Pré-Cambriano


Pré-cambriano é a denominação da maior divisão no tempo geológico da Terra. Corresponde ao conjunto dos éons Proterozoico, Arqueano e Hadeano. Antecede o éon Fanerozoico.

O limite inferior do Pré-cambriano não está definido, mas terminou há cerca de 542 milhões de anos. O Pré-cambriano abrange 90% do registro geológico da Terra.

Somente no fim do Pré-cambriano, os organismos multicelulares evoluíram e houve o desenvolvimento da divisão sexual. Também ao fim do Pré-cambriano é que foram criadas as condições para a explosão da vida registrada no início do Eon Fanerozoico.

Características

  • Início da vida na Terra
  • Início do movimento das placas tectônicas
  • Aparecimento das primeiras células
  • Formação da camada atmosfera
  • Formação da camada de ozônio
  • Aparecimento dos primeiros animais e vegetais

Clima

Durante o período de tempo Pré-cambriano, as condições climáticas da Terra mudaram consideravelmente e houve alterações significativas na atmosfera e nos oceanos.

A atmosfera nesse período tornava incompatível a existência da vida tal qual a conhecemos hoje. Os cientistas têm registros de organismos denominados cianobactérias - algas azuis - únicos capazes de sobreviver ao ar carregado de metano (CH4) e amônia (NH3) típico de 2,3 bilhões de anos atrás.

Além do ar, a água dos oceanos não reunia as condições necessárias para permitir a existência de vida. Os oceanos estavam repletos de ferro. A limpeza dos oceanos ocorreu em uma grande explosão a 2,7 bilhões de anos atrás. Esse evento permitiu o aumento da oferta de oxigênio na atmosfera e, somente a 600 milhões de anos atrás começaram a surgir os primeiros micro-organismos a demandar a produção de colágeno, essencial para a formação de esqueletos.

Foi também no Pré-cambriano que a atmosfera passou a formar a camada de ozônio (O3), que atua como proteção contra os raios ultravioleta emitidos pelo Sol.

Para se informar melhor, leia também: Importância do ar.

Vida

Os primeiros sinais de vida na Terra foram identificados na porção ocidental da Groelândia. Eram micro-organismos fossilizados em rochas e com idade de 3,8 bilhões de anos. Nos microfósseis foi evidenciada a ligação de Carbono, essencial à vida.

Esses micro-organismos foram capazes de sobreviver entre 1700 a 1900 milhões de anos atrás, quando começaram a surgir as primeiras células com núcleos. Essas últimas fizeram uso do oxigênio no metabolismo e foram capazes da divisão celular. A capacidade de divisão ficou impressa no material genético, o DNA, e foi transmitida para as gerações seguintes.