Romantismo

Daniela Diana
Daniela Diana
Professora licenciada em Letras

O romantismo é um movimento artístico e cultural caracterizado pelo sentimentalismo, subjetivismo e fuga da realidade.

Esse movimento surgiu no século XVIII na Europa, durante a revolução industrial, e logo se espalhou por diversos países como: França, Alemanha, Inglaterra, Brasil e Portugal. Ele durou até meados do século XIX, quando começa o realismo.

Contrário aos valores clássicos de equilíbrio e harmonia, ele se manifestou em diversos campos: literatura, pintura, escultura, arquitetura e música.

A adoração dos magos, Domingos Sequeira
A adoração dos Magos (1828), pintura romântica de Domingos Sequeira

A arte, que antes era de caráter nobre e erudita, passa a valorizar o folclórico e o nacional. Ela ultrapassa as barreiras da Corte e começa a ganhar a atenção do povo.

Na literatura, o romantismo teve como marco inicial a publicação da obra Os sofrimentos do jovem Werther (1774), do escritor alemão Goethe.

No Brasil, a literatura romântica tem início com a publicação da obra Suspiros poéticos e saudades (1836), de Gonçalves de Magalhães. Já em Portugal, ele começa em 1825 com a publicação da obra poética Camões, escrita por Almeida Garrett.

Características do romantismo

  • Sentimentalismo: supervalorização das emoções pessoais, com destaque para a melancolia.
  • Subjetivismo: oposto ao objetivismo, há valorização das sensações do ser humano e da liberdade de pensamento.
  • Egocentrismo: foco no indivíduo, que passa a ser o centro das atenções.
  • Escapismo: desejo de evasão para escapar da realidade como ela se apresenta, criando um mundo idealizado.
  • Idealizações: idealização da sociedade, do amor e da mulher, buscando uma realidade diferente.
  • Oposição ao modelo clássico: valorização da arte popular e folclórica, oposta à arte erudita da antiguidade clássica.
  • Nacionalismo: forte exaltação da natureza e da pátria, com temas relacionados com a grandiosidade da natureza e o sentimento de pertença.
  • Retorno ao passado: a Idade Média passa a ser a referência para os artistas, que apreciavam as tradições e a fé humana.

Contexto histórico do romantismo

O romantismo surge no século XVIII na Europa junto ao iluminismo, movimento intelectual baseado na ciência e na racionalidade em oposição à religião e à fé.

Com a revolução industrial inglesa, muitos trabalhadores do campo vão trabalhar nas indústrias. Isso colaborou com o crescimento das cidades e o surgimento de uma classe operária.

Na França, o período é de agitação política e social com a revolução francesa (1789-1799), movimento com foco na liberdade e igualdade de direitos.

A liberdade guiando o povo (1830), obra do pintor francês Eugène Delacroix
A liberdade guiando o povo (1830), pintura romântica do artista francês Eugène Delacroix

Em 1806, Napoleão Bonaparte, líder militar da revolução, impõe o Bloqueio continental, que pretendia travar a expansão econômica da Inglaterra, impedindo a entrada de embarcações inglesas em diversos países europeus.

Como Portugal era um aliado comercial da Inglaterra, não participa do bloqueio continental. Temendo a invasão de Napoleão, a corte Portuguesa vai para o Brasil em novembro de 1807, aportando no país em janeiro de 1808.

Com a revolução liberal na cidade do Porto, em 1820, que exigia o retorno da família real do Brasil, Dom João VI retorna a Portugal. Assim, a elite brasileira começa a arquitetar a independência do país, que se realiza em 7 de setembro de 1822.

O romantismo no Brasil

No Brasil, o Romantismo começa anos depois da Independência do país, que aconteceu em 7 de setembro de 1822.

Livre do controle estabelecido pela metrópole portuguesa, o país começa a buscar uma identidade mais brasileira que o afastasse dos moldes europeus.

