Como fazer um poema

Daniela Diana

Fazer um poema pode ser um grande desafio para diversas pessoas, uma vez que a produção desse tipo de texto não é muito explorada na escola ou mesmo nos concursos e vestibulares.

Entretanto, uma coisa é certa: todos temos um grande potencial criativo que muitas vezes não é explorado. Pense nisso e confira abaixo as dicas e um passo a passo para fazer um poema.

1. Busque inspiração

Para fazer um poema é muito importante estar inspirado e para isso, a leitura de outros poemas podem ajudar nessa empreitada. Conhecer os clássicos da literatura (Camões, Shakespeare, Dante, Cervantes, Machado de Assis, etc) é muito importante, no entanto, não necessariamente precisamos nos ater a isso para buscar nossa inspiração.

Assim, escolha dentre todos os tipos de poemas e autores, aquele que mais te inspira. Tente ler um soneto, um poema contemporâneo, um haicai, um auto, etc. A diversidade pode ser essencial para começar essa trajetória.

Cada um tem sua maneira de se inspirar, seja ouvindo uma música, caminhando ao ar livre, vendo obras de artes plásticas, fazendo artesanato, etc. O importante nesse primeiro momento é saber o que te inspira e buscar essa inspiração.

2. Explore todos os sentidos

Junto à dica dada acima, podemos explorar os cinco sentidos do ser humano. Isso porque o poema é uma forma literária que nasce muitas vezes da nossa interação com o mundo, e as sensações, associadas aos sentidos, pode nos ajudar bastante nessa empreitada.

Na parte da visão podemos ver obras de arte, ou mesmo algo simples da nossa janela: uma pessoa, uma árvore, um carro passando. Junto à isso, podemos pensar nos sons que se produzem no mundo, seja pela água correndo na torneira, o som dos pássaros lá fora, ou mesmo das crianças brincando na rua.

Sentir alguns cheiros que nos dão prazer, como o café passando, o cheiro da chuva, pode ser interessante para começar a criação. Não se esqueça que o paladar e o tato também fazem parte. Então, aguce também esses dois sentidos, que pode ser comendo ou bebendo algo prazeroso e sentindo as texturas das coisas.

Uma dica muito interessante é colocar uma venda nos olhos e tentar reproduzir (através de palavras) os objetos tocados, ou mesmo, os sabores provados.

3. Escolha um tema para o poema

Após esse momento inicial de busca e encontro com a inspiração, chegou a hora de escolher o tema. Ele é essencial para começar a pensar nas palavras e no que se pretender dizer.

Nesta fase, vamos explorar aquilo que chamados de “estrutura interna” e que diz respeito ao conteúdo, o assunto do poema. Pode ser algo recente pelo qual você passou, algum momento importante que teve com os amigos, com a família, ou mesmo sobre algum objeto que você gosta bastante.

Não se esqueça, tudo é válido e os poetas possuem “licença poética” para explorar esse mundo da maneira que lhes apetece.

Alguns temas para abordar em poemas são:

  • amor
  • morte
  • saudade
  • solidão
  • vida
  • mundo
  • ser/existência
  • alma
  • sonho
  • amigos
  • pais
  • sociedade
  • política
  • erotismo
  • natureza
  • velhice
  • juventude
  • viagem
  • liberdade
  • literatura

Para ver alguns exemplos de poemas, veja também:

4. Defina a estrutura externa do poema

Quando se fala em estrutura do poema estamos nos referindo à “estrutura externa”, ou seja, os aspectos formais da obra poética, tais como: os tipos de versos, de estrofe, o esquema de rimas, etc.

Assim, depois de definir o conteúdo do poema, chegou a hora de decidir se você prefere fazer um soneto com métrica, ou um poema contemporâneo em que os versos e as estrofes sejam livres.

Não pense que todos os poemas são estáticos, que possuem rima, ou que usam palavras muito difíceis. Isso é a maior das mentiras! Os poemas podem ser livres, possuir um número de estrofes pequeno (ou grande) e conter uma linguagem informal.

Saiba mais sobre os poemas de forma fixa.

