Parnasianismo em Portugal

Daniela Diana

O parnasianismo em Portugal foi um movimento literário restrito baseado no parnasianismo francês e no lema “arte pela arte”. O poeta João Penha (1838-1919) é considerado o introdutor do movimento no país.

Além dele, outros escritores portugueses que se destacaram com a produção de uma poética parnasiana foram: Gonçalves Crespo (1846-1883), António Feijó (1859 - 1917) e Cesário Verde (1855-1886)

Origem do Parnasianismo

Vale lembrar que o parnasianismo foi um movimento literário, especialmente poético, com origens no século XIX, na França.

Oposto aos ideais românticos, ele surge numa época de profundas transformações da sociedade europeia com o avanço tecnológico, descobertas científicas e a revolução industrial inglesa.

Os poetas parnasianos franceses que mais se destacaram foram: Théophile Gautier (1811-1872), Leconte de Lisle (1818-1894), Théodore de Banville (1823-1891) e José Maria de Heredia (1842-1905).

Principais Características

  • Linguagem objetiva e impessoal
  • Descrição visual
  • Estilo ornado e culto
  • Preocupação com a estética
  • Perfeição formal
  • Metrificação e versificação
  • Preciosismo (palavras e rimas raras)
  • Espírito científico
  • Temas da realidade cotidiana
  • Valorização dos temas clássicos
  • Preferência pelas formas poéticas fixas (soneto)

Principais Autores e Obras

  • João Penha (1838-1919): precursor do movimento parnasiano em Portugal, o poeta João Penha foi formado em Direito na Universidade de Coimbra, local onde se juntou a outros escritores. Foi fundador e diretor do jornal literário “A Folha”, veículo essencial para divulgação das poesias parnasianas que vigorou entre 1868 e 1873. De sua obra destacam-se: Rimas (1882), Novas Rimas (1905) e Últimas Rimas (1919).
  • Gonçalves Crespo (1846-1883): Embora tenha nascido no Rio de Janeiro, Crespo era filho de pai português, e foi considerado um dos mais importantes poetas parnasianos em Portugal. Com 10 anos de idade passou a viver na capital portuguesa, Lisboa. Estudou Direito em Coimbra e passou a se dedicar a Literatura, sendo um colaborar do jornal literário fundado por João da Penha “A Folha”. De sua obra destaca-se: Miniaturas (1870), Nocturnos (1882) e Obras Completas (1887).
  • António Feijó (1859-1917): nascido no interior do norte de Portugal, Ponte de Lima, Feijó foi um importante poeta parnasiano. Além de poeta, foi diplomata, exercendo diversos cargos no Brasil e em países da Europa. Formou-se em Direito na Universidade de Coimbra e influenciado pelos ideias dos colegas literatos, dirigiu a "Revista Científica e Literária". De sua obra poética destacam-se: Transfigurações (1862), Líricas e Bucólicas (1884) e Ilha dos Amores (1897).
  • Cesário Verde (1855-1886): Nascido em Lisboa, Cesário Verde escreveu poesias com tendências parnasianas, realistas e modernistas. Inicia sua carreira literária publicando alguns poemas no “Diário de Notícias de Lisboa”. Teve uma vida curta, morrendo de tuberculose aos 31 anos de idade. De sua obra poética merece destaque o livro de poesia “Nós” (1884) e a compilação póstuma de seus poemas “O Livro de Cesário Verde”.

Para complementar sua pesquisa, veja também os artigos:

Daniela Diana
Daniela Diana
Licenciada em Letras pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) em 2008 e Bacharelada em Produção Cultural pela Universidade Federal Fluminense (UFF) em 2014. Amante das letras, artes e culturas, desde 2012 trabalha com produção e gestão de conteúdos on-line.