Frida Kahlo

Daniela Diana

Frida Kahlo foi umas das mais importantes pintoras mexicanas do século XX.

Embora tenha tido uma vida muito conturbada, desde saúde e relacionamentos, destacou-se por ser uma artista singular.

Dona de um espírito revolucionário, militou no partido comunista mexicano e lutou pelos direitos das mulheres, tornando-se um símbolo do feminismo.

Biografia

Frida Kahlo

Magdalena Carmen Frida Kahlo y Calderón, mais conhecida por seu pseudônimo artístico, Frida Kahlo, nasceu na pequena vila de Coyoacán, próxima à cidade do México, no dia 06 de julho de 1907.

Frida era filha de pai alemão e mãe espanhola. Desde pequena, teve uma vida marcada por doenças. Com seis anos de idade contrai a poliomielite, doença que lhe deixa uma sequela no pé.

Com 18 anos sofre um grave acidente de ônibus, momento trágico e ao mesmo tempo de renovação. Isso porque ao ficar incapaz de caminhar normalmente, ela começa a pintar quadros e, a partir daí, foca na carreira de pintora.

Frida após o acidente

Frida acamada em 1951

Mais tarde, Frida é obrigada a amputar a perna, fato que lhe provoca grande depressão, entretanto, seu espírito resiliente a fez proferir tais palavras: "Para que preciso de pés quando tenho asas para voar?".

Sua formação realizou-se na “Escola Nacional Preparatória do Distrito Federal do México”. Filiou-se, em 1928, ao Partido Comunista Mexicano, onde conheceu seu futuro marido e grande muralista mexicano, Diego Rivera (1886-1957).

Frida e Diego

Frida Kahlo e Diego Rivera em 1931

No ano seguinte, quando tinha 22 anos, Frida casa-se com ele e passam a viver na Casa Azul, hoje Museu dedicado à artista. Durante 3 anos, moraram juntos nos Estados Unidos nas cidades de Detroit, São Francisco e Nova York.

Com algumas crises conjugais, o casal se separa dez anos depois do casamento, em 1939. Nas palavras de Frida:

"Diego, houve dois grandes acidentes na minha vida: o bonde e você. Você sem dúvida foi o pior deles."

Além de pintora, Frida ministrou aulas de Pintura na Escola Nacional de Pintura e Escultura “A Esmeralda” (La Esmeralda) na cidade do México.

Durante toda sua vida, seu trabalho foi reconhecido mundialmente e expôs diversas obras em alguns museus:

  • Julien Levy Gallery, em Nova York (1938);
  • Galerie Renou et Colle, em París (1939);
  • Galería de Arte Mexicano de Inés Amor, na Cidade do México (1940);
  • Galería de Arte Contemporáneo de Lola Álvarez Bravo (1953).

Decorrente de uma grave pneumonia ou embolia pulmonar, Frida falece no dia 13 de julho de 1954, aos 47 anos. Embora muitos acreditam que ela cometeu suicídio.

No diário da artista foi encontrada a seguinte frase: "Espero alegre a minha partida - e espero não retornar nunca mais."

Curiosidades

  • Seu marido, Diego Rivera, teve relações com a irmã de Frida, Cristina, e com ela teve 6 filhos.
  • Frida teve um romance escondido com o intelectual marxista e líder da Revolução Russa Leon Trotsky (1879-1940).
  • Frida Kahlo era bissexual, tentou se suicidar diversas vezes e sofreu 3 abortos durante sua vida, pois o acidente que perfurou seu útero e atingiu sua coluna, a impediu de ser mãe.
  • Alguns estudiosos acreditam que Frida, encontrada morta em sua casa, foi envenenada por uma das amantes de seu marido.
  • O filme Frida (2002), com direção de Julie Taymor, narra a história da pintora.

Principais Obras e Características

As obras de Frida carregam um estilo próprio e expressam muito o que buscou com sua arte.

Destacam-se a identidade nacional mexicana, pautada em temas da cultura popular e do folclore indígenas, permeada de cores fortes e vibrantes.

André Breton (1896-1966) e Salvador Dalí (1904-1989) denominaram a obra de Frida Kahlo de caráter Surrealista.

Contudo, a artista, que não considerava suas obras surrealistas, declarou: “Nunca pintei sonhos. Pintava a minha própria realidade”.

Frida focou em transformar seus sentimentos em arte, de forma que encontramos refletidos em seu trabalho diversos momentos de sua vida. Segundo ela:

"Pintar completou minha vida. Perdi três filhos e uma série de outras coisas, que teriam preenchido minha vida pavorosa. Minha pintura tomou o lugar de tudo isso. Creio que trabalhar é o melhor".

Leia mais sobre o Surrealismo.

Algumas Obras

Auto-retrato em um vestido de veludo (1926)

Auto-retrato em vestido de veludo

Retrato de Miguel N. Lira (1927)

Retrato de Miguel Lira

Retrato de Alicia Galant (1927)

Retrato de Alicia Galant

Retrato de minha irmã Cristina (1928)

Retrato de minha irmã Cristina

O ônibus (1929)

O ônibus

Frida e a cesárea (1931)

Frida e a cesárea

Meu nascimento (1932)

Meu nascimento

Hospital Henry Ford (1932)

Hospital Henry Ford

As duas Fridas (1939)

As duas Fridas

Diego em meu pensamento (1943)

Diego em meu pensamento

Auto-retrato de cabelos soltos (1947)

Auto-retrato de cabelos soltos

A Coluna Partida (1944)

A coluna partida

Veado ferido (1946)

veado ferido

Retrato do meu pai Wilhelm Kahlo (1952)

Retrato de meu pai

Viva a Vida (1954)

Viva a vida

Museu Casa Azul

A casa onde Frida nasceu, transformou-se num Museu chamado de “Casa Azul”. O local está repleto de objetos, documentos, fotos, livros e vestuário da artista.

Museu Casa Azul de Frida Kahlo
Casa de Frida Kahlo em Coyoacán, México

Frases de Frida

  • "O México, como sempre, está desorganizado e confuso. A única coisa que lhe resta é a grande beleza da terra e dos índios. Todos os dias, a parte feia dos Estados Unidos rouba um pedaço; é uma lástima, mas as pessoas têm que comer e é inevitável que os peixes grandes devorem os pequenos."
  • "Agora, vivo num planeta dolorido, transparente como gelo. É como se houvesse aprendido tudo de uma vez, numa questão de segundos. Minhas amigas e colegas tornaram-se mulheres lentamente. Eu envelheci em instantes e agora tudo está embotado e plano. Sei que não há nada escondido; se houvesse, eu veria".
  • "Não estou doente. Estou partida. Mas me sinto feliz por continuar viva enquanto puder pintar".
  • "Se existe vida após a morte, não me esperem, porque não vou."
  • "Bebi porque queria afogar minhas mágoas, mas agora as coisas malditas aprenderam a nadar".
  • "Pinto a mim mesma porque sou sozinha e porque sou o assunto que conheço melhor."

Saiba mais:

Daniela Diana
Daniela Diana
Licenciada em Letras pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) em 2008 e Bacharelada em Produção Cultural pela Universidade Federal Fluminense (UFF) em 2014. Amante das letras, artes e culturas, desde 2012 trabalha com produção e gestão de conteúdos on-line.