2017) A participação da mulher no processo de decisão política ainda é extremamente limitada em praticamente todos os países, independentemente do regime econômico e social e da estrutura institucional vigente em cada um deles. É fato público e notório, além de empiricamente comprovado, que as mulheres estão em geral sub-representadas nos órgãos do poder, pois a proporção não corresponde jamais ao peso relativo dessa parte da população.

TABAK, F. Mulheres públicas: participação políticas e poder. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2002.

No âmbito do Poder Legislativo brasileiro, a tentativa de reverter esse quadro de sub-representação tem envolvido a implementação, pelo Estado, de

A) leis de combate à violência doméstica.
B) cotas de gênero nas candidaturas partidárias.
C) programas de mobilização política nas escolas.
D) propagandas de incentivo ao voto consciente.
E) apoio financeiro às lideranças femininas.

Alternativa correta: B) cotas de gênero nas candidaturas partidárias.

A) ERRADA. As leis de combate à violência doméstica visam reparar um outro efeito de uma cultura centrada na figura masculina. Estudos mostram que a violência contra a mulher tem como um dos fundamentos o desenvolvimento cultural que tradicionalmente buscou subordinar as mulheres em relação aos homens.

B) CORRETA. As cotas de gênero nas eleições são uma política compensatória que visa democratizar o acesso aos cargos tradicionalmente exercidos por homens.

O Brasil apresenta uma baixa representatividade feminina no governo. No ranking a partir de um relatório da ONU de 2019 sobre a participação feminina no governo, o Brasil encontra-se em 149º lugar entre 188 países. A participação de mulheres na política é aproximadamente de 9% o que é um número muito contrastante em relação à população, que é composta por cerca de 52% de mulheres.

C) ERRADA. A mobilização política nas escolas, apesar de sua importância para a politização dos estudantes, não garante a democratização e a participação feminina na política.

D) ERRADA. Os programas de incentivo ao voto consciente também fazem parte da resolução da questão, mas não atingem diretamente a participação feminina.

E) ERRADA. O Estado brasileiro não possui esse tipo de programa.

3. Movimentos Sociais

4. (Enem/2016) A democracia deliberativa afirma que as partes do Conflito político devem deliberar entre si e, por meio de argumentação razoável, tentar chegar a um acordo sobre as políticas que seja satisfatório para todos. A democracia ativista desconfia das exortações à deliberação por acreditar que, no mundo real da política, onde as desigualdades estruturais influenciam procedimentos e resultados, processos democráticos que parecem cumprir as normas de deliberação geralmente tendem a beneficiar os agentes mais poderosos. Ela recomenda, portanto, que aqueles que se preocupam com a promoção de mais justiça devem realizar principalmente a atividade de oposição crítica, em vez de tentar chegar a um acordo com quem sustenta estruturas de poder existentes ou delas se beneficia.

YOUNG, I. M. Desafios ativistas à democracia deliberativa Revista Brasileira de Ciência Política, n. 13, jan-abr. 2014.

As concepções de democracia deliberativa e de democracia ativista apresentadas no texto tratam como imprescindíveis, respectivamente,

A) a decisão da maioria e a uniformização de direitos.
B) a organização de eleições e o movimento anarquista.
C) a obtenção do consenso e a mobilização das minorias.
D) a fragmentação da participação e a desobediência civil.
E) a imposição de resistência e o monitoramento da liberdade.

Alternativa correta: C) a obtenção do consenso e a mobilização das minorias.

A) ERRADA. No texto, a autora afirma que a democracia deliberativa pautada na decisão da maioria tende a apresentar-se como uma ferramenta de manutenção do poder revestido de uma aparência democrática.

Sendo assim, a uniformização dos direitos imporia às minorias uma adequação injusta ao status quo.

B) ERRADA. A democracia deliberativa vai muito além da mera organização de eleições, propõe o debate político acerca das decisões a serem tomadas. Por outro lado, a democracia ativista não está inscrita necessariamente em um movimento anarquista. Ela pretende-se um modo de oposição crítica ao sistema vigente, tendo em vista a justiça social.

C) CORRETA. A obtenção do consenso parece ser o grande objetivo da democracia deliberativa. Entretanto, para Iris Marion Young o consenso pode ser uma ferramenta de exclusão das minorias. O modo tradicional de perceber o consenso dentro das democracias tende a impossibilitar certas mudanças advindas das lutas de grupos minoritários.

Com isso, a autora pretende que através da mobilização das minorias dentro da democracia ativista seja um caminho para se atingir a justiça social.

