Extrativismo no Brasil

Juliana Bezerra
Escrito por Juliana Bezerra
Professora de História

Extrativismo consiste em retirar recursos vegetais, minerais ou animais da natureza.

Por ser um país com grande diversidade natural, a atividade extrativista continua a ser muito importante na economia brasileira.

Extrativismo Vegetal

A atividade extrativista no Brasil remonta ao período de exploração pela coroa portuguesa.

Inicialmente, o extrativismo vegetal foi marcado pela retirada de pau-brasil, além de sementes e ervas medicinais. Esta foi a primeira atividade econômica da colonização portuguesa.

Atualmente, dentre os elementos que integram o extrativismo vegetal, podemos citar a madeira, os frutos e em menor escala, a borracha.

Madeira

Apesar da retirada de madeira ser questionada e debatida, a prática continua e constitui uma fonte de riqueza para as regiões envolvidas. A madeira é destinada à construção, produção de papel e celulose.

No entanto, parte do território da floresta amazônica diminui todos os anos por conta do corte de árvores e sua posterior substituição das áreas por pasto.

Não podemos esquecer que a exploração predatória contribuiu para o esgotamento e a quase desaparição da Mata Atlântica.

Extrativismo no Brasil Madeira
Aspecto de uma madeireira na floresta amazônica

Floresta Plantada

Entre as alternativas para suprir a matéria-prima destinada à celulose, o Brasil incentivou a instalação de empresas que atuam com as chamadas florestas plantadas.

A planta mais utilizada neste sistema é o eucalipto, cujo crescimento demanda grande oferta hídrica. As regiões dominadas pelo plantio controlado de eucalipto são denominadas "desertos verdes", pois a oferta de água tende a diminuir naquela área.

Afinal, o eucalipto é uma das árvores que mais necessita água para sobreviver e acaba esgotando os mananciais ao seu redor.

Borracha

Diferente da celulose, cuja oferta garante o suprimento de diversas empresas, não foi encontrada solução para elevar a produção da borracha.

O látex, extraído da seringueira, foi um produto de extrema importância para a economia nacional no começo do século XX e este período foi denominado Ciclo da Barrocha. Hoje, a concorrência com a produção asiática e a borracha sintética limita a oferta nacional.

Entretanto, a exploração da borracha ocorre em seringais espalhado em 12 estados do Brasil e não somente na região Norte. Em 2014, segundo o IBGE, a produção brasileira alcançou 320 mil toneladas.

Castanha

Também da região Norte sai a castanha, especialmente do Pará, sendo o produto mais exportado da região.

A castanha-do-pará ou castanha-do-Brasil é rica em fibras, proteína, ferro, cálcio, potássio, ácido fólico, selênio, zinco e vitaminas. Sua coleta representa a renda familiar de centenas de famílias na região amazônica.

Além da utilização como alimento, o produto é base para cosméticos, como shampoos, óleos corporais, cremes e sabonetes.

Palmito

Em várias regiões do Brasil, é extraído o palmito, cujo esgotamento está preocupando as autoridades. Em geral, o tempo de crescimento da planta não é respeitado e a formação de sementes é comprometida. Há pontos de coleta em que a planta já é considerada extinta.

Uma das soluções é privilegiar o consumo da espécie de palmito pupunha que tem maior capacidade regenerativa que a do palmito juçara. Para isso, basta conferir a informação no rótulo do produto.

Buriti

No Maranhão, Piauí, Bahia e Ceará, Minas Gerais, Distrito Federal e Mato Grosso é encontrada a palmeira de buriti, cujo fruto é base para cosméticos e óleos. Da palmeira, se utiliza a fibra para trabalhos artesanais e arquitetônicos.

Carnaúba

A árvore nativa do nordeste é aproveitada em sua totalidade. Sua madeira serve para a construção, do seu fruto se faz farinha e a raiz tem propriedades medicinais.

No entanto, são as suas folhas que produzem cera, as quais são mais valorizadas no mercado internacional. Em 2015, o Brasil exportou 18 000 toneladas de cera para Japão, Alemanha e Estados Unidos. Além disso, quase todos os vernizes e ceras levam a carnaúba em sua composição.

Extrativismo Mineral

O extrativismo mineral se constitui numa importante pauta para a balança comercial brasileira e são os produtos que o Brasil mais exporta para outros países.

