Principais obras e autores do Romantismo

Márcia Fernandes
Márcia Fernandes
Professora licenciada em Letras

As obras do Romantismo assumem características diferentes de acordo com a fase a que pertencem. Essa escola literária é dividida em três fases, as quais se caracterizam principalmente pelo nacionalismo (da primeira geração romântica), pelo pessimismo (da segunda geração romântica) e pela liberdade e erotismo (da terceira geração romântica).

Principais obras da primeira geração do Romantismo

  1. Suspiros Poéticos e Saudades (1836), de Gonçalves de Magalhães
  2. O poeta e a Inquisição (1839), de Gonçalves de Magalhães
  3. A Moreninha (1844), de Joaquim Manuel de Macedo
  4. O Moço Loiro (1845), de Joaquim Manuel de Macedo
  5. Canção do Exílio (1846), de Gonçalves Dias
  6. A Destruição das Florestas (1846), de Manuel de Araújo Porto Alegre
  7. I-Juca-Pirama (1851), de Gonçalves Dias
  8. Memórias de um Sargento de Milícias (1852), de Manuel António de Almeida
  9. Cinco Minutos (1856), de José de Alencar
  10. A Confederação dos Tamoios (1857), de Gonçalves de Magalhães
  11. Os Timbiras (1857), de Gonçalves Dias
  12. O Guarani (1857), de José de Alencar
  13. A Viuvinha (1857), de José de Alencar
  14. O Sertanejo (1857), de José de Alencar
  15. Os Indígenas do Brasil perante a História (1860), de Gonçalves de Magalhães
  16. Brasilianas (1863), de Manuel de Araújo Porto Alegre
  17. Iracema (1865), de José de Alencar
  18. Colombo (1866), de Manuel de Araújo Porto Alegre
  19. A Luneta Mágica (1869), de Joaquim Manuel de Macedo
  20. As Vítimas-Algozes (1869), de Joaquim Manuel de Macedo
  21. Ubirajara (1874), de José de Alencar

Características: as principais características presentes nas obras da primeira fase do Romantismo são indianismo, exaltação da natureza e nacionalismo ufanista.

Contexto histórico: quando o Romantismo teve início no País, já havia acontecido a Independência do Brasil (1822). Nesse momento, havia um forte sentimento de patriotismo.

Por esse motivo, o principal tema das obras da primeira geração romântica no Brasil foi o índio, que assumiu o papel de herói nacional.

Em Portugal, destacam-se:

  • Camões (1825), de Almeida Garret
  • Eurico, o Presbítero (1844), de Alexandre Herculano
  • A Chave do Enigma (1862), António Feliciano de Castilho

Principais obras da segunda geração do Romantismo

  1. Macário (1852), de Álvares de Azevedo
  2. Lira dos Vinte Anos (1853), de Álvares de Azevedo
  3. Trovas (1853), de Laurindo Rabelo
  4. Noite na Taverna (1855), de Álvares de Azevedo
  5. Inspirações do Claustro (1855), de Junqueira Freire
  6. Contradições Poéticas (1855), de Junqueira Freire
  7. Páginas Soltas (1855), de Pedro de Calasans
  8. Meus Oito Anos (1857), de Casimiro de Abreu
  9. Últimas Páginas (1858), de Pedro de Calasans
  10. As Primaveras (1859), de Casimiro de Abreu
  11. Noturnas (1860), de Fagundes Varella
  12. Cântico do Calvário (1863), de Fagundes Varella
  13. Vozes da América (1864), de Fagundes Varella
  14. Cantos e Fantasias (1865), de Fagundes Varella
  15. A Morte de Uma Virgem (1867), de Pedro de Calasans
  16. A Rosa e o Sol (1867), de Pedro de Calasans
  17. Cantos Meridionais (1869), de Fagundes Varella
  18. Cantos do Ermo e da Cidade (1869), de Fagundes Varella

Características: as principais características presentes nas obras da segunda fase do Romantismo são pessimismo, escapismo (desejo de fugir da realidade) e gosto pelo mórbido.

Contexto histórico: neste momento da literatura brasileira, a juventude havia perdido a esperança, e os problemas da sociedade não são valorizados. Egocêntricos, os problemas centram-se nos problemas pessoais, especialmente nas desilusões amorosas.

Assim, as obras desta fase são marcadas pelo tom pessimista - muito influenciadas por Byron, um dos principais românticos da Europa que era um autêntico pessimista. Por esse motivo, a segunda geração do Romantismo ficou conhecida como “geração byroniana”.

Em Portugal, destacam-se:

  • O Noivado do Sepulcro (1850), de Soares de Passos
  • Amor de Perdição (1862), de Camilo Castelo Branco
  • Memórias do Cárcere (1862), de Camilo Castelo Branco

Principais obras da terceira geração do Romantismo

  1. Harpas Selvagens(1857), de Sousândrade
  2. Glosa (1864), de Tobias Barreto
  3. Amar (1866), de Tobias Barreto
  4. O Gênio da Humanidade (1866), de Tobias Barreto
  5. A Escravidão (1868), de Tobias Barreto
  6. O Navio Negreiro (1869), de Castro Alves
  7. A Poesia Contemporânea (1869), de Sílvio Romero
  8. Espumas Flutuantes (1870), de Castro Alves
  9. A Cachoeira de Paulo Afonso (1876), de Castro Alves
  10. Cantos do Fim do Século (1878), de Sílvio Romero
  11. O Gênio da Humanidade (1881), de Tobias Barreto
  12. Os Escravos (1883), de Castro Alves
  13. Abolicionismo (1883), de Joaquim Nabuco
  14. Últimos Harpejos (1883), de Sílvio Romero
  15. Escravos (1886), de Joaquim Nabuco
  16. O Guesa Errante (1888), de Castro Alves
  17. Minha Formação (1900), de Joaquim Nabuco

Características: as principais características presentes nas obras da terceira fase do Romantismo são erotismo, liberdade e a temática em torno do abolicionismo.

Contexto histórico: depois da Independência do Brasil (1822), a monarquia começou a perder a sua força, e as pessoas almejavam pela república.

Ao mesmo tempo, a escravidão incomoda e o abolicionismo assume o centro da temática nesta fase do Romantismo no Brasil. Desta forma, Castro Alves é o autor brasileiro que mais se destaca, pois explorou o tema do abolicionismo, ficando conhecido como o “poeta dos escravos”.

Em Portugal, destacam-se:

  • As Pupilas do Senhor Reitor (1867), de Júlio Diniz
  • Uma Família Inglesa (1868), de Júlio Diniz
  • Flores do Campo (1868), de João de Deus

Leia também:

Márcia Fernandes
Márcia Fernandes
Professora, pesquisadora, produtora e gestora de conteúdos on-line. Licenciada em Letras pela Universidade Católica de Santos.