Corrente de Humboldt


A Corrente de Humboldt ou Corrente do Peru corresponde a uma das correntes marítimas de superfície do Oceano Pacífico, considerada a mais fria do mundo, com aproximadamente 8º C abaixo da temperatura média do oceano.

Correntes Marítimas

As correntes marítimas, influenciadas pela rotação terrestre e incidência dos ventos, são porções de água (quente ou fria) que se deslocam em diferentes direções pelos oceanos e mares, as quais, influenciam no clima, na pressão e na umidade dos locais mantendo o equilíbrio térmico do planeta. E, da mesma maneira, as massas de ar, porções de ar que se deslocam em diferentes direções pelo globo, favorecem as mudanças climáticas.

Observe que as correntes marítimas quentes nascem nas regiões equatoriais ou intertropicais e se deslocam nas regiões temperadas e frias, enquanto as correntes frias são formadas nas regiões polares e seguem em direção às regiões tropicais e quentes.

Para saber mais: Correntes Marítimas e Massas de Ar

Características da Corrente de Humboldt

A denominação atribuída à essa corrente “Humboldt” está associada ao nome do naturalista, explorador e geógrafo alemão que a descobriu durante sua expedição pelas Américas entre os anos de 1799 a 1804: Alexander von Humboldt (1769-1859).

A corrente de Humboldt origina-se perto da Antártida (por isso é muito fria) e desloca-se no sentido norte do Oceano Pacífico passando pela costa ocidental da América do Sul, nos litorais do Chile e do Peru. É responsável pela formação de desertos decorrente da baixa temperatura e da pouca umidade relativa do ar transferida para a atmosfera, de forma que encontra-se uma grande barreira geográfica que detém a umidade: a Cordilheira dos Andes. Assim, a evaporação das águas é impedida deixando a massa de ar local seca e ajudando a formar o clima árido do Deserto do Atacama, no Chile, considerado o mais seco do mundo.

Essa corrente marítima favorece a economia de tais países, sendo o Peru um dos maiores produtores de peixe (representa cerca de 15% da pesca anual do mundo), posto que existe grande parte de plâncton, considerada a base da cadeia alimentar dos ecossistemas marítimos (animais e outros seres microscópicos), que servem de alimento aos peixes.

Isso ocorre através do fenômeno da ressurgência oceânica de forma que as águas profundas do oceano adquirem um movimento vertical trazendo à superfície os plânctons e os minerais necessários para atrair os peixes e outros animais marinhos. Além da pesca, o Chile é favorecido por essa corrente na medida em que os vinhedos, para produção de vinho, necessitam do clima frio para se desenvolverem melhor.

Nesse ínterim, vale lembrar que a zona pela qual passa a corrente de Humboldt está ameaçada por problemas ambientais decorrente da atividade humana tal qual a exploração de petróleo, pesca excessiva, poluição, dentre outras; o que ameaça diversas espécies, desequilibrando o ecossistema.

Durante o fenômeno do El Niño, a corrente de Humboldt é impedida de emergir à superfície oceânica na região da linha do Equador ao dar lugar para uma corrente quente, a qual espanta os peixes, ocasionando secas ou aumento no índice pluviométrico.

Para saber mais: Antártida, El Niño e Deserto

Curiosidades

  • A Fundação Alexander von Humboldt, fundada em 1860 e refundada em 1925, fomenta pesquisas científicas além de financiar expedições para estudiosos.
  • Os pinguins de Humbolt, presentes na costa chilena e peruana, são espécies ameaçadas de extinção.