D) ERRADA. Ainda que a desobediência civil historicamente tenha servido como uma ferramenta de negociação e tenha trazido à luz das deliberações algumas questões sensíveis, a fragmentação da participação tende a perpetuar o poder vigente. A participação fragmentada e desorganizada não encontra força de mobilização para as mudanças desejadas.

E) ERRADA. Tanto a ideia de imposição de qualquer tipo como a ideia de monitoramento da liberdade ferem os princípios democráticos construídos sobre uma base que preza a autonomia dos indivíduos e seu direito de livre organização.

4. Política, Estado e Governo

5. (Enem/2018) A tribo não possui um rei, mas um chefe que não é chefe de Estado. O que significa isso? Simplesmente que o chefe não dispõe de nenhuma autoridade, de nenhum poder de coerção, de nenhum meio de dar uma ordem. O chefe não é um comandante, as pessoas da tribo não têm nenhum dever de obediência. O espaço da chefia não é o lugar do poder. Essencialmente encarregado de eliminar conflitos que podem surgir entre indivíduos, famílias e linhagens, o chefe só dispõe, para restabelecer a ordem e a concórdia, do prestígio que lhe reconhece a sociedade. Mas evidentemente prestígio não significa poder, e os meios que o chefe detém para realizar sua tarefa de pacificador limitam-se ao uso exclusivo da palavra.

CLASTRES, P. A sociedade contra o Estado. Rio de Janeiro. Francisco Alves, 1982 (adaptado).

O modelo político das sociedades discutidas no texto contrasta com o do Estado liberal burguês porque se baseia em:

A) Imposição ideológica e normas hierárquicas.
B) Determinação divina e soberania monárquica.
C) Intervenção consensual e autonomia comunitária.
D) Mediação jurídica e regras contratualistas.
E) Gestão coletiva e obrigações tributárias.

Alternativa correta: C) Intervenção consensual e autonomia comunitária.

ERRADA. A imposição ideológica e normas hierárquicas não fazem parte das características sociais apresentadas no texto.

Isso fica claro no trecho "(...)o chefe não dispõe de nenhuma autoridade, de nenhum poder de coerção, de nenhum meio de dar uma ordem.”

B) ERRADA. Não há no texto uma referência a determinação divina do papel do rei. Pelo contrário, afirma que o chefe da tribo não atua como rei. Diferenciando-se da concepção presente na monarquia absolutista.

C) CORRETA. A tribo é gerida de forma a respeitar a autonomia de seus indivíduos. As possíveis intervenções do chefe se realizam pelo seu reconhecimento como indivíduo de saber, mas não possui um caráter legislador.

Por outro lado, o Estado liberal burguês é caracterizado pela representação das leis e seu aspecto normativo.

D) ERRADA. O conceito de mediação jurídica pressupõe a existência de um Estado, negado pelo texto.

E) ERRADA. Ainda que possa haver uma gestão coletiva da vida social, o texto não faz menção a nenhum tipo de obrigação dos indivíduos para com a comunidade.

5. Revolução Científica e Industrial

6. (Enem/2016) Quanto mais complicada se tornou a produção industrial, mais numerosos passaram a ser os elementos da indústria que exigiam garantia de fornecimento. Três deles eram de importância fundamental: o trabalho, a terra e o dinheiro. Numa sociedade comercial, esse fornecimento só poderia ser organizado de uma forma: tornando-os disponíveis à compra. Agora eles tinham que ser organizados para a venda no mercado. Isso estava de acordo com a exigência de um sistema de mercado. Sabemos que em um sistema como esse, os lucros só podem ser assegurados se se garante a autorregulação por meios de mercados competitivos interdependentes.

POLANYI, K. A grande transformação: As origens de nossa época. Rio de Janeiro: Campus, 2000 (Adaptado).

A consequência do processo de transformação socioeconômica abordada no texto é a

A) expansão das terras comunais.
B) limitação do mercado como meio de especulação.
C) consolidação da força de trabalho como mercadoria.
D) diminuição do comércio como efeito da industrialização.
E) adequação do dinheiro como elemento padrão das transações.

Alternativa correta: C) consolidação da força de trabalho como mercadoria.

A) ERRADA. No texto, o autor chama a atenção para a mudança ocorrida pelo processo de industrialização e o estabelecimento de uma economia de mercado. Nesse contexto, não há a expansão de terras comuns, que remetem ao período feudal.

B) ERRADA. A marca do período é o justo oposto, é a grande expansão do mercado e não a sua limitação.

C) Com o processo de industrialização, todos os elementos da produção tornam-se propriedade e passam a ser precificados. Da mesma forma, a força de trabalho passa a ser compreendida ser precificada de acordo com as regras do mercado, consolidando-se como mercadoria.

D) ERRADA. A industrialização tende a expandir as relações comerciais, e não a diminuir.

