Nicolau Copérnico

Rosimar Gouveia

Nicolau Copérnico, um dos pais da astronomia moderna, nasceu em Tourum, na Polônia, em 19 de fevereiro de 1473. Seu nome de batismo era MIkolaj Kopernik.

Copérnico era monge, matemático e astrônomo. É autor da Teoria Heliocêntrica, segundo a qual o Sol é o centro do sistema solar.

Até então, a Igreja Católica – que controlava o poder religioso, político e econômico na Idade Média – adotava a Teoria Geocêntrica, em que a Terra era o centro do universo.

Essa teoria tinha como base os estudos de Aristóteles e foi elaborada por Cláudio Ptolomeu, um astrônomo e geógrafo do século II. Por isso, também era chamada de Teoria Ptolomaica.

Biografia

Nicolau Copérnico
Nicolau Copérnico: o filósofo do firmamento

Nicolau Copérnico ficou órfão aos 10 anos de idade e foi criado por seu tio materno Lucas Watzelrode, que se tornou mais tarde bispo de Ermland.

Entrou em 1491 na Universidade de Cracóvia, onde estudou artes liberais e também Matemática e Astronomia.

Mais tarde estudou grego na Universidade de Bolonha. Frequentou ainda a universidade de Pádua onde se formou em Medicina e da universidade de Ferrara recebeu o título de Doutor em Direito Canônico.

Retornou em 1501 à Polônia, local em que assumiu as funções de cônego de Franenburg e onde exerceu também a medicina.

Trabalhando de maneira paralela como astrônomo, construiu um precário observatório para estudar o movimento dos corpos celestes.

Os resultados, contudo, só eram apresentados para amigos que receberam em 1507 um modelo cosmológico, mas nada era oficial.

Em 1515 começou a escrever sua principal obra “De Revolutionibus Orbium Coelestium”, que só foi publicada no ano de sua morte.

Teoria Heliocêntrica

Em sua obra, Copérnico afirma que a Terra não está fixa no centro do universo, e sim girando em uma órbita circular ao redor do Sol, assim como os demais planetas.

Apesar do erro com relação à órbita circular dos planetas, a sua teoria heliocêntrica abriu caminho para a busca de uma maior compreensão do universo.

Deduziu, após sucessivos cálculos matemáticos, que é a Terra o corpo celeste que executa um movimento completo em torno do próprio eixo, explicando o porquê do dia e da noite.

Copérnico também ordenou os planetas por suas distâncias em relação ao Sol e concluiu que quanto menor a órbita, maior a velocidade orbital.

Para saber mais, leia também Geocentrismo.

Órbitas dos planetas
Descrição das órbitas dos planetas

Principal Obra

As teorias de Nicolau Copérnico só foram apresentadas em 1530 em um manuscrito chamado “Revolutionibus Orbium Coelestium – Das Revolução dos Corpos Celestes”.

A publicação só foi permitida em 1540, sob a responsabilidade de George Joaquim Rhäticus, discípulo de Copérnico.

Foi somente em 1543, que Rhäticus conseguiu permissão de Copérnico para imprimir e fazer circular em Nuremberg a obra completa de seu mestre. Apresentada de maneira científica e não mais como uma hipótese.

O prefácio da publicação era de autoria do papa Paulo III, mas fora substituído por outro, assinado por Andreas Osiander. Nela, ele apontava a teoria de Copérnico ainda como uma hipótese.

Dividida em seis volumes, a obra apontava que todos os planetas, inclusive a Terra, giravam em torno do próprio eixo e ao redor do Sol.

Os historiadores não têm consenso se Copérnico conseguiu ver o primeiro volume da obra “Das Revoluções dos Corpos Celestes”. A impressão ocorreu no ano de sua morte, em 24 de maio de 1543.

A Santa Inquisição

Os estudos de Copérnico demoraram 30 anos e sua prudência era justificada também pelas constantes condenações da Igreja a quem questionasse suas doutrinas oficiais.

Em geral, as condenações resultavam em morte sob a acusação de heresia pela Inquisição.

Os questionamentos à teoria que colocava a Terra no centro do Universo eram um embate direto ao pensamento religioso. Isso tirou, além do planeta, o próprio homem do centro do universo.

Entre os principais dogmas da Igreja Católica está o de que o homem é feito à imagem e semelhança de Deus, estando, portanto, no centro do universo.

Somente 20 anos após a divulgação dos primeiros comentários de Copérnico, que o frade dominicano Giordano Bruno revelou seus estudos sobre o universo infinito. Ele foi condenado à morte pela inquisição.

O estudioso Galileu Galilei – que viveu entre 1564 e 1642 – conseguiu comprovar a Teoria Heliocêntrica de Nicolau Copérnico. Galileu, porém, negou os estudos por receber ameaça de excomunhão e morte pela Santa Inquisição.

Mais tarde, Isaac Newton (1642 a 1727), explicou a base física da gravitação dos planetas ao redor do Sol.

Ainda assim, o Vaticano manteve a ideia do geocentrismo até 1835. O Papa Gregório XVI mandou retirar a obra das Revoluções dos Corpos Celestes da lista dos livros censurados pela Santa Sé e admitiu o erro dos antecessores.

Frases

  • "Saber que sabemos o que sabemos, e saber que não sabemos o que não sabemos, esta é a verdadeira sabedoria".
  • "Não estou tão encantado com minhas próprias opiniões para ignorar o que os outros possam pensar delas".
  • "A ciência é filha da verdade e não da autoridade"

Leia também sobre Aristóteles.

Rosimar Gouveia
Rosimar Gouveia
Bacharelada em Meteorologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) em 1992, Licenciada em Matemática pela Universidade Federal Fluminense (UFF)em 2006 e Pós-Graduada em Ensino de Física pela Universidade Cruzeiro do Sul em 2011.