Romantismo: Características e Contexto Histórico

Daniela Diana
Daniela Diana
Professora licenciada em Letras

O romantismo é um movimento artístico e cultural que privilegia as emoções, a subjetividade e o individualismo.

Contrário ao objetivismo e as tradições clássicas de perfeição, ele apresenta uma visão de mundo centrada no ser humano com destaque para as sensações humanas e a liberdade de pensamento.

O romantismo surgiu na Europa no século XVIII no contexto da revolução industrial e do iluminismo, movimento intelectual e filosófico baseado na razão. Ele durou até meados do século XIX, quando começa o realismo.

Rapidamente, esse estilo chegou a outros países inspirando diversos campos da arte: literatura, pintura, escultura, arquitetura e música.

No Brasil, o movimento romântico começa em meados do século XIX, anos depois da independência do país (1822) com a publicação da obra Suspiros poéticos e saudades, de Gonçalves de Magalhães, em 1836.

Contexto histórico

Como escola literária, as bases do sentimentalismo romântico e do escapismo pelo suicídio foram estabelecidas pelo romance "Os sofrimentos do jovem Werther", de Goethe, publicado na Alemanha em 1774.

Os sofrimentos do jovem Werther
Primeira edição da obra Os Sofrimentos do Jovem Werther (1774), livro que deu início ao movimento romântico

Na Inglaterra, o Romantismo se manifesta nos primeiros anos do século XIX, com destaque para a poesia ultrarromântica de Lord Byron e para o romance histórico Ivanhoé, de Walter Scott.

Também figuram entre as primeiras obras do início da revolução romântica na Europa os livros Manon Lescut, do árabe Prévost (1731), e a História de Tom Joses, de Henry Fielding (1749).

O romance, contudo, já era utilizado no Império Romano, cuja palavra romano era aplicada para designar as línguas usadas pelos povos sob o seu domínio. Tais idiomas eram, na verdade, uma forma popular do latim.

As composições de cunho popular e folclórico escritas em latim vulgar, em prosa ou em verso e que relatavam fantasias e aventuras, também eram chamadas de romance.

E foi no século XVIII, que tomou o sentido atual, após passar pelas formas de "romance de cavalaria, romance sentimental, romance pastoral", na Europa. O romance pode ser considerado o sucessor da epopeia.

Principais características

Na literatura, as principais características do romantismo são:

  • Oposição ao modelo clássico;
  • Estrutura do texto em prosa, longo;
  • Desenvolvimento de um núcleo central;
  • Narrativa ampla refletindo uma sequência de tempo;
  • O indivíduo passa a ser o centro das atenções;
  • Surgimento de um público consumidor (folhetim);
  • Uso de versos livres e versos brancos;
  • Exaltação do nacionalismo, da natureza e da pátria;
  • Idealização da sociedade, do amor e da mulher;
  • Criação de um herói nacional;
  • Sentimentalismo e supervalorização das emoções pessoais;
  • Subjetivismo e egocentrismo;
  • Saudades da infância;
  • Fuga da realidade.

Oposição ao Clássico

No início, todos os movimentos em oposição ao clássico eram considerados românticos. Dessa maneira, os modelos da Antiguidade Clássica foram substituídos pelos da Idade Média quando surgiu a burguesia.

A arte, que antes era de caráter nobre e erudita, passa a valorizar o folclórico e o nacional. Ela extrapola as barreiras impostas pela Corte e começa a ganhar a atenção do povo.

A arte romântica, ao romper as muralhas da Corte e ganhar as ruas, liberta-se das exigências dos nobres que pagavam sua produção e passa a ter um público anônimo. É o surgimento do público consumidor, impulsionado no Brasil pelo folhetim, uma literatura mais acessível.

Na prosa, o aspecto formal do Classicismo é deixado de lado. O mesmo ocorre com a poesia, com os versos livres, sem métrica e sem estrofação. A poesia também é caracterizada pelo verso branco, sem rima.

Confira na tabela abaixo as diferenças entre o Classicismo e o Romantismo:

Romantismo: Características e Contexto Histórico

Leia também asCaracterísticas do Classicismo

Nacionalismo

Os românticos pregam o nacionalismo, incentivam a exaltação da natureza pátria, o retorno ao passado histórico e na criação do herói nacional.

Na literatura europeia, os heróis nacionais são belos e valentes cavaleiros medievais. Na brasileira são os índios, igualmente belos, valentes e civilizados.

A natureza também é exaltada no Romantismo. Está é vista como uma extensão da pátria ou refúgio à vida agitada dos centros urbanos do século XIX. A exaltação à natureza ganha contornos de prolongamento do escritor e de seu estado emocional.

