Questões sobre Absolutismo

Juliana Bezerra

O Absolutismo e a formação do Estado Moderno é um assunto essencial para entender o mundo atual.

Por isso é um tema que é muito trabalhado em sala de aula e cobrado nas provas de história. Pensando nisso, montamos dez questões com gabarito comentado para você se preparar.

Bons estudos!

Nível Fácil

Questão 1

O apogeu do absolutismo ocorreu em meados do século XVII, sendo a França o país onde melhor se manifestou esse tipo de governo, que priorizava:

a) A concentração dos poderes na mão do rei.
b) A divisão de poderes em três: Executivo, Legislativo e Judiciário.
c) A figura da Igreja acima de todas as instituições políticas.
d) A prática de eleições livres.

Alternativa correta: a) A concentração dos poderes na mão do rei.

b) ERRADA. A divisão dos poderes em três seria defendida pelos iluministas no séc. XVIII.
c) ERRADA. A igreja, no absolutismo, não estava acima das instituições políticas, mas era uma grande aliada da monarquia.
d) ERRADA. As eleições livres só ocorreriam no século XIX em alguns poucos países.

Questão 2

Com o declínio do mundo feudal, as relações comerciais aumentaram e a necessidade de expandir os mercados consumidores também. Começaram, então, a expansão comercial e a busca de metais preciosos no mundo. Esta prática econômica recebeu o nome de:

a) Socialismo
b) Liberalismo
c) Mercantilismo
d) Feudalismo

Alternativa correta: c) Mercantilismo

O Mercantilismo foi o nome de práticas econômicas do séculos XVI e XVII que valorizavam a atividade comercial, a balança comercial favorável e o acúmulo de metais.

a) ERRADA. O socialismo foi criado nos séculos XVIII e XIX.
b) ERRADA. Embora, tenha elementos do mercantilismo, o Liberalismo só foi sistematizado no século XVIII.
d) ERRADA. O feudalismo, como o próprio enunciado da questão diz, estava em decadência e não se encaixa com a descrição.

Questão 3

O absolutismo inglês ocorreu durante o reinado da dinastia Tudor que foi marcado por:

a) Ao fortalecimento do poder real e da nobreza, em detrimento da burguesia.
b) A submissão da Igreja ao poder real através da criação da Igreja Anglicana.
c) Supremacia inglesa na Europa e na colonização americana.
d) Aumento das funções do parlamento.

Alternativa correta: b) A submissão da Igreja ao poder real através da criação da Igreja Anglicana.

A ruptura do rei Henrique VIII e a Igreja Católica se deu por motivos pessoais, o divórcio de Catarina de Aragão, e políticos. Sobre este campo, destacamos que o rei não podia controlar a Igreja Católica, pois o chefe supremo desta é o Papa. Dessa forma, com a criação da Igreja Anglicana, esta passa a estar submetida ao rei.

a) ERRADA. A nobreza perdeu espaço na política inglesa e a burguesia ascendeu socialmente.
c) ERRADA. A supremacia inglesa na Europa só chegaria no século XVIII, mas a colonização americana, aconteceu nesta época.
d) ERRADA. O parlamento não teve nenhum aumento de função na época dos Tudor.

Nível Médio

Questão 4

“A palavra “absolutismo” descreve os governos monárquicos nos qual o poder do rei, por não sofrer grandes limitações ou restrições, é considerado absoluto. (...) Porém, apesar de centralizado e forte, o poder absolutista era limitado”.

(Adaptado do site “Tudo é História” https://sites.google.com/site/historia1958/orientacoes-aos-alunos-sobre-a-mostra-cultural-35-anos-da-emef-sebastiana-cobra).

Quais eram as limitações do rei absolutista?

a) Os senhores feudais e seus exércitos particulares.
b) As minorias religiosas e os ministros.
c) Os costumes, a Igreja Católica e o Parlamento.
d) Os privilégios da nobreza e as corporações de ofício.

Alternativa correta: c) Os costumes, a Igreja Católica e o Parlamento. O poder absoluto encontrava limites, justamente, em quem apoiava o rei, como os costumes e a Igreja Católica. No caso da Inglaterra, ainda havia que lidar com o Parlamento.

a) ERRADA. Estes foram os grupos mais prejudicados durante a decentralização monárquica.
b) ERRADA. Os ministros poderiam limitar o poder do rei, mas as minorias religiosas, na Idade Moderna, não eram consideradas e os ministros.
d)ERRADA. Os privilégios da nobreza eram um limite para o poder do rei, mas não as corporações de ofício que começaram a perder espaço diante da liberalização econômica.

