Espaço Social


Na sociologia, o espaço social é um conceito que está associado ao espaço multidimensional onde as relações sociais são efetivadas através da interação entre os atores sociais (seres humanos).

Durante nossa vida, participamos de diversos espaços sociais onde interagimos com os outros seres humanos por meio da linguagem. Podemos considerar espaços socais: a casa, a escola, o trabalho, a igreja, dentre outros.

Saiba mais sobre a Estrutura Social.

Espaço Social na Literatura

O conceito de espaço social é utilizado em outras áreas do saber, tal qual na literatura. Destarte, o espaço social (ou ambiente social) na literatura, compreende o contexto social e o meio social das narrativas, donde estão presentes as personagens.

Lembre-se que as narrativas literárias são constituídas pelo enredo, foco narrativo, tempo, espaço e personagens. Outros tipos de espaços que surgem nas narrativas são os espaços: físico (geográfico), cultural e psicológico.

Espaço Físico e Espaço Social

Note que os conceitos de espaço físico e social se diferem na medida em que o primeiro designa o local propriamente dito, é por isso é também chamado de “espaço geográfico”, enquanto o segundo agrupa os diversos meios sociais em que a sociedade se desenvolve.

Observe que para que o espaço social exista é necessário a presença dos atores sociais, o que não ocorre com o espaço físico, ou seja, ele existe independente da presença de pessoas.

Bordieu

O sociólogo francês Pierre Bordieu (1930-2002) contribuiu para diversos aspectos da Teoria Social. Segundo ele, o campo social determina um espaço simbólico (local de socialização) donde são realizadas trocas entre os agentes.

No espaço social, os indivíduos desenvolvem as identidades onde são percebidas as diferenças e as posições sociais. Isso ocorre por meio de diversos capitais (relações de poderes): o capital social, cultural, econômico e simbólico.

Assim, o capital social é gerado pelas diversas relações sociais que o indivíduo desenvolve. Já, o capital cultural é a conjunto de conhecimento, (que podem ser diplomas, títulos, reconhecimento) dos agentes sociais. E, por fim, o capital econômico é determinado pela quantidade de bens que possui o indivíduo.

Todos eles fazem parte do capital simbólico, ou seja, conceito que define o prestígio e/ou reconhecimento de seus agentes dentro do espaço social.

Já o conceito de habitus, desenvolvido por Bordieu, determina um conjunto de ações e comportamentos adquiridos pelos agentes sociais durante a vida através das experiências sociais.

Nas palavras do autor: “noções como habitus, campo e capital podem ser definidos, mas somente no interior do sistema teórico que eles constituem, nunca isoladamente.”