Sincretismo

Juliana Bezerra

O sincretismo se caracteriza pela união de elementos culturais, religiosos e ideológicos distintos que formarão uma nova cultura, religião ou sociedade.

O sincretismo religioso consiste na presença de um ritual, ideia, organização, símbolos ou objetos artísticos originários de uma religião e que são incorporadas à outra.

Sincretismo religioso

O ser humano usa elementos do seu meio-ambiente e de sua cultura para homenagear os seus deuses ou deus. Sendo assim, não existe uma religião pura ou que não houvesse mescla de cultos já existentes.

Por isso, podemos afirmar que em todas as religiões encontramos traços de sincretismo religioso.

Vejamos alguns exemplos:

O cristianismo nasceu do judaísmo, e um dos pilares desta crença, a Torá, faz parte do conjunto de livros sagrados cristãos, a Bíblia. Igualmente, a grande festa judaica, a Páscoa, está presente no cristianismo, após ser ressignificada pelos cristãos.

Da mesma forma, a Igreja Católica tomou elementos da administração o Império Romano absorvendo sua organização. Um exemplo é a instituição de um líder máximo, o Pontífice. Este título, no entanto, vem da religião politeísta romana e pertencia ao sacerdote de mais prestígio do Colégio Pontifical.

A mistura de elementos pode ser observada em todas as religiões existentes, pois não existe uma religião pura.

O candomblé também é uma religião sincretizada. Na África, cada tribo cultuava somente um orixá, mas aqui no Brasil, como várias nações se misturaram, o jeito foi louvar o maior número possível de orixás para que todos se sentissem acolhidos.

Sincretismo religioso no Brasil

As características da colonização portuguesa deram origem ao sincretismo religioso brasileiro.

Um dos objetivos das grandes navegações era cristianizar os povos que fossem encontrados nos novos territórios. Desta maneira, os indígenas foram os primeiros a serem catequizados.

A fim de explicar-lhes a doutrina cristã, os padres jesuítas utilizavam elementos culturais indígenas. Isto deu origem, por exemplo, a lendas inventadas pelos religiosos que foram incorporadas ao repertório indígena, como a do Aó-aó.

Os negros africanos escravizados passaram pelo mesmo processo, que deram origem ao candomblé, religião afro-brasileira. Ao chegar na colônia reviveram seus rituais, símbolos e festas que faziam na África, porém adaptando-as à realidade da América. Um exemplo seriam as oferendas aos orixás que passaram a incorporar alimentos locais.

Além disso, intimidados pelos castigos, muitas pessoas escravizadas abraçavam a religião católica aparentemente, mas mantinham o culto a seus orixás. Assim começou a identificação entre os santos católicos e orixás, as procissões do padroeiro com as festas para suas divindades, entre outras práticas.

Baiana diante da igreja do Senhor do Bonfim durante a lavagem das esadarias
A Lavagem da escadaria do Senhor do Bonfim, em Salvador/BA, é uma festa sincrética no Brasil

Não foi somente as religiões africanas que foram sincretizadas. Atualmente, observamos que existe sincretismo religioso entre as igrejas neopentecostais brasileiras, o catolicismo e as religiões afro-brasileiras.

Certas igrejas neopentecostais brasileiras utilizam práticas católicas como bênçãos de objetos como sal grosso, rosas e copos d'água com o propósito de transmitir a graça aos fiéis. Igualmente, quando se referem ao demônio, citam erroneamente os orixás do candomblé e entidades da umbanda.

Percebemos, assim, que o sincretismo religioso é largamente estendido no País.

Sincretismo na Umbanda

A Umbanda é uma religião brasileira, de matriz africana, onde ocorre diversos sincretismos.

Esta crença tem elementos do kardecismo, do candomblé, da religião indígena, do catolicismo, entre outros cultos. O sincretismo ocorre tanto em nível doutrinal com elementos do monoteísmo, reencarnação e figuras a serem cultuadas, como no aspecto exterior, pois suas celebrações ocorrem numa Casa ou Terreiro.

Veja também: Umbanda

Sincretismo cultural

O sincretismo cultural ou mestiçagem cultural é um termo utilizado para explicar as sociedades que foram criadas na América Latina.

Estas sociedades nasceram da união de culturas ameríndias, europeias e africanas, e cada um delas tinha sua particularidade. Afinal, nesses grupos há muitas diferenças.

No entanto, podemos argumentar que este termo poderia ser utilizado também para as sociedades europeias. Tomemos o exemplo da França que era habitada pelos gauleses e outros povos, que se fundiram ao Império Romano. Mais tarde, adotaram o cristianismo, abrigaram judeus e um sem fim de povos que deram como resultado o povo francês.

Importante lembrar, que assim como as religiões, não existe raça pura e nem povo puro.

Sincretismo estético

O sincretismo estético consiste no cruzamento de várias influências artísticas e culturais que vão gerar um novo movimento artístico.

Geralmente, se trata do período quando está sendo gestado um novo movimento artístico, como é o caso do pré-modernismo brasileiro, na década de 10. Este período não é considerado um movimento artístico independente porque sofre influência de várias escolas como o Neo-Realismo, Neo-Parnasianismo, Neo-Simbolismo.

Na década de 20, essas características já tinham sido absorvidas e formado aquilo que se consolidou como Modernismo Brasileiro.

Temos mais textos sobre o assunto para você:

Juliana Bezerra
Juliana Bezerra
Bacharelada e Licenciada em História, pela PUC-RJ. Especialista em Relações Internacionais, pelo Unilasalle-RJ. Mestre em História da América Latina e União Europeia pela Universidade de Alcalá, Espanha.