Sentimentalismo Romântico

Entre as marcas principais do Romantismo estão o sentimentalismo, a supervalorização das emoções pessoais, o subjetivismo e egocentrismo. É dessa maneira que os poetas se colocavam como o centro do universo.

Dentro de um universo particular, o poeta sente a derrota do ego, produz frustração e tédio. São características do movimento romântico: as fugas da realidade por meio do abuso de álcool e ópio, a idealização da mulher, da sociedade e do amor bem como a saudade da infância e a busca constante por casas de prostituição.

Romantismo em Portugal

Os primeiros anos do Romantismo português coincidem com as lutas civis entre liberais e conservadores. A renúncia de Dom Pedro ao trono brasileiro e sua luta pelo trono de Portugal ao lado dos liberais, veio intensificar esses conflitos.

O romantismo literário em Portugal tem como marco inicial a publicação, em 1825, do poema Camões, escrito por Almeida Garrett. A obra foi produzida durante seu exílio em Paris.

Em Portugal, o movimento romântico esteve dividido em 2 fases:

  1. Primeira geração romântica: fase nacionalista
  2. Segunda geração romântica: fase de maturidade

Autores e obras do romantismo em Portugal

  • Almeida Garret (1799-1854). Obras: Camões (1825), Viagens na minha terra (1846) e Folhas Caídas (1853).
  • Alexandre Herculano (1810-1877). Obras: A Harpa do Crente (1838), Eurico, o Presbítero (1844) e Poesias (1850).
  • Antônio Feliciano de Castilho (1800-1875). Obras: Amor e melancolia (1828), A noite do Castelo (1836) e Escavações poéticas (1844).
  • Camilo Castelo Branco (1825-1890). Obras: Amor de perdição (1862), Coração, Cabeça e Estômago (1862) e Amor de Salvação (1864).
  • Júlio Dinis (1839-1871). Obras: As Pupilas do Senhor Reitor (1866), Uma Família Inglesa (1868) e A Morgadinha dos Canaviais (1868).
  • Soares de Passos (1826-1860). Única obra publicada: Poesias (1856).
  • João de Deus (1830-1896). Obras: Ramo de Flores (1869) e Despedidas de Verão (1880).

Romantismo no Brasil

No Brasil, duas publicações são consideradas o marco inicial do Romantismo literário. Ambas foram lançadas em Paris, por Gonçalves de Magalhães, no ano de 1836: a "Revista Niterói" e o livro de poesias "Suspiros poéticos e saudades".

No país, o movimento foi dividido em três fases, ou gerações:

  1. Primeira geração romântica (1836 a 1852): geração nacionalista-indianista.
  2. Segunda geração romântica (1853 a 1869): geração ultrarromântica.
  3. Terceira geração romântica (1870 a 1880): geração condoreira.

Autores e obras da primeira fase do romantismo no Brasil

  • Gonçalves de Magalhães (1811-1882) - Obras: Suspiros poéticos e saudades (1836), A Confederação de Tamoios (1857) e Os Indígenas do Brasil perante a História (1860).
  • Gonçalves Dias (1823-1864) - Obras: Canção do exílio (1843), I-Juca- Pirama (1851) e Os Timbiras (1857).
  • José de Alencar (1829-1877) - Obras: O Guarani (1857), Iracema (1865) e Ubirajara (1874).
  • Álvares de Azevedo (1831-1852) - Obras: Lira dos Vinte anos (1853), Noite na taverna (1855) e Macário (1855).
  • Casimiro de Abreu (1839-1860) - Obra: publicou somente um livro de poesias As primaveras (1859).
  • Fagundes Varela (1841-1875) - Obras: Noturnas (1861), Cântico do Calvário (1863) e Cantos e fantasias (1865).
  • Castro Alves (1847-1871) - Obras: O Navio Negreiro (1869) e Espumas flutuantes (1870).
  • Tobias Barreto (1839-1889) - Obras: Amar (1866), A Escravidão (1868) e Dias e noites (1893).
  • Sousândrade (1833-1902) - Obras: Harpas Selvagens (1857) e O Guesa (1858 e 1888).

Leia também:

Quiz de História da Arte

Atualizado em
Daniela Diana
Daniela Diana
Licenciada em Letras pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) em 2008 e Bacharelada em Produção Cultural pela Universidade Federal Fluminense (UFF) em 2014. Amante das letras, artes e culturas, desde 2012 trabalha com produção e gestão de conteúdos on-line.