Drogas do Sertão


As drogas do sertão reúnem os diversos tipos de especiarias (plantas, raízes, sementes, frutas, ervas medicinais, etc.) que foram comercializadas no Brasil Colônia (sertão nordestino) a partir do século XVI e XVII. Alguns estudiosos referem esse momento como “Ciclo das Drogas do Sertão”.

Esses produtos eram cultivados em território brasileiro e vendido em solo europeu visto que eram exóticos, nativos do Brasil e muito cobiçados pela mercado externo. Eram consideradas pelos europeus como “novas especiarias”.

Drogas do SertãoCacau, Castanha do Pará e Urucum

Esse fator de grande interesse fez com que a Coroa Portuguesa elegesse as missões jesuíticas para controlar a exploração desses produtos.

Contexto Histórico

As drogas do sertão começam a ser cultivadas e apresentar elevado valor econômico durante a época das “Entradas e Bandeiras”, expedições de desbravamento com finalidades estratégicas e econômicas, as quais foram responsáveis pela conquista e expansão do território brasileiro.

Os bandeirantes (ou sertanistas) eram os responsáveis pela conquista e buscavam metais e pedras preciosas na colônia, com o intuito de enriquecer o mercado consumidor estrangeiro.

Foi a partir daí, que as chamadas “drogas do sertão” passaram a ter um caráter econômico muito importante, propiciando a ocupação da região norte e nordeste do país. Assim, após a exploração do pau-brasil, a cana passou a ser um dos produtos mais importantes ao lado das drogas do sertão.

Essas especiarias (urucum, cacau, guaraná, cravo, canela, castanha, pimenta, baunilha, etc.) cultivadas no nordeste brasileiro foram uma das principais fontes de renda para a Coroa Portuguesa, que na época, buscavam maneira de enriquecer.

Era utilizada a mão de obra escrava indígena, visto os conhecimentos que possuíam sobre as diversas especiarias. Mais tarde, a escravidão indígena foi proibida e substituída pela mão de obra escrava vinda da África.

Saiba mais sobre a Escravidão Indígena no Brasil Colonial.

Nessa época, a região do Amazonas foi muito explorada pelos portugueses e propulsionada pela invasão de alguns povos europeus que tentavam conquistar o território e encontrar outras riquezas: franceses, ingleses, espanhóis e holandeses.

Diante disso, os portugueses conseguiram expulsar os povos invasores e com um tipo de colonialismo denominado de “Colônia de Exploração” eles focaram na busca de lucro e na expansão do mercado financeiro.

Portanto, a partir do início do século XVI, os portugueses começaram diversas expedições de reconhecimento e exploração nas áreas do interior da selva amazônica.

Nesse contexto que surgem os bandeirantes, exploradores pioneiros,os quais realizaram diversas expedições que objetivavam não somente a exploração do território, mas também a busca de escravos fugitivos e da captura de indígenas (seja para comercializá-los, executá-los ou escravizá-los).

Assim, eles invadiram diversos territórios da mata brasileira estabelecendo núcleos de povoamento. Com o cultivo da cana de açúcar (ciclo da cana-de-açúcar) a exploração das “drogas do sertão” entrou em decadência.

A partir do século XVII, o foco de enriquecimento dos portugueses era a plantação da cana e a criação dos engenhos de açúcar pelo país. Esse período ficou conhecido como ciclo da cana-de-açúcar.

Expanda seus conhecimentos, com a leitura dos artigos: