Evasão escolar

Juliana Bezerra

Evasão escolar é o ato de deixar de frequentar as aulas, ou seja, abandonar o ensino em decorrência de qualquer motivo.

Esse problema social que, infelizmente, é comum no Brasil, afeta principalmente os alunos do Ensino Médio.

Causas da evasão escolar

As causas variam conforme o nível de ensino. Nos primeiros anos (ensino fundamental), a distância da escola associada à falta de transporte escolar, ou de quem possa levar e buscar a criança, é a principal causa.

Já no ensino médio, a falta de interesse é que passa a ser uma das principais causas, a qual resulta do fato de, além do conteúdo ser exagerado, ser descontextualizado, opinião que é partilhada não só por alunos como pelos professores.

A situação econômica é outro fator que influencia fortemente o abandono escolar. Para ajudar os pais, que às vezes até proíbem os filhos de continuar os estudos, ou mesmo para terem certa autonomia financeira, os estudantes começam a trabalhar sem ter concluído os estudos.

Há aqueles que optam por conciliar as atividades laboral e escolar, mas não conseguindo, decidem priorizar o trabalho e acabam abandonando a escola.

O aspecto social tem o seu peso nessa questão. A dificuldade para chegar à escola torna iminente a desistência de continuar os estudos. Isso é mais evidente nas zonas rurais.

Muito discutido nos últimos tempos, o bullying muitas vezes também faz os estudantes se recusarem a ir para a escola.

Charge sobre Evasão escolar
Charge de Ivan Cabral mostra o problema da evasão escolar

Consequências da evasão escolar

Os estudantes que abandonam a escola costumam ter baixa autoestima, o que dificulta as suas relações pessoais e também profissionais.

Entrar no mercado de trabalho torna-se mais difícil, além do que a qualidade dos serviços prestados é nivelada por baixo, tal como a sua remuneração.

Tudo isso gera um forte sentimento de desmotivação, a qual acaba por consolidar ainda mais a desigualdade social no Brasil.

Dados sobre a evasão escolar

Segundo o Inep - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, de acordo com o Censo Escolar realizado entre 2014 e 2015, a taxa de evasão escolar é a seguinte:

1º) 1ª série do ensino médio - 12,9%
2º) 2ª série do ensino médio - 12,7%
3º) 9º ano do ensino fundamental- 7,7%
4º) 3ª série do ensino médio - 6,8%

O Ensino Médio lidera com 11,2% de alunos fora da escola, sendo que o Pará é o estado que apresenta a maior taxa de evasão escolar do Brasil. Nesse estado, 16% dos alunos do ensino médio estavam em situação de evasão na altura da pesquisa.

Em 2013, a Pnud - Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento indicou que, entre os 100 países com maior IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), o Brasil apresentava a 3ª maior taxa de evasão escolar. A 1ª e 2ª maiores taxas são da Bósnia e Herzegovina (26,8%) e das ilhas de São Cristóvão e Névis, no Caribe (26,5%).

Os dados apresentados pelo Pnud, no entanto, foram questionados pelo Inep. O Inep alega que, além de os mesmos serem diferenciados entre os países, o que levava a dados desfasados, a pesquisa não considerava ainda 9 anos no ensino fundamental, mas 8.

Leia também:

Há solução para a evasão escolar?

É preciso que os professores se reúnam e avaliem os alunos tentando detectar se há dentro do corpo discente estudantes propensos a essa situação. Esse é um dever da escola.

Detectar o problema é o primeiro passo para buscar formas de resolvê-lo. A verdade é que todos precisam de incentivo, e não só, mas deve ser dada atenção maior aos que já apresentam as características que levam à evasão escolar.

Detectado o problema, é preciso avaliar a forma de agir: recorrer à família para buscar uma solução conjunta, por exemplo, afinal, nem sempre a ausência dos filhos na escola é conhecida pelos pais.

Num segundo momento, quando os esforços da escola com a família não são suficientes, é hora do Conselho Tutelar ou o Ministério Público serem acionados.

Busca Ativa Escolar

Cartaz de campanha da Unicef
Cartaz de campanha da Unicef

Busca Ativa Escolar é uma plataforma que busca amenizar esse problema. A plataforma faz parte de uma iniciativa da Unicef que conta com algumas parcerias. Chama-se “Fora da Escola Não Pode!”.

Através dela, um grupo de profissionais acompanha as ausências dos estudantes. A partir disso, é desenvolvido um acompanhamento que tem como intuito fazê-los regressar à escola.

Juliana Bezerra
Juliana Bezerra
Bacharelada e Licenciada em História, pela PUC-RJ. Especialista em Relações Internacionais, pelo Unilasalle-RJ. Mestre em História da América Latina e União Europeia pela Universidade de Alcalá, Espanha.