Questão 5

É impossível pensar o Absolutismo sem mencionar o Mercantilismo. A união entre os dois pensamentos, um político e outro econômico, fez surgir o Estado Moderno.

Qual alternativa NÃO resume a relação entre ambos?

a) Com o absolutismo, os burgueses puderam contar com uma legislação unificada que garantia a centralização de impostos, estímulo ao comércio e uma única moeda em todo território.
b) As práticas mercantilistas privilegiavam o monopólio comercial e a busca de metais que ajudaram os monarcas absolutistas a consolidar seu poder frente à nobreza tradicional.
c) O mercantilismo representou a valorização da atividade agrícola, que possibilitou o soberano apoiar-se na nobreza feudal para fortalecer seu poder.
d) O Absolutismo e Mercantilismo andaram juntos, pois a centralização política beneficiava aos negócios da burguesia e o rei poderia contar com a financiação desta para seus projetos de expansão territorial.

Alternativa correta: c) O mercantilismo representou a valorização da atividade agrícola, que possibilitou o soberano apoiar-se na nobreza feudal para fortalecer seu poder.

O mercantilismo era o conjunto de práticas que valorizava a atividade comercial e o absolutismo se apoiou na burguesia para consolidar seu poder.

Questão 6

Durante a monarquia absoluta vivia-se a arte barroca que se encaixou no projeto político dos soberanos. Diante desta informação, observe atentamente a imagem abaixo:

Luís XIV
Luis XIV, rei da França, François José Hyacinthe Rigaud (1701)

Assinale alternativa que melhor expressa a relação entre o barroco e o Absolutismo.

a) O exagero, as formas curvas e a religiosidade foram usados para exaltar a figura do rei.
b) O barroco foi um movimento estritamente religioso que não ocorreu nos palácios.
c) As mensagens dualistas do barroco como o sofrimento/redenção, tristeza/alegria, pecado/redenção foram empregados somente pelos reis da Península Ibérica para exaltar a figura real.
d) A monarquia francesa foi a única a encomendar quadros grandiosos a fim de perpetuar a imagem do monarca.

Alternativa correta: a) O exagero, as formas curvas e a religiosidade foram usados para exaltar a figura do rei.

b) ERRADA. O barroco também foi adotado nos palácios, assim como nas igrejas.
c) ERRADA. A mensagem dual do barroco foi usada em toda Europa e nas Américas, e não somente na Península Ibérica.
d) ERRADA. Todas as monarquias encomendaram obras de arte para exaltarem a si mesmas.

Nível difícil

Questão 7

O rompimento do mundo feudal provocou o surgimento dos “Estados Modernos” na Europa ocidental nos séculos XV e XVIII.

Assinale a alternativa que o descreve corretamente:

a) Ascensão da burguesia industrial no poder, acompanhada de liberalização econômica e descentralização administrativa.
b) Centralização administrativa, seguida da formação de uma burocracia e montagem de um exército nacional, em detrimento dos corpos armados feudais.
c) Auxílio à produção industrial por parte do Estado através da eliminação das taxas feudais e, por consequência, ajuda às artes por meio do mecenato.
d) Desenvolvimento da economia agrária, onde a burguesia e o apoio popular jogou um papel fundamental.

Alternativa correta: b) Centralização administrativa, acompanhada da formação de uma burocracia e da montagem de um exército nacional, em detrimento dos corpos armados feudais.

a) ERRADA. Os fenômenos descritos só ocorreriam no século XIX.
c) ERRADA. A industrialização aconteceria a partir do século XVIII, embora tenha ocorrido a eliminação das taxas feudais e o mecenato da arte por parte dos reis.
d) ERRADA. A atividade econômica da burguesia era o comércio e as finanças (bancos).

Questão 8

Quem quiser praticar a bondade em tudo o que faz está condenado a penar, entre tantos que não são bons. É necessário, portanto, que o príncipe que deseja manter-se aprenda a agir sem bondade, faculdade que usará ou não, em cada caso, conforme seja necessário. […]

MAQUIAVEL.O príncipe.Apud: ARANHA, Maria Lucia de Arruda. Maquiavel – A lógica da força. São Paulo: Moderna, 1993.