É notório na literatura romântica do país a presença de elementos mais brasileiros, com características do povo, da cultura e de uma linguagem regionalista.

O marco inicial do movimento romântico no Brasil é a publicação do livro de poesias Suspiros poéticos e saudades, em 1836, de Gonçalves de Magalhães.

Nesse mesmo ano, foi publicada em Paris a Revista Niterói, que reuniu um grupo de estudantes interessados em divulgar a cultura brasileira, do qual fazia parte Gonçalves de Magalhães. Por esse motivo, essa publicação é tida também como precursora do romantismo no Brasil.

Leia mais sobre o Romantismo no Brasil.

Principais autores do Romantismo no Brasil

O romantismo no Brasil contou com uma produção literária muito vasta que englobou a poesia lírica e épica, o romance e o teatro. Alguns escritores que tiveram grande destaque no romantismo foram:

  • Na poesia lírica e épica: Gonçalves de Magalhães, Gonçalves Dias, Casimiro de Abreu, Álvares de Azevedo, Castro Alves, Junqueira Freire, Fagundes Varela e Sousândrade.
  • No romance: José de Alencar, Joaquim manuel de Macedo, Manuel Antônio de Almeida, Visconde de Taunay e Bernardo Guimarães.
  • No teatro: José de Alencar, Gonçalves Dias, Gonçalves de Magalhães, Álvares de Azevedo e Martins Pena.

As fases do romantismo no Brasil

O romantismo no Brasil foi dividido em 3 fases, também chamadas de gerações:

Primeira fase do romantismo (1836 e 1852)

A primeira fase do romantismo é chamada de Geração nacionalista-indianista. Inspirados pela ideia de uma nação livre e autônoma, os escritores desse período se empenharam em consolidar alguns aspectos da identidade nacional.

Tendo como foco uma literatura nacionalista, eles exploraram temas relacionados com a valorização da natureza, o povo brasileiro, a cultura popular, o folclore brasileiro e o passado histórico.

Uma das marcas mais relevantes da literatura dessa fase é o indianismo, onde o índio, eleito herói nacional, torna-se símbolo da pureza e da inocência, sendo apontado de maneira idealizada.

Iracema (1884), obra de José Maria de Medeiros (1849-1925)
Iracema (1884), obra de José Maria de Medeiros (1849-1925)

Iracema (trecho da obra de José de Alencar)

Além, muito além daquela serra, que ainda azula no horizonte, nasceu Iracema. Iracema, a virgem dos lábios de mel, que tinha os cabelos mais negros que a asa da graúna, e mais longos que seu talhe de palmeira.

O favo da jati não era doce como seu sorriso; nem a baunilha recendia no bosque como seu hálito perfumado.

Mais rápida que a corça selvagem, a morena virgem corria o sertão e as matas do Ipu, onde campeava sua guerreira tribo, da grande nação tabajara. O pé grácil e nu, mal roçando, alisava apenas a verde pelúcia que vestia a terra com as primeiras águas.

Autores e obras da primeira fase do romantismo no Brasil

  • Gonçalves de Magalhães (1811-1882) - Obras: Suspiros poéticos e saudades (1836), A Confederação de Tamoios (1857) e Os Indígenas do Brasil perante a História (1860).
  • Gonçalves Dias (1823-1864) - Obras: Canção do exílio (1843), I-Juca- Pirama (1851) e Os Timbiras (1857).
  • José de Alencar (1829-1877) - Obras: O Guarani (1857), Iracema (1865) e Ubirajara (1874).

Segunda fase do romantismo (1853 a 1869)

Diferente da primeira fase, focada na busca de uma identidade nacional, a segunda geração romântica, chamada de ultrarromântica ou de mal do século, foi marcada pelo egocentrismo e o negativismo.

Influenciada pela poesia pessimista do inglês George Gordon Byron (1788-1824), um dos principais escritores do romantismo europeu, essa geração também ficou conhecida como Byroniana.

