Botulismo


O botulismo é uma doença rara causada por bactéria. O agente etiológico é o Clostridium botulinum.

Essa bactéria é encontrada no solo e em alimentos de origem vegetal e animal. Ela libera neurotoxinas (toxinas que atacam os neurônios) que podem ser letais, causando um forte envenenamento por meio de seus esporos.

BotulismoBactéria Clostridium botulinum

O diagnóstico da doença é realizado pelo exame físico, avaliando os sintomas que a pessoa apresenta.

Além disso, o exame de sangue e de fezes pode indicar a presença de esporos dessa bactéria no corpo.

Saiba mais sobre Bactérias.

Transmissão

A transmissão do botulismo acontece principalmente pelo consumo de alimentos contaminados e água não tratada. Além disso, a bactéria causadora pode atingir o corpo por meio de ferimentos.

Note que o botulismo não é uma doença contagiosa, e por isso não é transmitida entre pessoas.

Tipos

Há diversos tipos de botulismo, a saber:

  • Botulismo infantil: também chamado de botulismo de lactante ou botulismo intestinal, esse tipo da doença atinge bebês com menos de um ano de vida. A bactéria alcança o sistema gastrointestinal, causando dores abdominais e constipação.

BotulismoCriança com botulismo

  • Botulismo alimentar: transmitido por alimentos contaminados, sobretudo os enlatados (em conserva) que estão vencidos, por exemplo, carnes, palmito, picles, mel, etc. Isso porque essa bactéria em forma de bastonetes pode sobreviver em ambientes com pouco oxigênio (bacilo anaeróbico).

BotulismoLata de conserva vencida e enferrujada

  • Botulismo das feridas: lesões na pele podem ser favoráveis para a contaminação da bactéria que causa o botulismo. Por meio das toxinas liberadas, esse tipo pode causar graves infecções na pele. Os usuários de drogas injetáveis estão altamente propensos à contaminação.

BotulismoFeridas causadas pelo botulismo

Botulismo Canino

O botulismo canino pode se manifestar em animais domésticos como os cães. Esses animais contraem a doença pelo consumo de alimentos enlatados, lixo, água contaminada e carcaças de animais mortos.

Os sintomas são bem semelhantes aos dos humanos, por exemplo, a paralisia facial, fraqueza e dificuldade de engolir. Na maior parte dos casos, os cães morrem.

Botulismo Bovino

O botulismo em ruminantes, também chamado de "doença da vaca caída", atinge o sistema nervoso central do animal causando a paralisia.

Isso geralmente ocorre nos momentos em que esses animais ingerem os esporos da bactéria causadora da doença em pastagens.

O botulismo bovino também pode ocorrer com a ingestão de água contaminada ou ainda devido às condições do ambiente em que vivem. No Brasil, ele tem sido uma das principais causas de mortes dos bovinos.

Sintomas

BotulismoJovem com botulismo

Os sintomas do botulismo podem surgir 18 horas após ser contaminado. Isso vai depender da quantidade de toxina presente no corpo. Os principais sintomas são:

  • Fraqueza facial
  • Caimento das pálpebras
  • Visão turva e dupla
  • Tontura
  • Paralisia
  • Constipação e dificuldade para urinar
  • Cólicas abdominais
  • Náuseas e vômitos
  • Boca seca
  • Dificuldade para engolir ou falar
  • Dificuldade de respirar

Tratamento

A bactéria causadora do botulismo possui um período de incubação de até 10 dias. Na maior parte dos casos, a recuperação do paciente é lenta e pode levar semanas.

O tratamento do botulismo é feito por meio de medicações que combatem as toxinas da bactéria causadora, chamados de antibotulínicos.

Por se tratar de uma doença grave e muitas vezes fatal, o portador deve permanecer em repouso e em observação. Na maioria dos casos, a pessoa permanece internada no hospital.

Dependendo dos casos, pode ser recomendada a ingestão de alimentos por veias (intravenosa), uma vez que o doente tem dificuldade de respirar e falar.

Ademais, aparelhos que facilitem a respiração podem ser recomendados por especialistas.

Vale lembrar que se não for tratado, o botulismo pode levar à morte dos infectados. As complicações mais comuns que levam aos óbitos dos pacientes são: insuficiência respiratória (paralisia dos músculos respiratórios), asfixia, acometimento do sistema nervoso e infecções.

Prevenção

A profilaxia da doença é feita evitando o consumo de alimentos enlatados, principalmente daqueles que estão fora do prazo de validade.

O mel é um dos mais perigosos, e, portanto, crianças com menos de 1 ano devem evitar o consumo desse alimento.

Se consumir, você deve verificar a procedência do produto, as condições da embalagem, por exemplo latas enferrujadas.

É recomendado cozinhar esses alimentos, posto que altas temperaturas eliminam a bactéria. Além disso, a ingestão de água tratada é essencial.

Se quiser saber mais sobre doenças, leia também os artigos: