Período Composto por Subordinação

Márcia Fernandes

O Período Composto por Subordinação é aquele cujas orações dependem sintaticamente uma da outra para que façam sentido. É o contrário do que acontece com o período composto por coordenação, em que as orações independem em termos sintáticos.

Compare:

  • Não saímos/ porque estava chovendo. (Período Composto por Subordinação)
  • Compõe/ e canta suas canções. (Período Composto por Coordenação)

O período composto por subordinação é formado pela oração principal e pela oração subordinada. A oração subordinada tem uma função sintática em relação à oração principal e, justamente por esse motivo, é chamada de subordinada.

Exemplos:
Quero/ que ele volte!

  • “Quero” é a oração principal.
  • “que ele volte!” é a oração subordinada.

Não sei dizer/ para onde ele foi.

  • “Não sei dizer” é a oração principal.
  • “para onde ele foi” é a oração subordinada.

Logo, em ambos os exemplos, os períodos são compostos por subordinação.

Período Composto por Coordenação e Subordinação

Há períodos em que a oração coordenada e oração subordinada estão presentes. Exemplo:

Enquanto ela falar, ficarei em silêncio e prestarei atenção nas suas palavras.

  • “Enquanto ela falar,” é a oração subordinada.
  • “ficarei em silêncio” é a oração principal.
  • “e prestarei atenção nas suas palavras.” é a oração coordenada.

Classificação das Orações Subordinadas

Existem três tipos de orações subordinadas, as quais são classificadas de acordo com a função que exercem.

  • Substantivas: As orações subordinadas substantivas exercem função de substantivo.
  • Adjetivas: As orações subordinadas adjetivas exercem função de adjetivo.
  • Adverbiais: As orações subordinadas adverbiais exercem função de advérbio.

Orações Subordinadas Substantivas

As orações subordinadas substantivas podem ser subjetivas, objetivas diretas, objetivas indiretas, predicativas, completivas nominais ou apositivas. Geralmente, elas são iniciadas pelas conjunções que e se.

Orações Subjetivas

Têm função de sujeito da oração principal. O verbo da oração principal apresenta-se sempre na 3.ª pessoa do singular. Exemplo:

  • Sua presença é imprescindível.
  • É imprescindível/ que você venha.

Na primeira oração (período simples), “presença” é um substantivo. Na segunda oração (período composto), o substantivo “presença” foi modificado para “que você venha”, que tem a função de sujeito da oração principal.

Desta forma, estamos diante de uma oração subordinada subjetiva.

Orações Objetivas Diretas

Têm função de objeto direto da oração principal. Exemplo:

  • Não sei o meu destino.
  • Não sei/ se vou.

Na primeira oração (período simples), “o meu destino” é objeto direto. Na segunda oração (período composto), o objeto direto “o meu destino” foi modificado para “se vou”, de modo que passou a ter a função de objeto direto da oração principal. Logo, estamos diante de uma oração subordinada objetiva direta.

Orações Objetivas Indiretas

Têm função de objeto indireto da oração principal. Exemplo:

  • Gosto de aventuras.
  • Gosto/ de me aventurar.

Na primeira oração (período simples), “de aventuras” é objeto indireto. Na segunda oração (período composto), o objeto indireto “de aventuras” foi modificado para o verbo “aventurar”, de modo que a oração “de me aventurar” passa a ter a função de objeto indireto da oração principal. Logo, estamos diante de uma oração subordinada objetiva indireta.

Orações Predicativas

Têm função de predicativo do sujeito da oração principal. Exemplo:

  • Seja cantor!
  • Meu desejo era/ que ele cantasse

Na primeira oração (período simples), “cantor” é predicativo. Na segunda oração (período composto), o predicativo “cantor” foi modificado para “que ele cantasse”, o qual passou a ter a função de predicativo do sujeito da oração principal. Logo, estamos diante de uma oração subordinada predicativa.

Orações Completivas Nominais

Têm função de complemento nominal da oração principal. Exemplo:

  • Tenho medo de escuro.
  • Tenho medo/ que escureça.

Na primeira oração (período simples), “de escuro” é complemento nominal. Na segunda oração (período composto), o complemento nominal “de escuro” foi modificado para “que escureça”, de modo que passou a ter a função de complemento nominal da oração principal. Logo, estamos diante de uma oração completiva nominal.

Orações Apositivas

Têm função de aposto da oração principal. Exemplo:

  • Meu desejo: a felicidade dos meus filhos.
  • Desejo/ que meus filhos sejam felizes.

Na primeira oração (período simples), “a felicidade dos meus filhos” é complemento nominal. Na segunda oração (período composto), o complemento nominal “a felicidade dos meus filhos” foi modificado para “que meus filhos sejam felizes”, de modo que este tem função de complemento nominal da oração principal, ou seja, é uma oração apositiva.

Orações Subordinadas Adjetivas

As orações subordinadas adjetivas podem ser explicativas ou restritivas. Essas orações são iniciadas pelos pronomes relativos cujo, onde, o qual, quanto, que, quem e respectivas variantes.

Orações Explicativas

Explicam ou esclarecem algo acerca da oração principal. As orações explicativas sempre aparecem entre vírgulas. Exemplo:

Na Ásia/, que é o maior continente do mundo,/ há 11 fusos horários.

  • Oração principal: Na Ásia há 11 fusos horários.
  • Oração subordinada: que é o maior continente do mundo.

A oração subordinada acresce uma informação acerca da Ásia, portanto, é explicativa.

Orações Restritivas

Restringem ou delimitam a informação dada acerca da oração principal. Exemplo:

O aluno/ que faltou/ ficou sem grupo.

  • Oração principal: O aluno ficou sem grupo.
  • Oração subordinada: que faltou.

Neste caso, a oração subordinada não acrescentou somente uma informação acerca do aluno, mas o especificou. Portanto, estamos diante de uma oração subordinada adjetiva restritiva. Ao contrário das orações explicativas, as restritivas não são pontuadas entre vírgulas.

Orações Subordinadas Adverbiais

Esse tipo de oração substitui um advérbio, de modo que a sua função sintática equivale a do adjunto adverbial.

Compare:

  • Terminamos o trabalho cedo.
  • Terminamos o trabalho/ quando era cedo.

Na primeira oração (período simples), “cedo” é um advérbio. Na segunda oração (período composto), esse advérbio foi modificado para “quando era cedo”, de modo que essa oração tem a função de adjunto adverbial.

As orações subordinadas adverbiais podem ser causais, comparativas, concessivas, condicionais, conformativas, consecutivas, finais, temporais ou proporcionais.

Cada uma delas expressa a circunstância indicada no seu nome:

  • Orações Causais (como, já que, porque, visto que, uma vez que): Uma vez que chovia, não saí.
  • Orações Comparativas (como, do que, que): Agiu como se fosse um adolescente.
  • Orações Concessivas (ainda que, a menos que, embora, mesmo que, por mais que, por menos que, se bem que): Não sairei daqui, a menos que você fale comigo.
  • Orações Condicionais (a não ser que, caso, contanto que, desde que, exceto, se): Caso puder, ligue-me.
  • Orações Conformativas (como, conforme, consoante, segundo): Fiz o trabalho conforme foi indicado.
  • Orações Consecutivas (de forma que, de modo que): De modo que se você for, eu irei também.
  • Orações Finais (a fim de que, para que, que): Faço assim para facilitar a nossa vida.
  • Orações Temporais (antes que, assim que, até que, cada vez que, depois que, enquanto,logo que, quando): Quando eu entrar, ela vai sair.
  • Orações Proporcionais (ao passo que, à proporção que, enquanto, quanto mais, quanto menos): Enquanto agir assim, não falarei com ele.

Agora que você já sabe o que é o Período Composto por Subordinação, aprenda tudo sobre Período Composto por Coordenação.

Márcia Fernandes
Márcia Fernandes
Professora, pesquisadora, produtora e gestora de conteúdos on-line. Licenciada em Letras pela Universidade Católica de Santos.