Numa atitude de protesto contra o mundo e a realidade social e política do país, os escritores desse período mostram desinteresse pela vida. Assim, eles exploram temas como a frustração, a desilusão, o tédio, o negativismo, a fuga da realidade e a morte.

Minha desgraça (trecho do poema publicado na obra Lira dos vinte anos, de Álvares de Azevedo)

Minha desgraça, não, não é ser poeta,
Nem na terra de amor não ter um eco,
E meu anjo de Deus, o meu planeta
Tratar-me como trata-se um boneco....

Não é andar de cotovelos rotos,
Ter duro como pedra o travesseiro....
Eu sei.... O mundo é um lodaçal perdido
Cujo sol (quem mo dera!) é o dinheiro....

Entenda mais sobre o Ultrarromantismo.

Autores e obras da segunda fase do romantismo no Brasil

Os escritores que tiveram grande destaque na segunda fase romântica foram:

  • Álvares de Azevedo (1831-1852) - Obras: Lira dos Vinte anos (1853), Noite na taverna (1855) e Macário (1855).
  • Casimiro de Abreu (1839-1860) - Obra: publicou somente um livro de poesias As primaveras (1859).
  • Fagundes Varela (1841-1875) - Obras: Noturnas (1861), Cântico do Calvário (1863) e Cantos e fantasias (1865).

Conheça as Principais obras e autores do Romantismo.

Terceira fase do romantismo (1870 a 1880)

A terceira fase do romantismo é chamada de Geração condoreira, pois está relacionada com a ave condor, uma ave solitária que voa alto e é símbolo dos Andes.

Os escritores dessa fase são inspirados pela poesia do poeta francês Victor Hugo, que também ficou conhecida como Geração hugoana.

Nesse período, surge a poesia social, relacionada, sobretudo, com o tema do abolicionismo. Castro Alves, o “poeta dos escravos”, foi a principal figura do momento, cuja poesia esteve voltada para os problemas humanos, sem apresentar uma visão idealizada do mundo. Temas como a escravidão e a opressão são os mais abordados pelo poeta.

O Navio Negreiro, tragédia no mar (trecho do poema de Castro Alves)

Era um sonho dantesco... O tombadilho
Que das luzernas avermelha o brilho,
Em sangue a se banhar.
Tinir de ferros... estalar do açoite…
Legiões de homens negros como a noite,
Horrendos a dançar...

Autores e obras da terceira fase do romantismo no Brasil

Os escritores de maior destaque na terceira fase romântica foram:

  • Castro Alves (1847-1871) - Obras: O Navio Negreiro (1869) e Espumas flutuantes (1870).
  • Tobias Barreto (1839-1889) - Obras: Amar (1866), A Escravidão (1868) e Dias e noites (1893).
  • Sousândrade (1833-1902) - Obras: Harpas Selvagens (1857) e O Guesa (1858 e 1888).

Saiba mais sobre o movimento romântico no Brasil:

O romantismo na Europa

O marco inicial do romantismo na Europa foi a publicação da obra Os sofrimentos do jovem Werther, em 1774, do poeta alemão Goethe.

Na Inglaterra, o sentimentalismo romântico é expresso na obra poética de Lord Byron. Além dele, merece destaque Walter Scott e seu romance histórico Ivanhoé, publicado em 1820.

Na França, destacam-se as obras: Os miseráveis, de Victor Hugo, e A Dama das Camélias, do escritor Alexandre Dumas Filho.

Em Portugal, as principais obras românticas são: Camões (1825), de Almeida Garrett, e Amor de perdição (1862), de Camilo Castelo Branco.

Veja também:

Atualizado em
Daniela Diana
Daniela Diana
Licenciada em Letras pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) em 2008 e Bacharelada em Produção Cultural pela Universidade Federal Fluminense (UFF) em 2014. Amante das letras, artes e culturas, desde 2012 trabalha com produção e gestão de conteúdos on-line.