Costa e Silva


Costa e Silva foi um militar, político e o 27º Presidente da República do Brasil. Ele ocupou o cargo entre os anos de 1967 e 1969.

Biografia

Costa e Silva

Artur da Costa e Silva nasceu dia 3 de outubro de 1899 na cidade de Taquari, Rio Grande do Sul. Era filho de Aleixo Rocha da Silva e Almerinda Mesquita da Costa e Silva.

Sua educação militar começou no Colégio Militar de Porto Alegre. Depois disso, ingressou na Escola Militar de Realengo, no Rio de Janeiro. Aluno aplicado, foi aspirante, tenente, general e marechal do exército brasileiro.

Em 1922, Artur participou do movimento tenentista, momento em que foi preso. Ademais, participou da Revolução Constitucionalista de 1932, em São Paulo.

No início da década de 40, Costa foi estagiar nos Estados Unidos. Na década de 50, ele esteve dois anos na Argentina como membro do exército na embaixada do Brasil.

Durante o governo de Castello Branco, Costa e Silva foi nomeado Ministro da Guerra do Brasil entre 4 de abril de 1964 e 30 de junho de 1966. Em 1964, ainda ocupou o cargo de Ministro de Minas e Energia do Brasil, por pouco menos de 1 mês.

Nesse tempo, foi responsável por articular o Golpe Militar de 64 ao lado do presidente Castello Branco. O golpe depôs o presidente João Goulart.

Morte

Costa e Silva foi vítima de um derrame cerebral em agosto de 1969, o que o afastou do cargo de presidente

Faleceu no Rio de Janeiro em 17 de dezembro de 1969, com 70 anos.

Governo de Costa e Silva

Costa e Silva foi Presidente do país cerca de 2 anos. Foi eleito em 1966 e ocupou o cargo no período de 15 de março de 1967 a 31 de agosto de 1969.

Durante esse tempo, seu mandato ficou conhecido como “anos de chumbo” uma vez que representou um dos períodos mais duros da ditadura militar. Seu governo esteve marcado por forte agitação política, atos de torturas, prisões e mortes.

Em 1968 foi promulgado o Ato Institucional nº 5 (AI-5) que concedeu maiores poderes ao Presidente. Marcado por forte repressão, essa foi considerada uma das fases mais difíceis da ditadura no país.

Com o AI-5 foram fechados o Congresso Nacional, as assembleias legislativas e as câmaras municipais. Além disso, houve a cassação dos mandatos legislativos, executivos, federais, estaduais e municipais.

Diversos tipos de torturas foram realizados aos militares e civis que estivessem contra o governo.

Durante seu governo, Costa e Silva combateu a inflação e ampliou as relações econômicas exteriores. Focou numa reforma administrativa, expandiu as comunicações e os transportes.

Foi também durante seu governo que o movimento de oposição denominado “Frente Ampla” foi extinto. Foi criado em 1966 e liderada por Carlos Lacerda e apoiada por Juscelino Kubitschek e João Goulart.

A “Frente Ampla” propunha a redemocratização do país, as eleições diretas para Presidente e a criação de uma nova Constituição.

A partir de 1968 uma forte agitação política por parte dos estudantes marcou a “passeata dos cem mil” no Rio de janeiro.

A principal causa foi a morte do estudante secundarista Edson Luís de Lima Souto por um militar, além da falta de verba e a privatização do ensino.

Em 1969, Costa e Silva foi afastado do cargo por problemas de saúde, sendo substituído por uma Junta Militar.

Você sabia?

A via expressa o Minhocão em São Paulo foi nomeado “Elevado Presidente Costa e Silva”. A partir de 2016 seu nome passou para “Elevado Presidente João Goulart”.

Leia também sobre a Ditadura Militar no Brasil.