Regência Verbal

Márcia Fernandes

Regência verbal é a parte da língua que se ocupa da relação entre os verbos e os termos que se seguem a ele e completam o seu sentido.

Os verbos são os termos regentes, enquanto os objetos (direto e indireto) e adjuntos adverbiais são os termos regidos.

Para entender melhor sobre esse assunto e não errar mais, confira abaixo alguns exemplos e suas respectivas explicações:

Exemplos de Regência verbal

Nos exemplos acima, morar é um verbo transitivo indireto, pois exige a preposição em (morar em algum lugar).

No segundo exemplo, implicar é um verbo transitivo direto, pois não exige preposição (implicar algo, e não implicar em algo).

No terceiro exemplo, ir exige a preposição a, o que faz dele um verbo transitivo direto.

Na forma padrão, a oração “Isso implica em mudança de horário” não está correta.

Vamos ver exemplos de alguns verbos e entender como eles são regidos. Alguns, conforme o seu significado, podem ter mais do que uma forma de regência.

1. Assistir

a) com o sentido de ver exige preposição:

Que tal assistirmos ao filme?

b) com o sentido de dar assistência não exige preposição:

Sempre assistiu pessoas mais velhas.

c) com o sentido de pertencer exige preposição:

Assiste aos prejudicados o direito de indenização.

Tirinha de Calvin & Haroldo
No último quadrinho Calvin fala corretamente "assistir ao vídeo"

2. Chegar

O verbo chegar é regido pela preposição “a”:

Chegamos ao local indicado no mapa.

Essa é a forma padrão. No entanto, é comum observarmos o uso da preposição “em” nas conversas informais, cujo estilo é coloquial: Chegamos no local indicado no mapa.

3. Custar

a) com o sentido de ser custoso exige preposição:

Aquela decisão custou ao filho.

b) com o sentido de valor não exige preposição:

Aquela casa custou caro.

4. Obedecer

O verbo obedecer é transitivo indireto, logo, exige preposição:

Obedeça ao pai!

Na linguagem informal, entretanto, ele é usado como verbo transitivo direto: Obedeça o pai!

5. Proceder

a) com o sentido de fundamento é verbo intransitivo:

Essa sua desconfiança não procede.

b) com o sentido de origem exige preposição:

Essa sua desconfiança procede de situações passadas.

6. Visar

a) com o sentido de objetivo exige preposição:

Visamos ao sucesso.

Na variante coloquial, encontramos o verbo sendo utilizado sem preposição, ou seja, como verbo transitivo direto: Visamos o sucesso.

b) com o sentido de mirar não exige preposição:

O policial visou o bandido à distância.

7. Esquecer

O verbo esquecer é transitivo direto, logo não exige preposição:

Esqueci o meu material.

No entanto, na forma pronominal, deve ser usado com preposição: Esqueci-me do meu material.

8. Querer

a) com o sentido de desejar não exige preposição:

Quero ficar aqui.

b) com o sentido de estimar exige preposição:

Queria muito aos seus amigos.

9. Aspirar

a) com o sentido de respirar ou absorver não exige preposição:

Aspirou todo o escritório.

b) com o sentido de pretender exige preposição:

Aspirou ao cargo de ministro.

10. Informar

O verbo é transitivo direto e indireto, assim ele exige um complemento sem e outro com preposição:

Informei o acontecimento aos professores.

11. Ir

O verbo ir é regido pela preposição “a”:

Vou à biblioteca.

12. Implicar

a) com o sentido de consequência, o verbo implicar é transitivo direto, logo não exige preposição:

O seu pedido implicará um novo orçamento.

b) com o sentido de embirrar, é transitivo indireto, logo exige preposição:

Implica com tudo!

13. Morar

O verbo morar é regido pela preposição “em”:

Mora no fim da rua.

14. Namorar

O verbo namorar é transitivo direto, apesar de as pessoas o usarem sempre seguido de preposição:

Namorou Maria durante anos.

"Namorou com Maria durante anos" não é gramaticalmente aceito.

15. Preferir

O verbo preferir é transitivo direto e indireto. Assim:

Prefiro carne a peixe.

