Pinocitose

Lana Magalhães

A pinocitose é um tipo de endocitose que consiste no englobamento de partículas líquidas. Esse processo também pode ser chamado de endocitose de fase fluida.

A endocitose consiste no englobamento de partículas pela célula, sendo um caso de transporte em bloco. Existem dois tipos de endocitose: a fagocitose e a pinocitose.

Qual a diferença entre a Fagocitose e a Pinocitose?

Na fagocitose, as partículas englobadas são grandes e sólidas e ocorre a formação de pseudópodes.

Na pinocitose, as partículas englobadas são líquidas e não há formação de pseudópodes, mas sim de invaginações na membrana da célula.

Saiba mais sobre a Fagocitose.

Processo de Pinocitose

Para que ocorra a pinocitose, a membrana plasmática sofre invaginações localizadas que envolvem a partícula a ser ingerida. Quando a membrana se fecha em si, forma-se uma vesícula que é puxada pelo citoesqueleto para o citoplasma.

Essa vesícula é denominada de pinossomos, em seu interior encontra-se a substância a ser digerida.

Dentro da célula, o pinossomos funde-se com o lisossomos, acontecendo a digestão intracelular.

Pinocitose Seletiva e Pinocitose Não Seletiva

A pinocitose pode ser classificada em dois tipos: seletiva e não seletiva.

Pinocitose seletiva: as substâncias a serem englobadas ligam-se somente a receptores específicos, para que depois ocorra a invaginação da membrana.

Assim, é constituída por duas etapas: (1) a adesão das substâncias aos receptores e (2) a invaginação da membrana com a formação da vesícula.

A pinocitose seletiva é vantajosa pois engloba apenas as substâncias necessárias, sem a entrada de muita água na célula. Além disso, evita o gasto de energia com o englobamento de substâncias que não seriam aproveitadas.

Pinocitose não seletiva: as substâncias são englobadas e formam-se as vesículas, sem a necessidade de ligação com receptores específicos.

Saiba mais, leia também:

Lana Magalhães
Lana Magalhães
Licenciada em Ciências Biológicas (2010) e Mestre em Biotecnologia e Recursos Naturais pela Universidade do Estado do Amazonas/UEA (2015). Doutoranda em Biodiversidade e Biotecnologia pela UEA.