Keynesianismo


O Keynesianismo, também chamado de Escola ou Teoria Keynesiana, é uma doutrina político-econômica oposta ao liberalismo. Nessa doutrina o Estado tem um papel preponderante na organização de um país.

Essa teoria foi muito importante para renovar a teoria econômica clássica. Pautada na chamada “macroeconomia”, propõe um regime de pleno emprego e o controle da inflação.

De tal maneira, o desemprego desapareceria mediante a força do mercado, posto que no sistema capitalista todos poderiam ser empregados.

Defende também a ideia do Estado de oferecer benefícios sociais aos trabalhadores, por exemplo, seguro saúde, seguro desemprego, salário mínimo, dentre outros.

Nesse sentido, o Estado tem deveres a cumprir para com seus cidadãos, lhes proporcionando uma vida digna. Essa teoria levou ao surgimento do conceito de bem-estar social.

Que tal saber mais sobre o Estado de Bem-Estar Social?

Origem

O Keynesianismo teve início no século XX e recebe esse nome em homenagem ao economista britânico John Maynard Keynes (1883-1946).

Ele expôs sua teoria econômica na obra “Teoria geral do emprego, do juro e da moeda” (General theory of employment, interest and money), publicada em 1936.

A teoria Keynesiana surge num momento em que o sistema capitalista e liberal apresentou diversas crises.

Após a segunda guerra mundial, esse modelo econômico foi utilizado em alguns países que almejavam a melhoria da economia.

Como exemplo, temos o governo do estadunidense Franklin Roosevelt que propôs o New Deal na década de 30. O objetivo era acabar com a crise de 1929 (grande depressão), a qual assolou o país.

No entanto, vinte anos após a segunda guerra, o aumento das desigualdades, da inflação e do desemprego faz com que a teoria keynesiana sofra diversas críticas.

Resumo: Características

As principais características do Keynesianismo são:

  • Oposição aos ideais liberais e neoliberais
  • Protecionismo e equilíbrio econômico
  • Investimento de capital do governo
  • Redução da taxa de juros
  • Equilíbrio entre a demanda e a produção
  • Intervenção estatal na economia
  • Garantia de pleno emprego
  • Benefícios sociais
  • Macroeconomia

Keynesianismo, Liberalismo e Neoliberalismo

O Keynesianismo econômico é oposto aos ideais do liberalismo econômico e do neoliberalismo, que prezam pela liberdade individual.

Assim, o liberalismo, termo criado pelo economista Adam Smith, é baseado em ideias democráticas, onde o cidadão tem direito ao voto e à liberdade individual (social, econômica, política, religiosa, etc.) mediante um regime de livre mercado.

A teoria liberal admite a baixa intervenção do Estado na economia, ao contrário do Keynesianismo. Nesta a economia é autorregulada e defende-se a ideia de intervenção estatal.

Na atualidade, o keynesianismo perdeu força com o avanço do neoliberalismo no contexto da globalização e da abertura do mercado internacional.

Note que o neoliberalismo é uma atualização do sistema liberal que defende a privatização de empresas estatais. Além disso, defende a abertura econômica mediante a livre circulação de capitais internacionais.

Entenda o que é Economia Planificada.