A oferta é ampla, pois no território nacional são encontrados: alumínio, cobre, estanho, ouro, ferro, níquel, cromo, manganês, prata, tungstênio e zinco.

As mais importantes reservas de minério do Brasil estão localizadas na Serra dos Carajás (PA), no Quadrilátero Ferrífero (MG) e no Maciço do Urucum (MS).

Ferro

O Brasil detém 75% da produção de minério de ferro do mundo. A principal zona de produção está no Quadrilátero Ferrífero, em Minas Gerais. Do local, também são extraídos bauxita, manganês e ouro.

Por imprudência humana, a região de Minas Gerais, sofreu em 2015, um grande impacto ambiental devido ao rompimento da barragem do rio Doce, em Mariana (MG). A terra que era condicionada na barragem provinha da exploração de minério de ferro.

A Serra dos Carajás, no Pará, rica em minério de ferro, oferece, ainda, bauxita, cobre, cromo, estanho, manganês, ouro, prata, tungstênio e zinco.

Ouro

Extrativismo Mineral Brasil
Aspecto da extração do ouro com jatos de água na floresta amazônica

A extração do ouro marcou época na história colonial com o Ciclo do Ouro. Igualmente foi por conta da atividade dos Bandeirantes, que se embrenhavam na mata em busca de índios e pedras preciosas que as fronteiras no Tratados de Tordesilhas foram expandidas.

O Brasil, em 2012, ocupava o posto de número 47, em reservas mundiais de ouro guardadas no Banco Central. A produção brasileira perfaz 70 toneladas anuais, o que deixa o país como 13º produtor mundial, segundo os dados do IBRAM - Instituto Brasileiro de Mineração.

No entanto, a atividade de garimpo está entre as que causam maior impacto negativo na natureza. Os rios, muitas vezes, tem seu curso alterado e as águas são envenenadas com a utilização de produtos químicos que ajudam a separar o metal precioso.

Da mesma maneira, as escavações alteram de maneira profunda o espaço, o que torna difícil a recuperação do solo.

Entre os pontos que mais sofreram danos como consequência deste tipo de exploração estão Minas Gerais e Serra Pelada, no Pará, cuja atividade foi encerrada em 1992.

Petróleo

A exploração do petróleo é realizada pela companhia estatal Petrobras, criada nos anos 50. A maioria dos campos de petróleo do Brasil está localizada nas chamadas bacias de águas ultraprofundas, na região denominada pré-sal.

A exploração de petróleo pelo Brasil ocupa o 15º lugar com a oferta anual de 12.860 bilhões de barris. Do montante, 90% está localizado no Oceano Atlântico, nas costas de oito estados.

No ritmo de extração atual, o Brasil deve ser até 2020 o responsável por 50% da produção mundial de petróleo.

Sal

Os minerais não-metálicos, como o sal, estão localizadas no Rio de Janeiro, Ceará, Piauí e Rio Grande do Norte. Este último é responsável por 92,5% da produção brasileira que perfaz de 5 a 6 milhões de toneladas por ano.

Deste montante, apenas 400 mil toneladas vão para o mercado externo e o restante é vendido no Brasil.

Extrativismo Animal

Os peixes são os únicos animais em que a legislação brasileira permite a retirada atualmente. Para evitar o esgotamento das espécies de peixes oferecidas pela natureza, o governo oferece o "seguro-defeso". O objetivo é manter a remuneração dos pescadores artesanais durante o período de reprodução.

Pesca do Pirarucu
Pesca do pirarucu, um dos peixes de água doce mais explorados no Brasil

As tentativas de manter a oferta de espécies, contudo, não conseguem acompanhar a remoção e há várias espécies como a sardinha, que tem que ser importadas ou criadas em cativeiro.

Os animais silvestres são protegidos por lei e sua caça somente está permitida aos povos indígenas e algumas comunidades que dependem da atividade para se alimentar.

Leia mais:

Atualizado em
Juliana Bezerra
Escrito por Juliana Bezerra
Bacharelada e Licenciada em História, pela PUC-RJ. Especialista em Relações Internacionais, pelo Unilasalle-RJ. Mestre em História da América Latina e União Europeia pela Universidade de Alcalá, Espanha.