16. Simpatizar

O verbo simpatizar é transitivo indireto e exige a preposição "com":

Simpatiza com os mais velhinhos.

17. Chamar

a) com o sentido de convocar não exige complemento com preposição:

Chama o Pedro!

b) com o sentido de apelidar exige complementos com e sem preposição:

Chamou ao João de Mauricinho.

Chamou João de Mauricinho.

Chamou ao João Mauricinho.

Chamou João Mauricinho.

18. Pagar

a) quando informamos o que pagamos o complemento não tem preposição:

Paga o sorvete?

b) quando informamos a quem pagamos o complemento exige preposição:

Paga o sorvete ao dono do bar.

Leia também:

Regência Nominal

Há também a regência nominal, que é a relação entre nomes e seus complementos. Essa relação é estabelecida através de preposições.

Exemplos:

  • O bacharel em Direito pode ser defensor público. (e não “O bacharel de Direito pode ser defensor público.”)
  • Tenho horror às baratas. (e não “Tenho horror de baratas.”)
  • Essa máquina é compatível com a que temos. (e não “Essa máquina é compatível a que temos”.)

Leia também: Concordância verbal e nominal e Exercícios de concordância verbal.


Exercícios

1. (UPM-SP) A regência verbal está errada em:

a) Esqueceu-se do endereço.
b) Não simpatizei com ele.
c) O filme a que assistimos foi ótimo.
d) Faltou-me completar aquela página.
e) Aspiro um alto cargo político.

Alternativa e: Aspiro um alto cargo político.

Correção: Aspiro a um alto cargo político.

2. (UFPA) Assinale a alternativa que contém as respostas corretas.

I. Visando apenas os seus próprios interesses, ele, involuntariamente, prejudicou toda uma família.
II. Como era orgulhoso, preferiu declarar falida a firma a aceitar qualquer ajuda do sogro.
III. Desde criança sempre aspirava a uma posição de destaque, embora fosse tão humilde.
IV. Aspirando o perfume das centenas de flores que enfeitavam a sala, desmaiou.

a) II, III, IV
b) I, II, III
c) I, III, IV
d) I, III
e) I, II

Alternativa a: II, III, IV

Correção da oração I: Visando apenas aos seus próprios interesses, ele, involuntariamente, prejudicou toda uma família.

3. (Fuvest) Indique a alternativa correta:

a) Preferia brincar do que trabalhar.
b) Preferia mais brincar a trabalhar.
c) Preferia brincar a trabalhar.
d) Preferia brincar à trabalhar.
e) Preferia mais brincar que trabalhar.

Alternativa c: Preferia brincar a trabalhar.

O verbo preferir é transitivo direto e indireto, logo exige complemento com e sem preposição. Sua construção deve ser: Prefiro (uma coisa) + preposição "a" + (outra coisa).

De acordo com a língua culta, não se deve usar intensificadores (mais, muito) com o verbo preferir.

Assim:

a) A alternativa está errada porque usa "do que trabalhar" em vez de "a trabalhar".
b) A alternativa está errada porque usa o intensificador "mais".
d) A alternativa está errada porque usou a forma errada da crase.
e) A alternativa está errada porque além de usar o intensificador "mais", também usa "que trabalhar" em vez de "a trabalhar".

4. (Fuvest) Assinale a alternativa gramaticalmente correta:

a) Não tenho dúvidas que ele vencerá.
b) O escravo ama e obedece a seu senhor.
c) Prefiro estudar de que trabalhar.
d) O livro que te referes é célebre.
e) Se lhe disseram que não o respeito, enganaram-no.

Alternativa e: Se lhe disseram que não o respeito, enganaram-no.

Correção das restantes frases:

a) Não tenho dúvidas de que ele vencerá.
b) O escravo ama o seu senhor e o obedece.
c) Prefiro estudar a trabalhar.
d) O livro a que te referes é célebre.

Márcia Fernandes
Márcia Fernandes
Professora, pesquisadora, produtora e gestora de conteúdos on-line. Licenciada em Letras pela Universidade Católica de Santos.