Origem da Páscoa

Márcia Fernandes

A Páscoa é uma festa de origem judaica, que comemora a liberdade do povo hebreu após um longo período de escravidão no Egito.

Com o mesmo sentido de libertação e de esperança, a Páscoa cristã surge posteriormente com a comemoração da ressurreição de Jesus Cristo.

Como surgiu a Páscoa?

O povo hebreu foi escravizado durante anos. Por esse motivo, Deus enviou uma praga a fim de tentar convencer o Faraó a libertar os escravos.

O Faraó consentiu a sua libertação, mas voltou atrás, e assim foi acontecendo sucessivamente: sempre que Deus enviava uma praga, convencia o Faraó, que depois de se ver livre da mesma, voltava atrás.

Até que com a décima praga, o Faraó finalmente libertou os hebreus, episódio que ficou conhecido como Dez pragas do Egito e pode ser lido no livro do Êxodo da Bíblia Sagrada.

Na décima praga, Deus ordenou a morte de todos os primogênitos egípcios, inclusive o filho do Faraó.

Após a libertação do povo, foi instituída a Páscoa e a travessia rumo à Israel começou.

História da Páscoa Cristã

Apesar de estar historicamente ligada à Páscoa judaica, a Páscoa cristã assumiu outros contornos, tanto no que respeita ao seu significado quanto à forma como é comemorada, de onde surgem grandes diferenças.

A Páscoa cristã celebra a ressurreição de Jesus, num domingo conhecido como Domingo de Páscoa, que encerra a Semana Santa.

A Semana Santa recorda a Última Ceia de Jesus com os apóstolos, a sua crucificação e ressurreição, o que teria acontecido durante a celebração da Páscoa judaica.

Significado da Páscoa

Páscoa, do hebraico Pessach, significa “passagem”. O seu significado remete à transição da escravidão para a liberdade, como celebra a Páscoa judaica, bem como da morte para a vida, como celebra a Páscoa cristã.

Segundo historiadores, a origem da Páscoa também se apresenta num contexto pagão, mas mantendo o significado da “passagem”.

Acontece que as civilizações antigas cultuavam uma deusa, conhecida como Ostara ou Eostern, numa festa que celebrava a passagem do inverno para a primavera.

Essa estação trazia a esperança em virtude da possibilidade de produzir alimentos que pudessem ser armazenados para consumo ao longo de todo o ano.

Além da relação com o significado, o nome da deusa remete à palavra “páscoa” em inglês, Easter.

Dia da Páscoa

A data da celebração foi definida no Concílio de Niceia, o primeiro concílio de ordem ecumênica, e que foi realizado no ano 325.

No Concílio de Niceia ficou determinado que a Páscoa cristã deveria ser comemorada no primeiro domingo depois da lua cheia, a partir do dia 22 de março. A fase da lua constava nas tabelas eclesiásticas e não era contada de acordo com o verdadeiro calendário lunar.

Assim, a Páscoa é uma data comemorativa móvel, que não é feriado, e cuja celebração acontece entre os dias 22 de março e 25 de abril, exatamente 47 dias depois do Carnaval.

A Páscoa judaica, por sua vez, é comemorada ao longo de uma semana, tendo início no décimo quarto dia do mês de Nissan, o primeiro do calendário judaico.

Esta foi a orientação recebida de Deus por Moisés e Arão, a qual pode ser consultada no capítulo 12 do livro de Êxodo da Bíblia:

No primeiro mês comam pão sem fermento, desde o entardecer do décimo quarto dia até o entardecer do vigésimo primeiro.”

Leia também:

Márcia Fernandes
Márcia Fernandes
Professora, pesquisadora, produtora e gestora de conteúdos on-line. Licenciada em Letras pela Universidade Católica de Santos.