Filosofia da Ciência

Juliana Bezerra

A Filosofia da Ciência é o ramo que reflete e questiona a ciência e o saber científico.

A Ciência se ocupa de problemas específicos dos fenômenos naturais enquanto a filosofia se encarrega de estudar os problemas gerais.

No entanto, em última análise, o estudo de ambos não é contraditório e sim complementário.

Dentre as principais questões que ocupam a Filosofia da Ciência podemos destacar:

  • Qual é a especificidade da Ciência?
  • Qual é o seu valor?
  • Para que serve a ciência?
  • Quais o limites da ciência?

Ciência

A palavra Ciência vem do latim, scientia, que pode ser traduzida por conhecimento, sabedoria.

A Ciência seria a busca pelo conhecimento de forma sistemática, formulando suas explicações através de leis científicas e matemáticas.

Muitas vezes, a pesquisa científica gera mais perguntas que respostas. Como observou o dramaturgo inglês Bernard Shaw:

"A ciência nunca resolve um problema sem criar, pelo menos, dez outros."

Campo Científico

A Ciência limita o seu campo de estudo aos fenômenos regulares e busca classificá-los. Desta maneira está apta a formular enunciados generalizadores – as leis científicas – que explicam estes mesmos fenômenos.

Exemplo: chuva.

O fenômeno chuva pode ser observado em quase todas as partes do globo. O cientista questiona como se forma a chuva pela observação, sua regularidade e características.

Assim, elabora teorias sobre sua origem, buscando explicações na própria natureza e sem atribuir a algum ser exterior - deus, mitos - a ocorrência da chuva.

Após as pesquisas está apto para descrever o fenômeno chuva com dados físicos, químicos e matemáticos: evaporação, condensação e precipitação. Classificar os tipos de nuvens, também de chuvas e elaborar uma lei científica sobre o assunto.

Transitoriedade das Teorias Científicas

As leis científicas, contudo, não são imutáveis nem eternas. Com o avanço na própria pesquisa científica, as leis que foram formuladas em uma determinada época, podem ser revistas e desacreditadas em outra.

Exemplo: Criacionismo.

Por séculos, no mundo ocidental, a única explicação possível para o surgimento do Universo era que ele fora criado por Deus.

Com o surgimento das teorias evolucionistas de Charles Darwin (1809-1892) passou a se questionar esta teoria. Novas possibilidades foram levantadas: a criação do cosmos teria durado bilhões de anos e não dias. A própria criação do homem foi revista ao ser elaborada a teoria do parentesco entre o ser humano e os símios.

Método Científico

Para que um fenômeno seja cientificamente aceito é preciso que ele seja submetido ao método científico.

A sistematização do conhecimento científico tal como o definimos hoje surgiu com René Descartes (1596-1650). Ele elaborou o método científico ou cartesiano. Leia mais sobre o Método Científico.

Esta metodologia serviu para que os fenômenos naturais pudessem ser explicados com outra linguagem que não a teológica.

Desta maneira, a partir de Galileu Galilei (1564-1654), se pretende um conhecimento específico e quantitativo. Em outras palavras, a ciência só aceitaria aquilo que pode ser comprovado através das repetições das experiências e dos cálculos matemáticos.

Origem da Filosofia da Ciência

A Filosofia da Ciência surge como um ramo distinto do saber no final do século 18 e se consolida no século 19.

Estamos no contexto da Revolução Industrial, das expedições científicas na América, na busca por entender o funcionamento da natureza.

Desta forma surgem duas proposições de como o ser humano deve ser aproximar da natureza. Nietzsche (1844-1900) defendia que só é possível conhecer a natureza pela força e dominação. Todo conhecimento implicaria em poder.

Porém, o filósofo J. Bronowski (1908-1974) defendia o contrário:

"O homem domina a natureza não pela força, mas pela compreensão."

Desta maneira, passamos para uma questão extremamente relevante que os cientistas se confrontam no seu cotidiano. Para que serve o conhecimento científico? Como se deve empregá-lo? Abaixo refletiremos sobre estas perguntas.

Limites da Ciência

A Filosofia da Ciência também questiona a utilidade da Ciência. Sabemos que algumas pesquisas científicas podem levar tanto à melhoria da qualidade de vida quanto à destruição. Este campo da filosofia da ciência é chamado de ética científica.

Exemplo: DNA

Com a decodificação do DNA e dos genes na década de 50 abriu-se um vasto campo na Biologia e na Medicina. Doenças incuráveis puderam ser contornadas desde a concepção. No entanto, essas mesmas informações podem levar a uma espécie de seleção natural ao serem descobertas doenças genéticas ainda incuráveis.

Conclusão

A Filosofia da Ciência se ocupa de questionar todos os aspectos do trabalho científico: desde a pesquisa até sua utilidade.

O que distingue a Ciência dos demais campos do saber é o método científico que deve ser conduzido de maneira rigorosa e imparcial.

Longe de ser um campo estático, a Ciência questiona seus fundamentos e leis já elaboradas.

Principais Filósofos da Ciência

Leia aqui sobre a vida e as ideias dos principais estudiosos que refletiram sobre a Filosofia da Ciência.

Leia mais:

Juliana Bezerra
Juliana Bezerra
Bacharelada e Licenciada em História, pela PUC-RJ. Especialista em Relações Internacionais, pelo Unilasalle-RJ. Mestre em História da América Latina e União Europeia pela Universidade de Alcalá, Espanha.