A citação acima demonstra que:

a) O governante absolutista deveria se colocar acima do Bem e do Mal se quisesse dirigir a República.
b) O dirigente era livre para agir como desejasse, sem medo à represálias.
c) Maquiavel aconselha que o príncipe deveria estar preparado para a guerra, se esta fosse para o bem do seu país.
d) O autor explica que o líder não deve agir conforme seus sentimentos e sim de maneira objetiva.

Alternativa correta: d) O autor explica que o líder não deve agir conforme seus sentimentos e sim de maneira objetiva.

a) ERRADA. O governante não precisaria, necessariamente, colocar-se acima do Bem e do Mal. Bastava usá-los conforme seus interesses.
b) ERRADA. Maquiavel defende esta ideia no livro, mas não neste trecho, por tanto a alternativa está errada.
c) ERRADA. Também não há nada na citação que apoie esta ideia.

Questão 9

Durante os séculos XVI e XVII, a França foi marcada pelas lutas religiosas entre calvinistas e católicos. A alternativa encontrada pelo governo real foi criar uma política que extinguisse as crises motivadas por estas questões, consagrada através do Edito de Nantes, promulgado em 1598.

Assinale a alternativa correta sobre o Edito de Nantes.

a) Concedia liberdade de culto aos protestantes, com o objetivo de eliminar os conflitos provocados pela intolerância religiosa.
b) Regularizou a situação das minorias religiosas na França como judeus e protestantes.
c) Deu prioridade aos calvinistas para aceder a cargos públicos e educar seus filhos em escolas protestantes em detrimento dos católicos.
d) Extinguiu a Igreja Católica na França provocando o fechamento de escolas religiosas e mosteiros.

Alternativa correta: a) concedia liberdade de culto aos protestantes, com o objetivo de eliminar os conflitos provocados pela intolerância religiosa.

O Edito de Nantes foi essencial para conciliar católicos e protestantes. Perdurou por quase um século e foi revogado por Luís XIV, em 1685, reiniciando as perseguições aos huguenotes.

a) ERRADA. O Edito de Nantes dizia respeito somente aos protestantes da França e não aos judeus.
b) ERRADA. Esta lei garantiu a igualdade entre católicos e protestantes, por isso os católicos não foram prejudicados.
c) ERRADA. O documento dizia respeito às relações sociais entre católicos e protestantes, e não ao fechamento da Igreja Católica.

Questão 10

Nada havendo de maior sobre a terra, depois de Deus, que os príncipes soberanos, e sendo por Ele estabelecidos como seus representantes para governarem os outros homens, é necessário lembrar-se de sua qualidade, a fim de respeitar-lhes e reverenciar-lhes a majestade com toda a obediência, a fim de sentir e falar deles com toda a honra, pois quem despreza seu príncipe soberano despreza a Deus, de Quem ele é imagem na terra.

BODIN, Jean. Les six livres de la Republique (Os seis livros da República). Paris: Fayard, 1986. Apud: CHEVALLIER, Jean-Jacques. As grandes obras políticas de Maquiavel a nossos dias. Rio de Janeiro: Agir, 1976.p. 60-1

Para Jean Bodin, o soberano absolutista deveria:

a) Tomar como exemplo os soberanos da Antiguidade para aprender a governar sua nação.
b) Aproximar-se da religião a fim de ser capaz de governar a partir dos ensinamentos bíblicos.
c) Ser duro com aqueles que fizessem oposição à sua pessoa e ao governo.
d) Entender as necessidades do povo e satisfazê-las como um meio de garantir a paz.

Alternativa correta: b) Aproximar-se da religião a fim de ser capaz de governar a partir dos ensinamentos bíblicos.

Jean Bodin, teórico do Absolutismo, indica que o monarca deve ser submisso a Deus, pois foi Ele que o colocou no trono. Sendo assim, o caminho para ser um bom rei passa pela religião.

a) ERRADA. O trecho não menciona os soberanos da Antiguidade.
c) ERRADA. Bodin, nesta citação, não deixa claro qual seria a melhor atitude para aqueles que faziam oposição ao governo.
d) ERRADA. A noção de povo, como entendemos hoje, não existia nesta época e normalmente, não entrava em consideração.

Temos mais textos sobre o assunto para você:

Juliana Bezerra
Juliana Bezerra
Bacharelada e Licenciada em História, pela PUC-RJ. Especialista em Relações Internacionais, pelo Unilasalle-RJ. Mestre em História da América Latina e União Europeia pela Universidade de Alcalá, Espanha.