E) ERRADA. No texto, afirma que mesmo o dinheiro deve estar adequado ao novo contexto produtivo.

6. Sociedade Contemporânea

7. (Enem/2016) Hoje, a indústria cultural assumiu a herança civilizatória da democracia de pioneiros e empresários, que tampouco desenvolvera uma fineza de sentido para os desvios espirituais. Todos são livres para dançar e para se divertir, do mesmo modo que, desde a neutralização histórica da religião, são livres para entrar em qualquer uma das inúmeras seitas. Mas a liberdade de escolha da ideologia, que reflete sempre a coerção econômica, revela-se em todos os setores como a liberdade de escolher o que é sempre a mesma coisa.

ADORNO, T HORKHEIMER, M. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

A liberdade de escolha na civilização ocidental, de acordo com a análise do texto, é um(a)

A) legado social.
B) patrimônio político.
C) produto da moralidade.
D) conquista da humanidade.
E) ilusão da contemporaneidade.

Alternativa correta: E) ilusão da contemporaneidade.

A) ERRADA. A liberdade de escolha não se apresenta como um legado social pois foi é uma apropriação de uma classe dominante.
Essa classe inscreve dentro de sua ideologia as escolhas a serem realizadas gerando uma falsa sensação de liberdade.

B) ERRADA. A política se apresenta como um campo de disputa ideológico entre a ideologia dominante (hegemonia) e ações que realizam uma força antagônica (contra-hegemonia). A liberdade de escolha pode estar condicionada a essa disputa, não como um patrimônio, e sim como um momento.

C) ERRADA. A própria moralidade, assim como a liberdade, está condicionada a estrutura vigente por seu caráter cultural. A moral é uma construção pautada pelo hábito (costumes) de uma cultura em um tempo.
Para os autores, a moral deve estar orientada pela liberdade e não o contrário.

D) ERRADA. A humanidade se desenvolveu de forma a priorizar a atividade econômica. Com isso, a liberdade encontra-se subordinada às relações econômicas. As escolhas realizadas pelos sujeitos estão restritas a sua capacidade de consumir.

E) CORRETA. Para os autores, os indivíduos têm suas vidas cooptadas pela indústria cultural. Isto afeta todo o modo de viver, desumaniza os indivíduos e os transformam em aparelhos para a manutenção do sistema.
Essa coerção constante tende a ser amenizada ou camuflada pela ilusão de liberdade. A coerção não ocorre pela limitação das ações individuais como em outros períodos históricos, mas sim pelo controle das possibilidades escolha.
Os indivíduos são livres para escolher entre padrões de vida previamente determinados pelo sistema.

8. (Enem/2013) Vida social sem internet?

Charge de blog

A charge revela uma crítica aos meios de comunicação, em especial à internet, porque

A) questiona a integração das pessoas nas redes virtuais de relacionamento.
B) considera as relações sociais como menos importantes que as virtuais.
C) enaltece a pretensão do homem de estar em todos os lugares ao mesmo tempo.
D) descreve com precisão as sociedades humanas no mundo globalizado.
E) concebe a rede de computadores como o espaço mais eficaz para a construção de relações sociais.

Alternativa correta: a) questiona a integração das pessoas nas redes virtuais de relacionamento.

A) CORRETA. As relações do mundo de hoje se realizam em dois meios: o offline (relações tradicionais baseadas na convivência, e o online (relações e interações mediadas pelas redes sociais da internet). A tirinha questiona a supervalorização dos relacionamentos online em relação à vida offline.

As novas possibilidades de interação não substituem as anteriores. É preciso haver um trabalho educativo para que as pessoas possam, de fato, se apropriar das novas ferramentas de modo consciente e crítico.

B) ERRADA. Na verdade, a crítica apresentada na tirinha é inversa a essa alternativa, que diz que as interações sociais também são muito importantes.

As relações estabelecidas em um meio virtual são uma nova realidade e compõem um novo cenário social. Entretanto, é importante perceber o caráter multidimensional das relações humanas, sem sublimar uma forma de relação em detrimento da outra.

C) ERRADA. Sob a pretensão de estar em todos os lugares ao mesmo tempo, os indivíduos podem estar restritos apenas à atuação no mundo virtual. O espaço online da vida humana é caracterizado, para além da velocidade da troca de informação, pela mediação e controle por parte de grandes empresas e um forte apelo ao consumo.

D) ERRADA. A sociedade no mundo globalizado possui um caráter multidimensional, não se resume apenas em relações online e offline.

