Guerras Púnicas


Guerras Púnicas é o nome dado a três guerras travadas entre Cartago – cidade localizada no norte da África e Roma, entre os anos 264 a.C e 146 a.C..

Cartago detinha o monopólio comercial marítimo, enquanto Roma almejava o expansionismo. Ambas lutaram pelo domínio da região do Mar Mediterrâneo.

Púnico era o nome dado ao cartaginense pelos romanos, por isso, as guerras recebem esse nome.

Causas

O Mar Mediterrâneo era dominado pelos grandes navegadores fenícios, povo que tinha o comércio marítimo como principal atividade econômica. Após a conquista da Fenícia o seu povo fugiu e fundou Cartago que, então dominava o Mar Mediterrâneo e territórios próximos à Península Itálica.

Roma, que dominava a Península Itálica, almejava agora o Mar Mediterrâneo e o controle do seu comércio.

Leia também: Fenícios.

Primeira Guerra Púnica (264-241 a.C.)

Inicialmente, Roma e Cartago mantinham boas relações comerciais e eram aliadas no propósito de apaziguar as relações na ilha de Sicília, que se mantinham instáveis.

A Sicília, pertencente à Siracusa, era um ponto estratégico para o desenvolvimento do comércio marítimo e era, assim, dominada por Cartago.

A Primeira Guerra Púnica tem início quando Roma, vislumbrando a possibilidade de conquistar a ilha e expandir seu território, expulsa os cartagineses que lá viviam.

Ao fim desta guerra, os cartagineses foram vencidos pelos romando e perderam o domínio das ilhas Sicília, Córsega e Sardenha. Além disso, tiveram de pagar indenizações à Roma.

Saiba mais sobre a República Romana.

Segunda Guerra Púnica (218-201 a.C.)

Na Segunda Guerra Púnica, Cartago é bem sucedida nas mãos do comando do general cartaginês Aníbal Barca, que inicia a guerra a partir da invasão à Sagunto, cidade aliada à Roma.

Aníbal, o general que ficou conhecido por utilizar elefantes em seus ataques vence alguns conflitos e quase consegue invadir Roma, através da sua conhecida estratégia de atravessar os Alpes.

Porém, os romanos, mais uma vez, vencem os cartagineses e, em consequência foram obrigados a pagar mais indenizações à Roma, a fornecer alimentos para suas tropas, a libertar prisioneiros e a entregar navios de guerra.

Terceira Guerra Púnica (149-146 a.C.) – “DelengaCarthago

O prejuízo dos cartaginenses em decorrência das duas primeiras guerras, leva Cartago a dar início ao desenvolvimento da agricultura.

O fato de não se deixar vencer pela perda da hegemonia do comércio, principalmente, somado à iniciativa de buscar outras condições que propiciassem o desenvolvimento econômico da cidade, leva à ira de Roma que, com receio de novos conflitos, pensa não haver outra alternativa a não ser a destruição de Cartago. A frase “DelengaCarthago”, dita pelo senador romano Catão, o Velho, significa “Cartago deve ser destruída”.

Consequências – “mare nostrum

O domínio do Mediterrâneo e do seu comércio passa para Roma, que chama o mar Mediterrâneo de mare nostrum – nosso mar.

Na sequência dessa conquista, tem início o Império Romano.

Outras guerras da Antiguidade

  • Guerras Médicas, com início em 490 a.C. - luta entre gregos e persa, na disputa pelas terras da Ásia Menor.
  • Guerra de Peloponeso, com início em 431 a.C. – luta entre Atenas e Esparta, na disputa pela hegemonia política e econômica da Grécia

Para saber mais: Guerras Médicas, Guerras de Peloponeso e Império Romano.