5. Fuja dos clichês

Não tem nada mais desagradável do que ler algo com frases consideradas clichês. Ou seja, aquelas que com o passar do tempo foram muito repetidas e perderam sua originalidade. Além de frases, podemos pensar também no clichê de ideias que, da mesma forma, foram repetidas excessivamente.

É muito comum encontrarmos os clichês numa linguagem coloquial, como, por exemplo, a expressão: “fechar com chave de ouro”.

Assim, se a ideia é produzir um poema único e que fuja do “lugar-comum” evite os clichês. Lembre-se que, na literatura, o grande problema dos clichês é que eles demonstram a falta de originalidade dos poetas e não é isso que você quer né?

6. Conheça as figuras de linguagem

As figuras de linguagem são recursos estilísticos muito importantes nos poemas. Elas auxiliam na construção de um texto mais expressivo oferecendo uma carga emocional maior.

Por mais que você não conheça todas as figuras de linguagem, elas são usadas diariamente sem você se dar conta, por exemplo, numa conversa informal com os amigos.

Algumas muito utilizadas nos poemas são: a metáfora, a hipérbole, a sinestesia, a antítese e a personificação. Então, antes de começar a escrita, conheça melhor as figuras que você pode utilizar e deixar seu poema ainda mais interessante.

Veja aqui as todas as figuras de linguagem com exemplos.

7. Comece a rascunhar

Rascunhar as ideias pode ser uma boa oportunidade de separar “o joio do trigo”. Ninguém começa escrevendo algo definitivo, sem que passe por uma mudança. Isso é extremamente normal.

Por isso, nessa fase, é essencial “jogar” tudo ali no papel ou na tela do computador. Lance frases e palavras que sejam inspiradoras e que podem conter uma carga emocional grande para você.

Um exercício legal é fazer uma “nuvem de palavras” ou mesmo, colocar algumas em um saco e chacoalhar. Gradualmente, você pode ir tirando e anotando as eleitas.

8. Produza sua arte final

Chegou a hora de produzir, de modo mais definitivo, o seu poema. De maneira muito clichê: “é a hora de colocar a mão na massa”.

Se você sente que ainda é cedo, volte as etapas anteriores e analise se alguma delas não ficou muito clara e precisa ser aprofundada. O importante é não se sentir pressionado, deixar a coisa fluir naturalmente.

Com calma vá unindo os “pedacinhos” e faça um belo mosaico poético. Um erro muito comum é pensar que um poema precisa ter muitas linhas, ser super longo.

O Haicai, por exemplo, é uma forma poética composta de 3 versos. Se acha melhor ir por esse caminho, primeiramente, então, faça isso.

O importante é não se desesperar. Se escolheu muitos temas e está se perdendo em todos, prefira focar em um deles de cada vez.

9. Releia tudo pausadamente

Depois da produção, chegou a hora de revisar o texto. A revisão final é muito importante, visto que algum termo pode ter sido escrito com erro, ou mesmo pode ter faltado algum sinal importante de pontuação. Para isso, leia pausadamente e, se possível, faça isso em voz alta.

Se preferir, pode também ler para alguém da família, amigos, vizinhos, etc. Os comentários recebidos podem ser valiosos para ir aprimorando cada vez mais a produção dos textos poéticos.

Ter esse olhar “de fora” também pode nos ajudar a perceber se a ideia ficou bem esclarecida, se está produzindo uma mensagem inteligível para o receptor. No entanto, não se afete e se retraia com as críticas, pois elas são construtivas e nos ajudam a melhorar.

Se esse foi o primeiro poema que você fez, não se preocupe se algo ficou esquecido. O importante é continuar aprendendo e se inspirando. A maestria vem com o tempo. Depois do primeiro, você sentirá que cada dia ficará mais tranquilo e natural esse processo.

Para saber mais sobre o tema, veja os textos:

Daniela Diana
Daniela Diana
Licenciada em Letras pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) em 2008 e Bacharelada em Produção Cultural pela Universidade Federal Fluminense (UFF) em 2014. Amante das letras, artes e culturas, desde 2012 trabalha com produção e gestão de conteúdos on-line.