E) ERRADA. Um dos novos desafios impostos à sociedade está relacionado ao equilíbrio entre a atuação na rede e fora dela. É necessário perceber que é um momento de transição para uma nova perspectiva. Com isso, é necessário estar consciente de quais novidades representam verdadeiramente um avanço e quais podem ser apenas “efeitos colaterais” que devem ser controlados.

7. Teorias Sociológicas

9. (Enem/2016) A sociologia ainda não ultrapassou a era das construções e das sínteses filosóficas. Em vez de assumir a tarefa de lançar luz sobre uma parcela restrita do campo social, ela prefere buscar as brilhantes generalidades em que todas as questões são levantadas sem que nenhuma seja expressamente tratada. Não é com exames sumários e por meio de intuições rápidas que se pode chegar a descobrir as leis de uma realidade tão complexa. Sobretudo, generalizações às vezes tão amplas e tão apressadas não são suscetíveis de nenhum tipo de prova.

DURKHEIM, E. O suicídio: estudo de sociologia. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

O texto expressa o esforço de Émile Durkheim em construir uma sociologia com base na

A) vinculação com a filosofia como saber unificado.
B) reunião de percepções intuitivas para demonstração.
C) formulação de hipóteses subjetivas sobre a vida social.
D) adesão aos padrões de investigação típicos das ciências naturais.
E) incorporação de um conhecimento alimentado pelo engajamento político.

Alternativa correta: D) adesão aos padrões de investigação típicos das ciências naturais.

A) ERRADA. O que Durkheim pretende é, justamente, a separação do saber da sociologia, do saber filosófico. Para ele, a validade da sociologia depende de sua independência frente a outros saberes.

B) ERRADA. A sociologia pretende-se uma ciência baseada em dados empíricos e métodos para a sua análise.

C) ERRADA. Os fatos sociais devem ser estudados de maneira objetiva. Os objetos de estudos das ciências sociais devem ser tratados de forma semelhante aos objetos de outras ciências.

D) CORRETA. Para Durkheim, o método científico deve ser o mesmo, independente da área de atuação. Os fatos sociais (coisas) devem ser analisados com o mesmo distanciamento e imparcialidade que os objetos de estudo das ciências naturais.

E) ERRADA. Para o autor, a sociologia como ciência tem a obrigatoriedade de ser imparcial. Por isso, o engajamento político, por sua parcialidade, inviabilizaria um projeto de construção científica.

10. Enem/2017) A moralidade, Bentham exortava, não é uma questão de agradar a Deus, muito menos de fidelidade a regras abstratas. A moralidade é a tentativa de criar a maior quantidade de felicidade possível neste mundo. Ao decidir o que fazer, deveríamos, portanto, perguntar qual curso de conduta promoveria a maior quantidade de felicidade para todos aqueles que serão afetados.

RACHELS, J. Os elementos da filosofia moral. Barueri-SP: Manole, 2006.

Os parâmetros da ação indicados no texto estão em conformidade com uma

A) fundamentação científica de viés positivista.
B) convenção social de orientação normativa.
C) transgressão comportamental religiosa.
D) racionalidade de caráter pragmático.
E) inclinação de natureza passional.

Alternativa correta: D) racionalidade de caráter pragmático.

A) ERRADA. A visão positivista pressupõe a possibilidade de um método científico para a validade de um processo. O texto toma como valor fundamental a felicidade.

A felicidade não tende a ser um valor passível de quantificação através de um método, e sim do ponto de vista de oposição ao sofrimento.

Por isso, não podemos associar uma visão positivista à ideia de “maior quantidade de felicidade”.

B) ERRADA. A afirmação contida no texto não se trata de uma convenção social, mas de uma norma que deve partir do próprio indivíduo enquanto ser social.

C) ERRADA. Por se tratar de um período com forte influência iluminista, há uma cisão com a moralidade fundamentada teologicamente. A proposta é sustentada sem nenhuma relação com a religião.

D) CORRETA. Os ideais iluministas trazem consigo a racionalidade e a Razão como força revolucionária ou de negação à perspectiva medieval de submeter a razão à fé.

O pensador inglês Jeremy Bentham (1748-1832), defensor do utilitarismo, propõe que a racionalidade esteja ancorada em sua relação com a prática e a utilidade, reforçando o caráter pragmático da razão.

E) ERRADA. Apesar da felicidade remeter às emoções e poder ser compreendida em seu aspecto passional. A perspectiva assumida no texto possui um caráter unicamente racional. Não se trata de uma concepção baseada em inclinações ou fundamentadas na subjetividade, e sim como um universal racional.

Vai fazer o Enem? O Toda Matéria tem outros textos que podem te ajudar:

Pedro Menezes
Pedro Menezes
Licenciado em Filosofia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e Mestrando em Ciências da Educação pela Universidade do Porto (FPCEUP).